SAUDAÇÕES E BOAS VINDAS

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO! PARA SEMPRE SEJA LOUVADO!

Caríssimos e amados irmãos e irmãs em Nosso Senhor Jesus Cristo! Sêde BEM-VINDOS!!! Através do CATECISMO, das HOMILIAS DOMINICAIS e dos SERMÕES, este blog, com a graça de Deus, tem por objetivo transmitir a DOUTRINA de Nosso Senhor Jesus Cristo. Só Ele tem palavras de vida eterna. Jesus, o Bom Pastor, veio para que Suas ovelhas tenham a vida, e com abundância. Ele é a LUZ: quem O segue não anda nas trevas.

Que Jesus Cristo seja realmente para todos vós: O CAMINHO, A VERDADE, A VIDA, A PAZ E A LUZ! Amém!

quarta-feira, 27 de abril de 2016

O PAPA -31ª LIÇÃO

O CHEFE DA IGREJA É O PAPA
   Jesus deu à sua Igreja um chefe supremo, a quem todos devem obedecer. A este chefe supremo chamamos  Papa.
   Jesus tinha morrido e ressuscitado, e em breve ia subir ao céu. Então apareceu aos apóstolos à beira dum lago, abençoou-lhes a pescaria, comeu com eles e depois disse a São Pedro, que primeiro se chamava Simão: "Simão, filho de João, tu me amas?" São Pedro respondeu: "Senhor, vós sabeis que eu vos amo". E Jesus disse: "Sê o pastor dos meus cordeiros, e das minhas ovelhas". E isto Jesus repetiu por três vezes.
   Todos os fiéis, também os apóstolos, são ovelhas do Senhor. Jesus fez São Pedro pastor de todas as ovelhas, também os apóstolos deviam obedecer a São Pedro. Nosso Senhor fez São Pedro chefe da Igreja. O chefe da Igreja chama-se Papa. Jesus fez São Pedro Papa.
   São Pedro morreu crucificado de cabeça para baixo. Mas São Lino foi posto no seu lugar, isto é, São Lino foi o primeiro sucessor de São Pedro. São Lino foi o segundo papa. São Lino também foi morto pelos pagãos. Depois da morte de São Lino, foi Papa São Anacleto, depois São Clemente, e assim por diante, até ao Papa que agora vive em Roma (Francisco). O Papa é o sucessor de São Pedro, chefe da Igreja.
   Dizemos que o Papa é o chefe visível da Igreja. "Visível" quer dizer que se pode ver. Agora compreendemos que é a mesma coisa, se Jesus manda alguma coisa e se a Igreja (isto é: o Papa com os Bispos) manda alguma coisa. Jesus fez São Pedro Papa.
   Numa família o pai sai para uma viagem e diz aos filhos: Meus filhos, vosso irmão mais velho fica aqui e governará em meu nome. Deveis obedecer-lhe. Quem lhe obedece, é a mim que obedece. Quem o despreza é a mim que despreza. Assim dizendo, o pai vai-se embora. Agora um dos filhos, o João, não quer fazer o que o irmão mais velho manda. A quem despreza o João? João despreza o pai; pois é por ordem do pai que o irmão mais velho governa.
   Assim é a Igreja. O chefe da Igreja é Jesus Cristo. Como aquele pai saiu de casa, assim Jesus saiu da terra e subiu ao céu e nos deixou o Papa e os Bispos para governar em seu nome. Quem obedece os Bispos e o Papa, obedece a Jesus, Quem despreza os Bispos e o Papa despreza a Jesus Cristo. Jesus mesmo o disse.
   O Papa e os Bispos mandaram comungar pelo menos uma vez por ano. Quem não quer comungar uma vez por ano despreza a Jesus Cristo.
   Os Bispos e o Papa mandam jejuar e abster-se de carne em certos dias. Quem naqueles dias come carne ou não jejua não tendo dispensa, despreza a Jesus Cristo. Jesus disse: "Quem não obedece à Igreja seja considerado pagão". Quem não obedece à Igreja não deve chamar-se católico, pois Jesus disse que há de ser considerado como pagão.


   EXEMPLO
   Átila era rei dos hunos. Ele veio da África com seu povo selvagem e passou por toda Europa. Venceu todos os que lhe foram ao encontro, sujeitou muitos povos, saqueou muitas cidades e queimou muitas aldeias. Ninguém podia contra ele.
   Átila ouviu dizer que na cidade de Roma havia muitos tesouros, e foi com seu exército a Roma para roubar tudo e queimar a cidade. O povo de roma estava com muito medo deste rei terrível, e pediu ao Papa que lhes valesse.
   O Papa, como já vimos, mora em Roma. O Papa saiu da cidade e foi ao encontro do rei Átila. O Papa encontrou-se com o exército  e mandou ao rei que voltasse dali e não entrasse em Roma. O rei ficou com muito medo e mandou logo o exército voltar.
   Um amigo do rei lhe disse: "Mas como é possível?! Vossa Majestade não teve medo de reis poderosos que vinham com grandes exércitos; e agora tem medo desse velho?!" Átila respondeu: "Não tinha medo daquele velho, mas sim do homem que estava a seu lado". O rei tinha visto São Pedro que, todo armado, estava ao lado do Papa.
   O Papa é o sucessor de São Pedro e por isso e chefe visível da Igreja.

segunda-feira, 25 de abril de 2016

ALGUMAS PÁGINAS DA HISTÓRIA DO CONCÍLIO VATICANO II - 1ª página

Observações preliminares dos vários posts sobre a assunto:
1 - Estas páginas serão extraídas do Livro "O RENO SE LANÇA NO TIBRE", escrito por Ralph Wiltgen S.B.D. 
2 - No prefácio de seu livro o autor assim se auto-apresenta: "Na minha qualidade de padre, jornalista poliglota e membro da Sociedade Missionária, Internacional e Inter-Racial Sociedade do Verbo Divino, tinha inúmeras ocasiões de entrar em contato direto com os Padres Conciliares. Eles não demoraram em descobrir a imparcialidade de meus noticiários, o que me permitiu obter informações de primeira mão, tanto da parte dos conservadores como dos liberais. De fato, as correntes minoritárias procuraram muitas vezes entrar em contato comigo e me forneceram informações com exclusividade. Para escrever a presente história tive acesso a todos os documentos oficiais comunicados aos Padres Conciliares, durante as quatro sessões. Além disso, pude tomar conhecimento de cartas particulares ou oficiais, das atas das sessões e de numerosos documentos difundidos pelas Conferências Episcopais. Minha permanência em Roma durante toda a redação desta obra revelou-se extremamente útil, pois me permitiu obter, depois do Concílio, informações suplementares". 
3 - Achei esta uma fonte muito segura, exatamente pela imparcialidade do autor, que, sendo padre, também tinha uma maior facilidade em conseguir as informações, sobretudo tendo em vista, que o Padres Conciliares discutiam as questões em latim. O Padre Ralph, talvez mais do que ninguém, tinha todas as condições para dar uma história exata do Concilio Vaticano II. É evidente que o ideal seria ler todo o livro. Mas, sabemos que nem todos têm condições de fazê-lo. Assim, no intuito de ajudar muitos pessoas, pensei em apresentar , pelo menos algumas páginas de tão precioso livro. 


O Papa João XXIII que iniciou o Concílio Vaticano II.
Era uma quinta-feira, 11 de outubro de 1962, festa da
Maternidade Divina da Bem-Aventurada Virgem Maria.
 O primeiro esquema a ser tratado no Concílio foi o da LITURGIA. Eis dele a primeira página que extraí:

   "Mons. Dante, Secretário da Congregação dos Ritos, se pronunciou com força contra o esquema sobre a liturgia. A legislação sobre o assunto, disse, deveria continuar como prerrogativa exclusiva da Santa Sé. O latim deveria continuar a ser a língua da liturgia e as línguas vulgares não deveriam ser usadas a não ser para as instruções e para certas orações. Sua intervenção foi apoiada por três outros membros da Cúria: o Cardeal Bacci, da Congregação dos Ritos, que era considerado o mais eminente latinista do Vaticano; Mons. Parente, Consultor da Congregação dos Ritos e primeiro assessor do Cardeal Ottaviani no Santo Ofício; e Mons. Staffa, Secretário da Congregação dos Seminários e Universidades. O Cardeal Siri, Arcebispo de Gênova, um dos chefes do movimento conservador, sugeriu a criação de uma Comissão Mista composta de membros das Comissões de Teologia e de Liturgia, com a incumbência de fazer a revisão de todo o esquema.

