SAUDAÇÕES E BOAS VINDAS

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO! PARA SEMPRE SEJA LOUVADO!

Caríssimos e amados irmãos e irmãs em Nosso Senhor Jesus Cristo! Sêde BEM-VINDOS!!! Através do CATECISMO, das HOMILIAS DOMINICAIS e dos SERMÕES, este blog, com a graça de Deus, tem por objetivo transmitir a DOUTRINA de Nosso Senhor Jesus Cristo. Só Ele tem palavras de vida eterna. Jesus, o Bom Pastor, veio para que Suas ovelhas tenham a vida, e com abundância. Ele é a LUZ: quem O segue não anda nas trevas.

Que Jesus Cristo seja realmente para todos vós: O CAMINHO, A VERDADE, A VIDA, A PAZ E A LUZ! Amém!

domingo, 11 de dezembro de 2016

HOMILIA DOMINICAL - 3º Domingo do Advento - Com explicação da Epístola

   Leituras: Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Filipenses 4, 4-7.
   Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João 1, 19-28. 

LEITURA DA EPÍSTOLA DA MISSA DESTE 3º DOMINGO DO ADVENTO

   "Irmãos: Alegrai-vos sempre no Senhor. Ainda uma vez vos digo: alegrai-vos. Seja a vossa modéstia conhecida de todos os homens; o Senhor está perto. De nada vos inquieteis; mas, em toda oração e súplica, dando graças, apresentai a Deus os vossos pedidos. E a paz de Deus, que excede todo entendimento, guarde os vossos corações e os vossos espíritos em Cristo Jesus, Senhor nosso". 

   Caríssimos e amados irmãos em Nosso Senhor Jesus Cristo!

 A Epístola de hoje é curta; mas, embora, apresentando poucas palavras, oferece muitos pontos importantíssimos de meditação: a alegria, a modéstia, a oração e a paz. 
  Farei uma explicação sucinta de toda Epístola e depois me deterei um pouco mais em alguns tópicos. 

  São Paulo quer nos ensinar o seguinte: Meus irmãos caríssimos: Alegrai-vos sempre porque tendes no Senhor o motivo de vossa alegria. Repito: alegrai-vos. Que a vossa modéstia, simplicidade, humildade e doçura sejam manifestas a todos. O Senhor não tardará a socorrer-vos. Portanto, não vos inquieteis com coisa alguma deste mundo, quer presente, quer futura; mas em vossas necessidades recorrei a Deus, a Ele manifestando o que precisais, suplicando-o com vossas orações e pedidos, e agradecendo-o pelos benefícios já recebidos. E a paz de Deus que está acima de todo entendimento, aquela paz sobrenatural que não compreende senão quem já a provou, guardará os vossos corações e as vossas inteligências, unindo-os e sujeitando-os ao coração e à vontade de Nosso Senhor Jesus Cristo.

   Caríssimos, embora o mundo não compreenda, ao cristão sobram motivos de alegria, de santa alegria. E o motivo é porque Jesus Cristo está perto de nós e, pela graça santificante, está mesmo dentro de nós. 

   Mestre experimentado, São Paulo acrescenta os meios para adquirir a alegria: "Manifestai a todos a vossa modéstia, que segundo o grego, pode ser traduzido como suavidade. Depondo todo hábito de violência, à ira e preferindo a bondade, a todos oferecendo o perdão, então, não tardaremos a ver que somos felizes. Diz ainda o Apóstolo: "Não vos angustieis por coisa alguma". A riquezas e os muitos prazeres não são portadores de felicidade. Quem já o experimentou, sendo sincero, o confessará. 

   Seria tão fácil ser feliz! É só fazer o que São Paulo diz nesta pequena Epístola lida na Missa deste domingo. Só não é feliz quem não quer. Coisa admirável! A Religião de Nosso Senhor Jesus que se nos afigura tendo como única meta a outra vida, na realidade faz-nos felizes já nesta terra. É só ter Jesus Cristo e segui-Lo fielmente. Embora as Bem-aventuranças de Nosso Senhor Jesus Cristo sejam diametralmente opostas às máximas do mundo, nelas verdadeiramente encontra-se a felicidade. Esta é a paz que está acima de todo entendimento humano! Só a entende aquele a quem o Divino Espírito Santo a revelar e a fizer entender. 

   Em troca da excessiva solicitude, o Apóstolo nos pede que em todas as coisas recorramos a Deus: Não vos afaneis por nada, mas as vossas petições sejam apresentadas a Deus". É muito mais o que podemos esperar da graça do que podemos esperar de nosso ardor. E isto "em tudo", sabendo com certeza que nunca seremos importunos a Deus ou insuportáveis com a multiplicidade de nossas instâncias. Multipliquemo-las generosamente. É o próprio Jesus que no-lo ensina fazer. Basta que as nossas petições sejam dignas de ser apresentadas diante de Deus, isto é, que não peçamos ao Senhor Deus e Pai, coisas não boas ou inúteis. Pelo resto, não nos espantem nem o número nem a grandeza dos nossos pedidos. Os grandes pedidos são justamente os mais dignos de um tal Senhor. Jesus disse para seus discípulos: "Até agora não pedistes nada" (S. João XVI, 24). 

   Caríssimos, não vos aflijais, mas em todas as coisas, em todas as vossas necessidades e dificuldades, apresentai as vossas súplicas a Deus, Nosso Senhor, e Nosso Pai. Amém!

Nenhum comentário:

Postar um comentário