   No dia 30 de outubro, dia seguinte a seu 72º aniversário, o Cardeal Ottaviani interveio para protestar contra as modificações radicais a que se estava propondo submeter a Missa. "Estamos procurando suscitar o espanto, até o escândalo no povo cristão, introduzindo modificações em um rito tão venerável que foi aprovado através de tantos séculos e que continua sendo tão familiar? Não está certo tratar o rito da Santa Missa como se fosse um pedaço de pano que se submete à moda, segundo a fantasia de cada geração". Falando sem ler; em razão de sua cegueira parcial, ele ultrapassou os dez minutos a que se tinha pedido que todos se limitassem. O Cardeal Tisserant, decano dos Presidentes do Concílio, mostrou seu relógio ao Cardeal Alflink que presidia a sessão. Quando o Cardeal completou quinze minutos com a palavra, o Cardeal Alflink tocou a sineta. Mas o orador estava tão empolgado com o assunto que não a escutou - a não ser que a tenha deliberadamente ignorado. A um sinal do Cardeal Alflink, um técnico desligou o microfone. O Cardeal Ottaviani verificou o fato apalpando seu microfone, e humilhado teve que voltar a seu lugar. O mais poderoso Cardeal da Cúria tinha sido reduzido ao silêncio e os Padres Conciliares aplaudiram com alegria.

   Repetidas vezes os oradores seguintes pediram que o texto integral do esquema sobre a liturgia fosse distribuído aos Padres Conciliares como sugerira o Cardeal Frings. Estava generalizada a impressão de que altas influências, agindo por trás dos bastidores, eram responsáveis pela redução do texto original. Finalmente a situação foi esclarecida pelo Cardeal Confalonieri, membro da Cúria e presidente da subcomissão de emendas, seção da Comissão Central Pré-Conciliar a quem todos os projetos tinham que ser submetidos. No dia 5 de novembro, ele anunciou aos Padres Conciliares que sua subcomissão era a única responsável pelas modificações levadas a efeito.

   Esta declaração pública foi considerada como um novo triunfo para os liberais. Ela foi seguida de um outro triunfo ainda mais impressionante: a reinclusão da maior parte dos trechos - inclusive as "Declarações" - que tinham sido cortadas do projeto original". 

domingo, 24 de abril de 2016

HOMILIA DOMINICAL - 4º Domingo depois da Páscoa

   Leituras: Epístola de São Tiago Apóstolo 1, 17-21.
                   Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João 16, 5-14:



 "Naquele tempo , disse Jesus a seus discípulos: Eu vou Àquele que me enviou e nenhum de vós me pergunta: Para onde ides? Mas porque vos disse estas coisas, o vosso coração se encheu de tristeza. Digo-vos, porém, a verdade: é bom para vós que eu vá; porque se eu não for, não virá a vós o Consolador; mas, se for, eu vo-lo enviarei. E, quando Ele vier, convencerá o mundo que existe o pecado, a justiça e o juízo. Quanto ao pecado, porque não creram em mim. Quanto à justiça, porque eu vou ao Pai, e já não me vereis. E também quanto ao juízo, porque o príncipe deste mundo já foi julgado. Ainda tenho muitas coisas a dizer-vos, mas agora não as podeis compreender. Quando vier, porém, aquele Espírito de verdade ensinar-vos-á toda a verdade. De si mesmo não há de falar, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará as coisas que hão de vir. Ele me glorificará, porque receberá do que é meu, e vo-lo anunciará". 

   Caríssimos e amados irmãos em Nosso Senhor Jesus Cristo!

   A Santa Madre Igreja já nos vai preparando para a grande festa de Pentecostes, ou a Vinda do Divino Espírito Santo. "Vou para Àquele que me enviou," disse Jesus, " e nenhum de vós me pergunta: para onde vais?" "A vós convém que eu vá, porque se eu não for, não virá a vós o Consolador; mas se eu for, eu vo-Lo enviarei". Jesus disse estas palavras na véspera de Sua morte. Na verdade, só a morte de Jesus nos pôde merecer esta vinda do Enviado do Pai e do Filho, o Divino Espirito Santo. Podemos dizer que a descida do Espírito Santo à Igreja e às nossas almas é o maior fruto da Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo. Jesus trabalhou no meio dos seus Discípulos de um modo visível; depois de sua Morte, Ressurreição e Ascensão ao Céus, enviará o Divino Espírito Santo que continuará a Sua obra, mas agora de maneira invisível, porém, não menos real e eficaz. O próprio Jesus diz que a ação do Divino Paráclito completará a Sua: "Tenho ainda muitas coisas a dizer-vos, mas vós não as podeis compreender agora. Quando vier, porém, aquele Espírito de Verdade, Ele vos ensinará toda a verdade. O coração dos Apóstolos, ainda endurecido pelo pecado, não pode entender as verdades mais profundas; será necessário que Jesus, morrendo na cruz, destrua o pecado que é, na verdade, o grande obstáculo à ação do Espírito Santo. 

   Caríssimos e amados fiéis, devemos dispor-nos com todo ardor para o Pentecostes a fim de que se renove em nós, em toda a sua plenitude, a descida do Espírito Santo. Esta preparação consiste, sobretudo, numa particular pureza de consciência. Combatamos os pecados até nas suas raízes mais profundas. Procuremos praticar sobretudo as virtudes da pureza, da caridade, doçura e mansidão, humildade e simplicidade. 

   Invoquemos, outrossim, a ação do Espírito Santo sobre a Igreja e sobre todo o mundo. Sobre a Igreja, para que a governe e dirija no cumprimento da sua missão; sobre o mundo, para que o convença da verdade por ele rejeitada. "E Ele, quando vier - disse Jesus - convencerá o mundo quanto ao pecado, à justiça e ao juízo", ou seja, mostrar-lhe-á que é escravo do pecado por não ter acreditado em Cristo, far-lhe-á compreender como só n'Ele, o Redentor, está a justiça e a santidade e mostrar-lhe-á que o demônio, "o príncipe deste mundo", foi finalmente vencido e condenado. 

   Vinde, ó Espírito Santo, santificai-me! Vinde, Espírito de verdade, enchei-me!" A vossa Sabedoria divina me estabelecerá na verdade. Tenho sede dela e quereria que a verdade reinasse na minha mente, nas minhas palavras, nos meus afetos, nas minhas ações, evitando tudo o que lhe é contrário, não só o orgulho, não só a mentira, mas também a dissimulação, a duplicidade, a falta de sinceridade comigo mesmo. Vinde, ó Espírito Santo, abrasai-nos no Vosso amor, e nele inflamados, que sobretudo os sacerdotes transbordem este amor sobre as almas! Amém!

quinta-feira, 21 de abril de 2016

O PAI-NOSSO - ( I ) - 27ª LIÇÃO



- QUAL A ORAÇÃO MAIS BONITA?

- O PAI-NOSSO PORQUE FOI JESUS CRISTO QUE O ENSINOU PELA PRIMEIRA VEZ.

   Um dia Jesus estava rezando. Os apóstolos viam como Jesus sabia rezar. Todo o corpo do Senhor estava na posição mais respeitosa. Toda a alma do Senhor pensava só em Deus. Então os apóstolos também queriam saber rezar assim. Quando o Senhor acabou, os apóstolos disseram: "Senhor, ensinai-nos a rezar". E Jesus lhes ensinou a rezar o Pai-Nosso.
   Jesus sabe como se reza melhor. Jesus acha que o Pai-Nosso é a melhor oração. Quem não sabe outra oração e não sabe ler pode todo o tempo da Missa ou da Novena rezar o Pai-Nosso. Pois melhor oração do que o Pai-Nosso não há. Quando rezamos o Pai-Nosso, não devemos dizer só as palavras, como um papagaio. Também devemos saber o que dizemos a Deus.
   Quem vai falar a alguém, chama-lhe pelo nome ou título. Por exemplo: ninguém diz ao vigário: "VOCÊ", dê-me um santinho". Mas dizemos: "Senhor vigário, dê-me um santinho".
   O título que damos a Deus é "Pai nosso". Jesus quer que chamemos a Deus "nosso Pai": pois Deus nos fez. Deus dá-nos comida, bebida, roupa, casa, como um bom pai. Por isso dizemos: Pai nosso, e principiamos a nossa oração com confiança. Sabemos que falamos ao nosso Pai.
   Para logo levantar o nosso pensamento ao céu, ajuntamos: "que estais no céu". Bem sabemos que Deus está no céu, na terra e em todos os lugares. Mas quando vamos rezar, lembramos-nos principalmente de que Deus, nosso Pai, está no céu, e levantamos o pensamento para o céu.
   Santo Inácio diz que é bom, antes de rezar, imaginar como Deus está no céu, sentado num trono e todos os anjos e santos ajoelhados diante dele. Ajoelhemo-nos também no meio dos anjos e santos e vamos falar ao Pai do céu. Quem está pensando assim já não repara em outras coisas, nas lembra-se de Deus. Nosso Senhor quer que no princípio da oração pensemos em Deus, levantando  nosso pensamento para o céu.
   Lembrando-nos assim do céu, rezamos com mais respeito. Por isso dizemos: "Pai nosso que estais no céu".
EXEMPLO
   Certa vez foi uma velhinha ter com São Francisco e lhe disse: "Padre, eu não consigo rezar o Pai-Nosso". E São Francisco lhe perguntou por quê. Ela respondeu: "É que quando começo a rezar e digo"Pai-Nosso que estais no céu", só em pensar que Deus é meu Pai, eu fico tão alegre e tão admirada que não consigo ir adiante".
INVOCAÇÃO } Pai nosso que estais no céu,
                            1ª - Santificado seja o vosso Nome,
                            2ª - Venha a nós  o vosso Reino,
                            3ª - Seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu.
                            4ª - O pão nosso de cada dia nos dai hoje.
  PETIÇÕES }  5ª - Perdoai as nossas (dívidas) ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido; (os nossos devedores). 
                            6ª - E não nos deixeis cair em tentação,
                            7ª-  Mas livrai-nos do mal.
CONCLUSÃO }      Amém.

NB: Em francês sempre foi traduzido: perdoais nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos têm ofendido. Portanto assim rezavam até os santos, como Santa Terezinha, o Santo Cura d'Ars etc.  Em Portugal também sempre se traduziu assim. Santo Antônio de Lisboa, enquanto esteve em Portugal, sempre rezou assim; e quando foi para a Itália, passou a rezar: perdoai nossas dívidas, porque assim era na Itália. 

O PAI-NOSSO - II - 28ª LIÇÃO

   OS TRÊS PRIMEIROS PEDIDOS

   No Pai-Nosso fazemos a Deus sete pedidos. Os três primeiros são para a glória de Deus, os outros quatro para as nossas necessidades.
   Para a glória de Deus dizemos: Santificado seja o vosso nome, venha a nós o vosso reino, seja feita a vossa vontade.
   Com este três pedidos cumprimos o dever que temos de adorar a Deus e agradecer-lhe os seus benefícios. Dizemos: "Santificado seja o vosso nome". Santificado quer dizer "louvado e honrado". Com estas palavras pedimos que o nome de Deus seja louvado por todos os homens. Desejamos que todos os homens creiam em Deus e o amem sobre todas as coisas. "Santificado seja o vosso nome". Com estas palavras também adoramos a Deus.
   Dizemos: "Venha a nós o vosso reino". O reino de Deus é o céu. Com estas palavras pedimos o céu. Pedimos que Deus nos ajude a viver de maneira que ganhemos o céu.
   Um reino é um país com muitas pessoas que obedecem ao mesmo rei. Assim o céu é o reino de Deus, porque ali há uma multidão  de anjos e santos que obedecem todos ao mesmo Rei. O Rei do céu é Deus.
   Dizemos: "seja feita a vossa vontade assim na terra como no céu". Para entrar no reino dos céus é preciso fazer a vontade de Deus. Com estas palavras pedimos que Deus nos ajude a fazer a Sua vontade, e a sofrer com paciência os sofrimentos que Ele nos mandar.
   Quem faz a vontade de Deus não peca: pois pecar é não fazer o que Deus manda. Quando dizemos: "Seja feita a vossa vontade", pedimos que não cometamos pecado.
   E como queremos fazer a vontade de Deus? Queremos fazer a vontade de Deus como os anjos  no céu a fazem. Os anjos são representados com asas, porque estão sempre prontos a fazer logo a vontade de Deus. Todos os anjos que estão no céu sempre fizeram em tudo a vontade de Deus: nunca cometeram pecado algum.
   Como os anjos no céu fazem a vontade de Deus, assim nós na terra a queremos fazer: "seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu".

EXEMPLO
   Uma mãe tinha um filhinho, que estava muito doente. Achava-se desesperada. O vigário queria consolar a pobre mulher e rezava junto à criança assim: "Meu Deus se for da vossa vontade, dai a saúde a esta criança". Mas a mãe o interrompeu e disse: "Não reze assim, senhor vigário. Deve ser da vontade de Deus que meu filho fique bom". E continuou a rezar , sem a condição de que fosse a vontade de Deus. Contra toda a esperança, o filho ficou bom. Mas o menino cresceu, entregou-se a todos os vícios, foi a vergonha da família e a infelicidade da mãe, e morreu como criminoso, condenado à morte. Então a mãe compreendeu que teria sido melhor entregar a vida de seu filho nas mãos de Deus e dizer: "Seja feita a vossa vontade, assim na terra, como no céu".

"O SENHOR DEU, O SENHOR TIROU; COMO O SENHOR QUIS, ASSIM SE FEZ: SEJA SEMPRE BENDITO O NOME DO SENHOR".

O PAI-NOSSO - III - 29ª LIÇÃO

OS OUTROS QUATRO PEDIDOS

   Dizemos: "O pão nosso de cada dia nos dai hoje". Pedimos nestas palavras: pão, café, carne, peixe, pirão, água, ar, casa, roupa, saúde. Mas Jesus não quis especificar tudo isso no Pai-Nosso. Por isso resumiu tudo numa palavra: "O pão nosso". Em quase todos os países, o pão é a comida principal do povo. Por isso o "pão de cada dia" quer dizer "tudo quanto nos é preciso para o nosso corpo". Quando, por exemplo, um homem tem alguns bens guardados para a velhice, dizemos: "Ele já tem pão para a velhice".
   Pedindo o pão de cada dia, pedimos o sustento necessário para o nosso corpo: comida, bebida, casa, roupa e tudo de que precisamos.
   Quem não pede ao Pai do céu o pão de cada dia, não deve admirar-se quando este lhe falta. Mas o homem não precisa só de alimento para o seu corpo, também para sua alma. Por isso, dizendo: "O pão nosso de cada dia nos dai hoje", de certo podemos também pedir o alimento de que a nossa alma tem fome, isto é, as verdades que Jesus ensinou, o Santíssimo Sacramento e tudo quanto é necessário à salvação de nossa alma.
   Dizemos: "Perdoai-nos as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido".
   As nossas ofensas são os nossos pecados. Os que nos têm ofendido são aqueles que nos fizeram qualquer mal. Pedimos a Deus perdão dos nossos pecados. Mas Deus não quer perdoar os nosssos pecados, se nós não perdoamos àqueles que nos ofenderam.
   Certa vez, perguntou o Duque de Guise a um protestante: "Que mal te fiz para que quisesses matar-me"?  - "Não me fizeste nenhum mal, respondeu o protestante, mas a minha religião ordenava-me que te matasse". - "Se a tua religião, replicou o duque, te impunha assassinar-me, a minha ordena-me que te perdoe."
   Dizemos: "Não nos deixeis cair em tentação". Tentar quer dizer chamar para o pecado. O demônio trabalha para que nós cometamos pecado. Isso é tentar. As nossas inclinações más chamam-nos ao pecado; isto é também tentação. Mas o demônio não nos pode fazer mal algum, se nós não consentirmos. O demônio é como um leão preso na jaula. O leão só morde quem entra na jaula. Assim também, o demônio só nos pode fazer mal, se nós quisermos.
   Manuel vai à casa de José e vê algum dinheiro na gaveta. Ouve uma voz no seu coração: "Tira este dinheiro para comprar doce". É uma tentação. Se Manuel faz o que o demônio quer, caiu na tentação. Mas Manuel diz: "Não, Deus mandou não furtar! Eu não toco no alheio". Manuel não caiu na tentação; Manuel venceu a tentação.
   Dizemos no Pai-Nosso: "Livrai-nos do mal." Com estas palavras pedimos que Deus nos livre de tudo o que prejudique ao corpo e à alma. Pedimos que Deus nos livre de doenças, enchentes, incêndios, perseguição de inimigos, perda de nossos bens, guerra e outras misérias e catástrofes. Mas, antes disso pedimos que Deus nos livre do maior mal do mundo, do pecado, principalmente do pecado mortal e dos castigos do pecado; do inferno, do purgatório. Destes e de todos os outros males do corpo e da alma, pedimos a Deus que nos livre, enquanto estes males não sejam necessários para a salvação da alma e para os planos da Providência divina. Acabamos o Pai-Nosso com a palavra "Amém". Quer dizer: "Assim seja".

EXEMPLO
   Jesus Cristo ensinou o Pai-Nosso no monte das Oliveiras. No local foi construída uma igreja e depois um Carmelo. Nas paredes da Igreja vemos o Pai-Nosso escrito em todas as línguas do mundo. Inclusive em português está escrito em português antigo e no português atual. E é claro, está escrito com todo destaque na língua de Jesus, ou seja, no aramaico e também no hebraico.
   Estive lá em agosto do ano 2000. Nosso guia era da religião judaica. Mas pedimos a ele que lesse o Pai-Nosso em aramaico e hebraico para que a gente tivesse uma idéia de como Jesus ensinou o Pai-Nosso. O Judeu, então, leu. Mas percebemos que ele não falou a Amém. E é claro, lá estava o Amém. Perguntamos a ele porque ele não quis falar o Amém. Ele respondeu: "Eu sou da religião judaica e, se eu disser Amém estarei confirmando o que Jesus ensinou. Mas nós judeus não aceitamos a Jesus. 
  

terça-feira, 19 de abril de 2016

A AVE-MARIA - 26ª LIÇÃO - 2ª parte

   Vimos que a primeira parte foi feita pelo Arcanjo Gabriel e por Santa Isabel: O Anjo disse: "Ave, Maria, cheia de graça. o Senhor é convosco". Santa Isabel disse: "Bendita sois entre as mulheres e bendito é o fruto do vosso ventre". Estas palavras contêm os louvores, os elogios da Virgem . A estes louvores a Igreja acrescentou o  nome de Jesus e um pedido: "Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores, agora e na hora da nossa morte. Amém".

Chamamos a Maria "MÃE DE DEUS". Jesus recebeu sua natureza humana de Maria Santíssima. Por isso Jesus é Filho de Maria. Maria é Mãe de Jesus. Jesus é Deus. Por isso Maria é Mãe de Deus. Pois não há dois Filhos, um de Deus e outro de Maria. Mas há um Filho só, o Filho de Deus e o Filho de Maria, porque recebeu uma natureza de Deus e outra de Maria.
   Quando pedimos a Nossa Senhora que rogue por nós, chamamos-lhe Mãe de Deus: pois sabemos que Deus nos dará tudo o que sua Mãe pedir para nós. Pedimos que Maria rogue por nós, isto é, "peça por nós". Dizendo estas palavras podemos pensar em qualquer coisa de que precisamos.  Pedimos, então, que Maria peça isso para nós.
   Dizemos que somos "pecadores", para que Nossa Senhora tenha pena de nós, pobres pecadores. Um mendigo mostra suas doenças quando pede esmola. Assim nós mostramos a nossa grande doença, o pecado, para que Maria nos ajude mais.
   Pedimos que Maria nos ajuda agora, isto é, na hora mesma em que pedimos. Mas também pedimos que Maria nos ajude na hora da nossa morte.
   Nesta hora o demônio faz tudo para nos seduzir ao pecado. Precisamos de defesa. Maria venceu o demônio e nos defenderá dele. Convém muito rezar a Ave-Maria. No rosário rezamos quase só Pai-Nossos e Ave-Marias. Já por isso é uma oração muito boa. Nossa Senhora gosta e quer que cada dia rezemos o Rosário ou então o Terço. REZEMOS O TERÇO TODOS OS DIAS.
   Se nós rezássemos muitas vezes e bem o Terço, depressa seríamos santos e cometeríamos menos pecados, e pela nossa oração muitos protestantes e outros afastados da Igreja se tornariam católicos.

EXEMPLO
   Santo André Avelino estava muito doente, e já perto da agonia, e eis que lhe apareceram muitos demônios para o tentar. Um mostrou-lhe seus pecados e lhe disse: teus pecados são grandes demais para serem perdoados. Outro lhe falou do juízo terrível de Deus para assustá-lo. Mas o santo sabia que o melhor remédio contra a tentação é recorrer a Nossa Senhora e pôs-se a rezar a Ave-Maria, e ao dizer as palavras: "Rogai por nós, pecadores, agora e na hora da nossa morte", de repente todos os demônios desapareceram e o santo teve paz nos seus últimos momentos. Morreu tranquilamente, porque os demônios fugiram todos.

Cantemos: BENDITO ROSÁRIO DA VIRGEM MARIA, CAMINHO SEGURO QUE À GLÓRIA NOS GUIA!   A AVE-MARIA, DOCE SAUDAÇÃO. QUE TERNURA ENCERRA ! QUE CONSOLAÇÃO!

sábado, 16 de abril de 2016

A ORAÇÃO - 24ª LIÇÃO

- QUE É REZAR?
- É CONVERSAR COM DEUS.

   Rezar é conversar com Deus. Nós precisamos rezar para podermos ir para o céu. Quem reza se salva, quem não reza se condena.
   Havia guerra entre o povo de Deus e os pagãos. O chefe do povo de Deus - dos israelitas - era Moisés. A batalha entre os dois exércitos foi numa planície. Moisés subiu a um monte e rezou. Moisés rezava com os braços levantados, como o padre faz ainda em algumas partes da Missa. Moisés pediu a Deus que os israelitas vencessem. Moisés falou com Deus. Rezar é falar com Deus. Então Deus fez um milagre para nos fazer compreender que é necessário rezar. Quando Moisés tinha as mãos levantadas e rezava, o seu povo vencia. Mas quando Moisés baixava as mãos, e não rezava, logo os pagãos venciam e os israelitas eram derrotados. Então dois homens vieram sustentar os braços de Moisés em posição de rezar até que os pagãos fossem completamente derrotados.




   Com este acontecimento Deus quis nos ensinar que é necessário rezar. Quando rezamos Deus nos ajuda, quando não rezamos Deus nos desampara. Quando sempre fazemos bem as nossas orações, Deus nos ajuda a vencer os inimigos da alma e também os inimigos do nosso corpo. Quando rezamos pouco ou não rezamos, os nossos inimigos ficam mais fortes, porque Deus não nos ajuda mais.
   É necessário falar com Deus. Se um mendigo quer que um rico o ajude, há de pedir. Se não pedir, o rico não virá facilmente trazer-lhe suas esmolas. Deus é rico, nós somos pobres. Se quisermos receber de Deus graças e benefícios, devemos pedir.
   Para rezar não basta dizer as orações com a boca. Isto até um papagaio pode aprender. Mas um papagaio não reza, nem que aprenda o Pai-Nosso inteiro: porque o papagaio não pensa no que diz. Assim alguns dizem as orações só com a boca, sem pensar em Deus e nos santos. Isso não é rezar. A oração feita com o pensamento em outras coisas, não é aceita por Deus. Cantar hinos religiosos é uma oração muito boa, mas de nada vale cantar só com a boca; devemos pensar em Deus ou nos santos ou nas palavras que cantamos.
   Também devemos todos agradecer a Deus, que nos deu tudo, nosso alimento, nossa casa, nossa roupa, que nos livrou do pecado original por sua morte na cruz, que nos deu seus santos sacramentos para ganharmos o céu, e por muitos outros benefícios. Se um pobre recebe uma esmola de um rico e não agradece, o rico nunca mais lhe dá esmola. Assim Deus a muitos dá menos benefícios, porque não Lhe agradecem os que receberam.
   Devemos rezar muitas vezes, principalmente de manhã e de noite, antes e depois das refeições e sobretudo nas tentações, para não pecar. É tão bonito , quando uma família se reúne cada noite para rezar! Rezar o Terço em família! Oh! Como Deus protege tais lares, onde toda a noite se reza e se canta um hino ao Menino Jesus, a Nossa Senhora ou a algum santo.

EXEMPLO
   Era uma vez uma meninazinha que ia ser operada num hospital. Foi levada à mesa das cirurgias para ser anestesiada. O médico disse-lhe: "Se queres ser curada deves primeiro dormir". - Se devo dormir, quero rezar antes" foi a pronta resposta da pequena. Juntou as mãozinhas e fez a oração da noite até  às palavras: "Agora fecho alegremente meus olhos; meu anjo da guarda me vigia enquanto eu durmo". Nem é preciso dizer como tudo correu a mil maravilhas e como a piedosa meninazinha se recuperou rapidamente. 

sexta-feira, 15 de abril de 2016

O SINAL DA CRUZ - 23ª LIÇÃO

   Façamos o Sinal da Cruz: Pelo sinal + da Santa Cruz, livre-nos Deus + Nosso Senhor, dos nossos + inimigos. Em nome do Pai e do Filho + e do Espírito Santo. Amém.
   Nós encontramos o resumo de todas as verdades que já estudamos, no Sinal da Cruz, que é o sinal do cristão.
   O Sinal da Cruz nos lembra os principais mistérios de nossa fé, que são: Unidade e Trindade de Deus, Encarnação, Paixão e Morte de Jesus.
   O Sinal da Cruz nos lembra a Unidade de Deus: dizemos no singular "em nome", e não "nos nomes", para lembrar que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são um e o mesmo Deus.
   O Sinal da Cruz nos lembra a Trindade de Deus: pronunciamos o nome de Deus Pai, Filho e Espírito Santo; Três Pessoas em um só Deus.
   O Sinal da Cruz nos lembra o mistério da Encarnação, isto é, que Jesus se encarnou, se fez homem; e também a paixão e morte na cruz: por isso traçamos uma cruz.
   Quando fazemos o Sinal da Cruz, devemos fazer bem os gestos com a mão, não muito depressa, como quem espanta mosquitos.
   Devemos pronunciar também com repeito as palavras; não engolir umas palavras, nem dizê-las com muita pressa. Cuidado, sobretudo antes das refeições. Rezar olhando para a imagem do crucificado e não para os pratos.
   Quando fazemos o Sinal da Cruz , devemos também pensar em Deus. Sem isto nada vale. Podemos pensar no Pai, no Filho e no Espírito Santo, que são um só Deus. Podemos pensar em Jesus, que morreu na cruz por amor de nós. Mas sempre devemos pensar numa coisa religiosa.
   Convém fazer muitas vezes o Sinal da Cruz. O Sinal da Cruz afasta o demônio e atrai sobre nós a bênção de Deus.

EXEMPLOS
   1º - Certa noite, a imperatriz Cunegundes não podia conciliar o sono. Uma sua criada estava-lhe lendo um livro piedoso. De repente caiu o lampião em cima da cama e logo pegou fogo no colchão. Subiu uma grande chama. A imperatriz fez com respeito o Sinal da Cruz, e fogo se apagou. Deus apagou o fogo para nos ensinar a fôrça do Sinal da Cruz. Se a imperatriz tivesse feito o sinal da Cruz como muitos fazem, sem pensar em Deus, não se teria dado o milagre.

   2º - Eis um outro exemplo: No tempo de São Martinho ainda havia pagãos que não criam em Nosso Senhor, julgando que Deus morava nas árvores. Martinho achou que, se fosse possível derrubar uma grande árvore venerada por eles fácil seria convertê-los. Primeiramente não quiseram saber disso. Mas, por fim, disseram: "Bom, vamos ver se o teu Deus é tão forte como tu dizes. Nós mesmos derrubaremos a árvore ( não havia IBAMA). Tu, porém, te colocarás ali onde ela for cair. Então veremos se Deus te protege. São Martinho, confiado em Nosso Senhor, aceita a condição. Os homens começam a cortar a árvore que então principia a inclinar-se para o lado do santo. Aí São Martinho levanta a mão e faz com piedade um grande Sinal da Cruz. Milagre! A árvore vira-se para o lado oposto, escapando Martinho são e salvo. Todo a gente viu que Nosso Senhor era mesmo bom e forte, acreditando nele.

OS PRINCIPAIS MISTÉRIOS DE NOSSA FÉ SÃO: UNIDADE E TRINDADE DE DEUS, ENCARNAÇÃO, PAIXÃO E MORTE DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO.

Devemos fazer o Sinal da Cruz de manhã ao acordar; de noite, antes de deitar; antes e depois das refeições; no princípio e fim de qualquer trabalho; antes e depois das outras orações; nas tentações e nos perigos.

quinta-feira, 14 de abril de 2016

JESUS CRISTO - 22ª LIÇÃO

-QUANTOS DIAS ESTEVE JESUS SEPULTADO?
- TRÊS DIAS INCOMPLETOS: PARTE DA SEXTA-FEIRA, TODO O DIA DE SÁBADO, E PARTE DE DOMINGO.

- QUE FEZ JESUS CRISTO DEPOIS DOS TRÊS DIAS?
- ELE RESSUSCITOU, ISTO É, VIVEU OUTRA VEZ, GLORIOSO E TRIUNFANTE PARA NUNCA MAIS MORRER.




   Amanheceu o terceiro dia, domingo. A alma de Jesus, pelo poder de sua divindade, uniu-se de novo ao corpo. O corpo, que também sempre ficara unido com a Divindade, levantou-se e saiu do sepulcro. A terra tremeu, quando um anjo desceu e afastou a pedra do sepulcro. Os guardas, à vista deste anjo brilhante, caíram ao chão e ficaram como mortos de medo. Depois fugiram e contaram que Jesus tinha ressuscitado.
   Jesus ficou vivo depois da morte. Jesus ressurgiu. Jesus tinha poder de depor sua vida e tomá-la de novo.
Um corpo ressurgido tem qualidades admiráveis. Um corpo assim ressuscitado não pode sofrer nem morrer; não precisa de comida nem bebida. São Paulo diz: "Cristo, morto uma vez, já não morre mais". Um corpo ressuscitado é belíssimo e brilhante como o sol. Por isso chamamos a tal corpo: corpo glorioso. Um corpo ressuscitado pode mover-se tão ligeiro como o pensamento. Quando o padre na missa diz as palavras da consagração, o corpo de Jesus vem do céu ao altar num instante. Jesus entrou na sala dos apóstolos, estando as portas fechadas.
   Um bom católico tem toda a razão de se alegrar; pois sabe que Jesus, depois de poucos anos de sofrimentos, ressurgiu imortal e perfeitamente feliz. Jesus prometeu-nos que, se o seguirmos nos sofrimentos, também o havemos de seguir na glória. Esta esperança nos torna alegres até no meio das doenças e misérias; pois sabemos que o sofrimento é de  pouco tempo, e a felicidade será eterna. O jugo do Senhor é suave e o seu fardo é leve. Por isso diz a Sagrada Escritura aos bons cristãos: "Sede sempre alegres no Senhor". Em nosso rosto se há de ler a alegria que a boa consciência nos dá. A nossa conversa com os outros há de mostrar serena alegria e não tristeza, melancolia ou desgosto.
   Festejamos a RESSURREIÇÃO DO SENHOR no dia da Páscoa. Vede o quadro acima.
   Depois da ressurreição, Jesus ficou ainda quarenta dias na terra. Neste tempo Jesus apareceu muitas vezes aos apóstolos e a outras pessoas. Jesus ensinava aos apóstolos como haviam de governar a Igreja e ensinar os povos. Nestes dias Jesus também instituiu o batismo e a confissão. No fim dos quarenta dias Jesus apareceu aos apóstolos na sala da última ceia, e foi com eles para o monte das Oliveiras. Ali Jesus disse que os apóstolos haviam de pregar sua doutrina por toda a terra. Jesus falava também dos sucessores dos apóstolos. O Senhor abençoou os apóstolos, elevou-se da terra e subiu ao céu. A Igreja festeja a subida de
Jesus Cristo ao céu na festa da ASCENSÃO, quarenta dias depois da Ressurreição.Vede o quadro abaixo.





Então os apóstolos voltaram a Jerusalém a ali esperaram o Espírito Santo, que Jesus lhes tinha prometido. Os apóstolos estavam muito contentes, porque tinham visto a glória do Senhor.
   Jesus, o Filho de Deus, levou para o céu o corpo e a alma, que tinha unidos à sua pessoa. Dizemos no CREDO que Jesus está sentado à mão direita de Deus Pai. Quer dizer: Jesus tem o lugar de honra lá no céu, igual o de Deus Pai. Dizemos que Jesus está sentado, isto quer dizer que Jesus governa como rei e julga como juiz. Em ocasiões solenes o rei senta-se para receber a homenagem do povo. Também o juiz pronuncia a sentença sentado. Por isso também o padre está sentado quando ouve confissão: pois o padre julga como juiz, em nome de Deus, sobre os pecados. Jesus é  rei e juiz. Por isso dizemos que Jesus está sentado.
   O Santíssimo Coração de Jesus ficou muito consolado quando subiu ao céu. Sua grande obra estava realizada. O Senhor tinha ensinado a sua doutrina, instituído os sacramentos e aberto o céu  a todos os que quisessem entrar. Muitos e muitos haviam de entrar no céu pelo mesmo caminho que Jesus lhes havia ensinado, o caminho da cruz e dos mandamentos. Nós queremos ganhar também o céu para nós e para muitas outras almas. Há pessoas que pensam: eu não posso convidar os outros à missa nem à doutrina. Eles não se importam e até caçoam de mim. Jesus teve também estas mesmas dificuldades. Também não queriam ouvi-lo e escarneciam dele. Mas o Salvador perseverou no seu trabalho de salvar almas e salvou muitas, conquistando a todos com sua bondade. Quem sabe se Deus não nos destinou para salvar algum pecador, que vive agora longe da religião e que com o nosso trabalho, nosso convite amável e bondoso e constante, ficará um cristão zeloso? Que pena, se por nosso descuido permanecer nos seus pecados!
   Há muitas pessoas que são más, porque sempre foram maltratadas. Falam contra a religião, contra os católicos, porque nunca um católico as convidou com bondade a tomar o caminho do céu.Mas logo que encontram alguém que, com jeito, lhes faz compreender as consolações que Jesus nos dá em sua Missa, com sua doutrina, com seus sacramentos, tudo vai melhor e talvez se vão tornando bons católicos. Nestas pessoas devemos descobrir as boas qualidades, e mostrar que as repeitamos. Assim terão mais confiança em nós e aprenderão o caminho do céu. Os santos agiam assim, com este santo zelo. Só para dar um exemplo. Santo Agostinho se converteu graças às orações, penitências e lágrimas de sua mãe santa Mônica. Mas um outro instrumento da misericórdia divina para converter Santo Agostinho, foi Santo Ambrósio. Vamos ouvir o próprio Santo Agostinho: "Vós, Senhor, me leváveis a Ambrósio, sem eu o saber, para ser por ele conscientemente levado a Vós. Este homem de Deus recebeu-me paternalmente e apreciou a minha vinda bastante episcopalmente. Comecei a amá-lo, ao princípio não como mestre da Verdade - pois jamais esperava encontrá-la na vossa Igreja - mas como um homem BENIGNO PARA MIM. Ardorosamente o ouvia quando pregava ao povo... Mas "dos pecadores". tal qual eu era nesse tempo, "está longe a salvação". Todavia, insensivelmente e sem o saber, me ia aproximando dela( isto é, da salvação).  E Agostinho terminou deixando a heresia do Maniqueísmo e sua vida errada e se convertendo. Tornou-se um grande santo. Um dos maiores doutores da Igreja.

quarta-feira, 13 de abril de 2016

JESUS CRISTO - 21ª LIÇÃO

- PARA QUE SE FEZ HOMEM O FILHO DE DEUS?
- PARA NOS PERDOAR OS PECADOS.

- QUE FEZ JESUS CRISTO PARA NOS PERDOAR OS PECADOS?
- SOFREU E MORREU PREGADO NA CRUZ.





   Chegados ao monte Calvário, os soldados pregaram Jesus numa cruz. Era ao meio-dia. Ali morreu Jesus às três horas da tarde, na Sexta-feira Santa. Durante três longas horas Jesus sofreu na cruz.
   Jesus sofria muito no seu corpo. O corpo do Senhor estava suspenso na cruz por grandes pregos, que lhe atravessavam as mãos e os pés. Os grandes pregos cada vez mais abriam as chagas. Eu assisti uma vez a uma operação. Os doutores deviam furar o pé de um homem por causa de uma inflamação. Quase desmaiei ouvindo o pobre gritar e chorar. Mas o médico tinha mais cuidado do que os algozes, e os instrumentos do médico doem menos do que os grossos pregos da cruz. Também os outros homens não têm a carne tão delicada e sensível como Nosso Senhor. Como devem, pois, ter sido grandes as dores de Jesus!
   A coroa de espinhos rasgava a cabeça do Senhor. Quem já teve dor de cabeça terá alguma ideia desta coroa de espinhos. Quem sofre procura apoiar a cabeça, mas a coroa de espinhos não deixava o Senhor encostar a cabeça à cruz.
   Jesus sofria grande sede: pois perdera muito sangue. A sede é um dos maiores tormentos. Jesus subiu o Calvário com um sol abrasador. Que sede!
   A posição forçada dos braços estendidos não deixava passar o ar nos pulmões e o sangue no coração. Os meninos cansam-se quando ficam uma hora na mesma posição, sentados, durante o catecismo. Calculem agora Jesus depois da flagelação, durante três horas suspenso, numa posição tão forçada!
   Nós é que tínhamos merecido estes sofrimentos por nossos pecados. Convém pensar muitas vezes: Jesus sofreu tanto por amor de mim! Que quero eu fazer e sofrer por amor de Jesus? Aceitemos com amor os aborrecimentos e contrariedades de cada dia. Cada manhã tenhamos a intenção de unir os nossos sofrimentos aos de Jesus.
   Jesus não só sofreu  no corpo, mas também na alma, por causa de nós. Sofreu zombarias dos carrascos e do povo que gritava contra ele. Sofreu também vendo os nossos pecados. Jesus é santo e sábio. Jesus entendia que grande mal e quão feio é o pecado. Jesus ficou muito triste com os nossos pecados e nossas ingratidões.
   Jesus sofreu isto tudo por causa de nós. Soframos também um pouquinho por ele. Façamos mortificações por amor dele: por exemplo, deixar de comer um doce quando estamos com muita vontade.
   Jesus estava morto. Era costume dos soldados esmagar os ossos dos crucificados com achas de madeira e assim fizeram com os dois ladrões crucificados com o senhor. Mas chegando a Jesus, viram que Ele estava morto, e não lhe quebraram os ossos; mas um soldado, para ter certeza de que não tinha mais vida, varou com sua lança o peito de Jesus. Do Divino Coração saiu sangue e água.
   Pouco depois, Nicodemos e José de Arimateia, foram à casa de Pilatos e pediram ao governador o corpo do Senhor para enterrá-lo. Pilatos perguntou ao centurião se Jesus já estava morto. O centurião referiu que tinha presenciado a morte do Senhor. Só então Pilatos teve bastante certeza e deu licença para o enterro. Nicodemos e José de Arimateia tiraram o corpo da cruz e todo o povo podia ver as feridas e a rigidez do corpo morto. Com grande reverência depuseram o corpo do Salvador num sepulcro novo e rico. A entrada do sepulcro foi tampada com uma grande pedra e guardado por soldados. 

terça-feira, 12 de abril de 2016

JESUS CRISTO - 20ª LIÇÃO



- PARA QUE SE FEZ HOMEM O FILHO DE DEUS?
- PARA NOS PERDOAR OS PECADOS.
 
- QUE FEZ JESUS CRISTO PARA NOS PERDOAR OS PECADOS?
- SOFREU E MORREU PREGADO NA CRUZ.

   Jesus quis sofrer e morrer. Jesus instituiu o Santíssimo Sacramento e depois foi com com seus apóstolos ao jardim das Oliveiras. Ali Jesus previu tudo quanto teria de sofrer. Pois Jesus é Deus, e Deus vê e sabe tudo. O coração do Senhor ficou tão apertado de dor que suou sangue. Mas Jesus, como homem, quis obedecer ao Pai do céu. O Pai do céu queria que Jesus desse a sua vida por suas ovelhas, e Ele, na sua agonia, disse ao Pai: "Meu Pai, se for possível, afastai de mim este cálice. Mas não se faça a minha vontade e sim a vossa".
   Jesus, como homem, conformava a sua vontade com a do Pai. Jesus quis sofrer e morrer. Nós devemos também conformar a nossa vontade com a vontade de Deus: "Seja feita a vossa vontade, assim na terra, como no céu". Quando nos acontece alguma coisa de que não gostamos, digamos a Deus: "Seja feita a vossa vontade".
  Mas voltemos ao jardim das Oliveiras. Enquanto Jesus rezava veio o apóstolo traidor, Judas Iscariotes, com soldados para prender o Senhor. Nesta ocasião se podia ver que Jesus queria padecer e morrer. Ninguém lhe tirou a vida, mas Ele a deu livremente. Jesus perguntou aos soldados: "A quem procurais?" Os homens  responderam: "Procuramos a Jesus de Nazaré". Nosso Senhor respondeu: "Sou eu". E no mesmo momento todos os soldados caíram ao chão, pelo poder infinito do Senhor. Jesus disse de novo: "A quem procurais?" Os homens, já agora com medo, responderam: "Procuramos a Jesus de Nazaré"."Jesus respondeu: "Pois bem, se me procurais a mim, deixai ir aqueles". Jesus apontava para seus apóstolos.
   Com duas palavras lançou Jesus Cristo todos os soldados por terra. Os soldados nada podiam contra o Senhor, sem que Ele quisesse. Jesus quis sofrer e morrer.
   Levaram Jesus aos supremos sacerdotes judeus, Anás e Caifás, e na presença destes um soldado lhe bateu no rosto divino. Depois foi levado ao governador Pôncio Pilatos. Pilatos não achou culpa em Jesus. mas, por medo dos judeus, o condenou à morte.
   Sofreu a flagelação: os soldados, com chicotes com pontas de ferro, bateram longo tempo em todo corpo de Nosso Senhor : corria sangue. Depois enterraram na cabeça de Jesus uma coroa feita de espinhos compridos.
   Jesus foi com a cruz às costas até ao pequeno monte Calvário, e pregaram o Senhor na cruz.
   Jesus quis sofrer e morrer para nos salvar. Jesus sofreu o castigo que os homens tinham merecido pelo pecado original e pelos seus muitos outros pecados. Jesus aplacou a ira de Deus contra os homens. Jesus reconciliou os homens com Deus, abriu-nos o céu e mereceu todas as graças que recebemos pelos sacramentos, na Missa, na oração.
EXEMPLO
   Santa Ludovina teve uma enfermidade muito dolorosa. Durante muitos anos nem se podia levantar da cama. A princípio, às vezes, ficava sem paciência e queixava-se muito. Mas o seu confessor lhe deu o conselho de pensar na paixão de Jesus. Ela assim fez e meditava muitas vezes por dia na paixão do Senhor. Esta lembrança da paixão deu a Santa Ludovina aquela grande paciência que ainda agora nela admiramos. Nunca se queixava nem nas maiores dores. Até pedia a Deus que a fizesse sofrer mais, para ser mais semelhante a seu querido Jesus.
   Para sofrer com paciência, muito ajuda a lembrança da Paixão do Redentor.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

JESUS CRISTO - 19ª LIÇÃO

- ONDE NASCEU JESUS CRISTO?
- EM BELÉM, NO DIA 25 DE DEZEMBRO, À MEIA-NOITE.
DIA DE NATAL.

   Maria e José moravam em Nazaré. Mas o Salvador devia nascer em Belém. Deus assim tinha predito. A Providência divina dispôs tudo de maneira que Maria e José fossem a Belém.
   O imperador Augusto mandou registrar os nomes de todos os seus súditos. Por isso no país dos judeus todos deviam ir à cidade donde era a sua família. Maria e José eram da família de Davi, e deviam ir à cidade de Davi. A cidade de Davi era Belém. De Nazaré a Belém, eram três dias de viagem ou mais ainda. Maria e José obedeceram e fizeram uma viagem cheia de incômodos e dificuldades. Quando chegaram a Belém, bateram à porta de parentes ricos, que não os quiseram receber, por serem pobres. Também na estalagem, no hotel, não havia lugar para gente que não pudesse pagar muito.
   Assim Maria e José retirarem-se para uma gruta, que aos pastores servia de estrebaria. Ali, à meia-noite, nasceu Jesus, e Maria o deitou numa manjedoura que lá havia. Jesus nasceu na maior pobreza e assim principiou a sua vida, cheia de trabalho, cansaço, fome, sede, humilhação e desprezo. Jesus aceitou tudo isso por amor de nós. Jesus quis ensinar-nos que não podemos achar felicidade no dinheiro, nos aplausos dos homens nem nas comodidades desta vida, mas sim no desprezo de tudo isso por amor de Nosso Senhor.
   Naquela mesma noite estavam uns pastores no campo de Belém guardando suas ovelhas. De repente, no meio duma luz brilhante, apareceu junto deles um anjo de Deus e lhes anunciou o nascimento de Jesus. E apareceu uma multidão de outros anjos, cantando: "Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade". Os pastores foram, acharam o Menino Jesus no presépio e o adoraram. Depois contaram isto a todos, e ficaram admirados. Não foram os poderosos de Jerusalém que Jesus convidou primeiro para o seu presépio. Não foi o rei Herodes, nem os supremos sacerdotes judeus, nem os outros grandes senhores da capital. Foram os pastores pobres, simples e retos. Jesus deseja que todas as crianças aprendam o catecismo. Jesus quer entrar nos seus corações pela Santa Comunhão. Jesus gosta muita das crianças. Mas muitas crianças não gostam de Jesus. Não vão ao catecismo, à Santa Missa. Não recebem o seu Santíssimo Sacramento. O Menino Jesus no presépio chorou, porque sabia que muitas crianças não iriam ao catecismo. Teria chorado por minha causa?
   Quando viu os filhinhos dos pastores ajoelhados com seus pais, pensou nos muitos meninos que mais tarde não quereriam conhecê-lo. opondo-se a recebê-lo na comunhão.
   Vieram também três reis adorar a Menino Jesus. Ofereceram-lhe muitos presentes: ouro, incenso e mirra. Também os reis deem obedecer a Jesus. Ele é rei de todo o mundo. Quando nós vamos à igreja, queremos também  levar algum presente ao Menino Jesus. O presente que Jesus aprecia mais é o nosso coração. Quem ama a Jesus não receia grandes caminhadas para o adorar, ouvir a sua doutrina e assistir à Santa Missa. Os três reis levaram semanas par chegar a Belém, e não acharam isto longe demais para procurar a Jesus. Há pessoas que não vão à Missa, nem ao catecismo, porque moram uma hora ou mesmo só meia hora distante da igreja. Acham isto longe. 
   Eu prefiro estar com Jesus na pobreza e no desprezo, para me achar também com Ele na glória do céu.  
EXEMPLO
   Quando Santo Antônio de Pádua tinha cinco anos de idade e estava atento brincando, de repente viu um menino da sua idade. O pequeno Antônio ficou encantado porque nunca tinha visto um menino tão lindo! Este menino mantinha o aventalzinho levantado, e girava os olhinhos como que procurando receber algum presente. Antônio perguntou-lhe: "De onde vens? Como te chamas? Que procuras?" O Menino encantador respondeu com um sorriso que ninguém conseguiria imitar: "Venho do céu. O meu nome você vai encontrá-lo escrito em letras de fogo sobre uma gruta em Belém; em letras de sangue sobre uma cruz em Jerusalém; em letras de ouro sobre todos os sacrários da terra. Sou Jesus que te apareço sob o forma de quando eu era menino. O que procuro são os corações dos homens." "Ó Menino Jesus, que quereis de mim!" suplicou o pequeno Antônio, com todo ardor de seu inocente coração. O Menino Jesus lhe disse: "Antônio, dá-me o teu coração!".
   Caríssimas crianças, não vamos negar este presente a Jesus!!!

domingo, 10 de abril de 2016

JESUS CRISTO - 18ª LIÇÃO

- COMO SE FEZ HOMEM O FILHO DE DEUS?
-  NASCENDO DE NOSSA SENHORA.

-  ENTÃO NOSSA SENHORA É MÃE DE DEUS?
-  SIM, PORQUE É MÃE DE JESUS CRISTO QUE É DEUS.

   Para fazer-se homem o Filho de Deus quis receber seu corpo humano duma mãe. Mas não escolheu a mulher mais rica, nem a mais admirada pelo povo. Deus Filho escolheu a mulher mais santa para ser sua mãe. Esta mulher se chamava Maria. Dizemos "Maria Santíssima", porque é a mais santa entre todas as mulheres. Maria, pela graça de Deus por sua boa vontade, jamais cometeu pecado algum. Sim, por uma graça, que Deus só a ela deu, e a nenhuma outra pessoa. Maria foi isenta do pecado original. Maria foi concebida sem pecado original.
   Um dia estava Maria Santíssima no seu quarto, rezando. Entrou o anjo Gabriel e lhe disse: "Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco". Maria ficou assustada. O anjo a tranquiliza: "Não tenhas medo, Maria, pois achaste graça diante de Deus. Terás um Filho." Maria pergunta: "Como poderá ser isto, pois prometi a Deus ficar sempre virgem?" O anjo respondeu que Maria teria este filho por um milagre do Espírito Santo; Maria consentiu dizendo: "Eis aqui a escrava do Senhor, faça-se em mim segundo a vossa palavra." Então o Verbo se fez carne; quer dizer: o Filho de Deus se fez homem.
   É para recordar isto que se reza o ângelus. É um costume muito bom rezar de manhã, ao meio-dia e ao anoitecer as 3 Ave-Marias com outras orações. Estas orações se acham no catecismo. Convém decorar isto e rezar cada vez que o sino toca as Ave-Marias.
   Muita gente pensa que Nossa Senhora da Conceição, Nossa Senhora das Dores e Nossa Senhora do Rosário são diversas santas. Isto está muito errado. Há uma só Nossa Senhora, Maria Santíssima que veneramos com estes diversos títulos ou invocações.
   Devemos venerar e amar a Maria Santíssima mais que a todos os outros santos. Só ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo devemos venerar e amar mais que a Maria Santíssima. A Deus devemos adorar. Só podemos adorar a Deus. A Maria Santíssima só veneramos.
   Um bom cristão reza todos os dias a Maria Santíssima a Ave-Maria, a Salve-Rainha, algumas orações jaculatórias. Queria muito que rezásseis o Rosário, ou o Terço todos os dias. Principalmente no mês de maio e de outubro. Estes são os meses de Maria, Devemos ter muita devoção a Nossa Senhora.
   Se alguém em casa estiver doente, rezemos muito a nossa Mãe Maria, para Ela dirigir tudo para o bem. É bom ter em casa uma imagem de Nossa Senhora e muitas vezes olhar para Ela e dizer uma oraçãozinha.
   Nossa Senhora gosta mais de nós se imitarmos as suas virtudes, principalmente a santa pureza. Um bom filho de Maria não diz uma palavra que Maria teria vergonha de dizer. Um bom filho de Maria não olha coisa alguma que Maria teria vergonha de olhar. Um bom filho de Maria não pensa em nada que Maria teria vergonha de pensar. Esta santa decência em todo falar, olhar e pensar é a virtude da modéstia. O vestido mais elegante que há é a virtude da modéstia. Quem tem o vestido da modéstia é uma pessoa distinta, mesmo que ande com um vestido pobre e com os pés descalços. Maria Santíssima também andava com vestidos pobres e com simplicidade: não há, porém, rainha igual a Ela.
   A festa da Anunciação do Anjo a Nossa Senhora é no dia 25 de março.
    O ÂNGELUS
- O Anjo do Senhor anunciou a Maria.
- E ela concebeu do Espírito Santo.
AVE-MARIA
- Eis aqui a escrava do Senhor.
- Faça-se em mim segundo a vossa palavra.
AVE-MARIA
- E o Verbo se fez homem.
- E habitou entre nós.
AVE-MARIA

-Rogai por nós, Santa Mãe de Deus.
- Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.
OREMOS. Infundi Senhor, em nossos corações a vossa graça, vo-lo suplicamos, a fim de que, conhecendo pela embaixada do Anjo, a Encarnação de Jesus Cristo, vosso Filho, pelos merecimentos da Sua Paixão de Morte, cheguemos à glória da Ressurreição. Pelo mesmo Cristo, Senhor nosso. Amém.

sábado, 9 de abril de 2016

JESUS CRISTO - 17ª LIÇÃO

- QUANDO O FILHO DE DEUS SE FEZ HOMEM, DEIXOU DE SER DEUS?
- NÃO, CONTINUOU A SER VERDADEIRO DEUS E COMEÇOU A SER TAMBÉM VERDADEIRO HOMEM.

   Na lição passada vimos que Jesus Cristo é o Filho de Deus, feito homem por amor de nós. Veremos hoje que Jesus Cristo é Deus e homem. Quando o Filho de Deus se fez homem, não deixou de ser Deus, mas continuou a ser verdadeiro Deus e começou a ser também verdadeiro homem.
   1 - JESUS CRISTO É DEUS: Jesus Cristo disse muitas vezes que Ele é Deus, um só Deus com o Pai e o Espírito Santo, e provou-o por muitos milagres. Jesus disse que pode perdoar os pecados. Jesus estava ensinando, quando lhe apresentaram um paralítico: "Tem confiança, meu filho, os teus pecados te são perdoados". Então os judeus, que não acreditavam que Jesus fosse Deus, disseram: "Só Deus pode perdoar pecados". Jesus respondeu: "Para que saibais que tenho o poder de perdoar pecados" (disse ao paralítico): "levanta-te e anda"! E logo o paralítico se levantou curado. Os judeus tinham razão quando diziam que só Deus pode perdoar os pecados.
   Nosso Senhor disse que virá para julgar os homens. Os judeus bem sabiam que só Deus é quem há de julgar todos os homens no último dia. Agora Jesus lhe diz: "Aquele que virá para julgar sou eu". Jesus sabe tudo o que o Pai do céu sabe. Jesus é Deus.
   Os apóstolos compreenderam muito bem isto. São Tomé adorou a Jesus com estas palavras: "Meu Senhor e meu Deus"! E Jesus o chamou bem-aventurado porque acreditava que Ele era Deus.
   Jesus é Deus. Jesus merece a nossa adoração e a nossa obediência, pois Ele é o nosso Criador.
  
   2 -  JESUS É HOMEM: Depois da ressurreição de Jesus, estavam os apóstolos juntos na sala da última ceia. De repente Jesus apareceu no meio deles. Os apóstolos assustaram-se muito, pois pensaram que se tratava de um espírito. Mas Jesus disse: "Apalpai-me e olhai: um espírito não tem carne e ossos, como vedes que eu tenho". Jesus diz que tem carne e ossos. Os apóstolos podiam apalpar e ver que Jesus tinha carne e ossos. Deus é um espírito: Deus não tem corpo; Deus não tem carne e ossos. Os anjos também não têm carne e ossos. Quem tem carne e ossos são os homens. Jesus tem carne e ossos. Jesus não é só Deus: Jesus é também homem.
   Jesus não só tem um corpo, mas também tem uma alma humana. Jesus na sua Paixão, disse: "Minha alma está triste até à morte!" Deus não está triste. Deus é perfeitamente feliz. Nem os anjos estão tristes. Os anjos estão felizes no céu. Quem pode estar triste é a alma dos homens. Jesus tem uma alma humana. Jesus tornou-se semelhante a nós em tudo, menos no pecado. Jesus teve fome, sede; comeu, bebeu, dormiu. Jesus chorou, ficou cansado. Jesus nasceu, cresceu. sofreu, derramou seu sangue, morreu. Mas Jesus nunca pecou, nem podia pecar. Jesus tornou-se semelhante a nós em tudo, menos no pecado. Tudo isto lemos no Evangelho.
   Jesus se fez homem para nos ensinar como devemos viver. Sigamos o seu exemplo. Como Ele, vivamos santamente.

EXEMPLO
   Um dia, veio Jesus para os lados de Cesaréia de Filipe e interrogou os seus discípulos, dizendo: - "Que dizem os homens a meu respeito?" Responderam eles: "Dizem uns que vós sois João Batista, outros que sois Elias, outros ainda, que sois Jeremias, ou algum dos profetas". Disse-lhes Jesus: "E vós, quem dizeis que eu sou?" Respondendo Simão Pedro, disse: "Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo!"
   Imitemos São Pedro na sua fé. Creiamos na divindade e humanidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro homem.





sexta-feira, 8 de abril de 2016

JESUS CRISTO - 16ª LIÇÃO

   - QUEM É JESUS CRISTO?
- JESUS CRISTO É A SEGUNDA PESSOA DA SANTÍSSIMA TRINDADE. É O FILHO DE DEUS FEITO HOMEM.

   As lições 16 a 22 serão sobre Nosso Senhor Jesus Cristo.
   Jesus Cristo é o Filho de Deus feito homem. No princípio existia o Filho de Deus. Antes de todos os tempos, Deus-Filho estava com Deus-Pai e Deus-Espírito Santo. O Filho de Deus sempre foi Deus. O Pai criou tudo pelo Filho. Sem o Filho de Deus nada foi criado.
   O Filho de Deus sempre foi Deus. Mas o Filho de Deus nem sempre foi homem. O Filho de Deus fez um corpo humano e uma alma humana e uniu este corpo e esta alma à sua Pessoa: O Filho de Deus fez-se homem. Por isso o catecismo diz: "Jesus Cristo é o Filho de Deus feito homem".
   Assim como a nossa alma tem um corpo, assim o Filho de Deus tem a humanidade. Digo isto só como comparação, para que tenhais uma ideia da união da divindade com a humanidade na Pessoa do Filho de Deus. A nossa alma tem um corpo, porém fica alma. Assim o Filho de Deus tem a humanidade, porém permanece Deus.
   O Filho de Deus feito homem recebeu também um nome de homem: chama-se Jesus Cristo. A união das duas naturezas, divina e humana, na única Pessoa de Jesus Cristo chamamos união pessoal, ou união hipostática.
   Nesta união pessoal não podemos compreender tudo, pois é um mistério. O seguinte, porém, talvez explique um pouco. A minha mão direita não é a minha mão esquerda. Mas ambas pertencem à minha pessoa. Se minha mão toma um facão e mata um cachorro, não me posso desculpar dizendo: "Não fui eu que matei, foi minha mão". O que minha mão faz, sou eu que faço; pois minha mão é da minha pessoa. As minhas mãos e os meus pés, o meu corpo e a minha alma são coisas diferentes, contudo, pertencem à mesma pessoa; e tudo o que as minhas mãos, os meus pés, o meu corpo e a minha alma fazem, é tudo de uma só pessoa. É uma só pessoa que faz tudo isso. Assim é em Jesus Cristo: a divindade e a humanidade de Jesus Cristo são coisas bem diferentes; mas pertencem à mesma pessoa divina, e tudo o que a divindade e a humanidade fazem é a Pessoa divina que o faz.
   O Filho de Deus, na sua divindade, é Filho do Pai Eterno, criou o mundo, deu os dez mandamentos no monte Sinai, está em todos os lugares.
   O mesmo Filho de Deus na humanidade, é Filho de Maria Santíssima, nasceu em Belém, chorou a morte de seu amigo Lázaro, morreu na cruz, está no céu a no Santíssimo Sacramento. O Filho de Deus fez-se homem por amor de nós, porque tinha compaixão dos homens, que sem Ele não se podiam salvar.
   A lembrança da Encarnação deve encher-nos de grande amor para com o Filho de Deus, feito homem por amor de nós. Jesus não precisava de nós; nós precisávamos dele. O Filho de Deus estaria perfeitamente feliz no céu, embora nenhum de nós entrasse ali; mas o Filho de Deus teve pena de nós e por isso se fez homem, e se humilhou tanto, e sofreu tanto para nos livrar do pecado e do inferno. Quanto devemos, pois, amar Jesus que nos amou a ponto de morrer por nós!!!
   Veremos na próxima lição como o Filho de Deus, fazendo-se homem, não deixou de ser Deus e começou a ser também verdadeiro homem.

EXEMPLO
   Certa vez, ao sair do Templo, Jesus viu um cego de nascença e o curou, restituindo-lhe a vista. Algum tempo depois, Jesus encontrou- o  lhe disse: "Tu crês no Filho de Deus?" Ele perguntou: "Quem é ele, Senhor, para eu crer nele?" Jesus respondeu: "Tu já o viste - é aquele mesmo que fala contigo!" Ele exclamou: "Creio, Senhor!" E prostrando-se a seus pés, o adorou.
   Nós também devemos adorar a Jesus Cristo, porque Ele é a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, é o Filho de Deus feito homem.

quinta-feira, 7 de abril de 2016

FIM DO HOMEM - 15ª LIÇÃO

   - PARA QUE FIM FOI CRIADO O HOMEM?
- PARA CONHECER, AMAR E SERVIR  A DEUS NESTE MUNDO: DEPOIS SER FELIZ PARA SEMPRE NO CÉU.

   Salvar a nossa alma quer dizer: ganhar o céu. Mas para isto devemos, aqui na terra, conhecer, amar e servir a Deus. E foi para isso que Deus nos criou. Portanto não fomos criados para acumular dinheiro, para gozar, mas somente para conhecer, amar e servir a Deus. "Que adianta ao homem, diz Jesus, ganhar o mundo inteiro, se vier a perder a sua alma?" (S.Mat. 16, 26). Todos desejamos ser felizes, tão felizes que nada nos falte. Mas nesta vida sempre nos falta alguma coisa. Só depois da morte é que a nossa alma pode alcançar uma felicidade completa, o céu. Se ganharmos o céu, tudo está ganho; se perdermos o céu, tudo está perdido..
   Vamos, então, hoje, ver como podemos conhecer, amar e servir a Deus.
   1 - CONHECER: As crianças aprendem a conhecer a Deus primeiro em casa com o papai e mamãe; depois na igreja, com o Padre. É principalmente no catecismo que aprendem a conhecer a Deus. São Francisco de Sales chama o catecismo  "o caminho do Céu". A doutrina que está no catecismo é de Jesus. O catecismo às vezes diz a doutrina de Jesus Cristo de maneira mais fácil, para as crianças compreenderem melhor. Por isso aprendemos o catecismo. Jesus veio à terra e ensinou muitas verdades. Jesus ensinou que vivemos na terra para salvar a nossa alma, que Deus é nosso Pai e nosso Criador. Jesus, que é também DEUS, nos revelou os mistérios divinos: a Santíssima Trindade e as demais verdades de nossa fé, que nos levam ao conhecimento de Deus e de suas infinitas perfeições.
   2 - AMAR: Devemos amar a Deus como ao mais terno dos pais. Deus nos deu tudo quanto temos. Tudo aquilo que vemos em volta de nós, foi criado por Ele para nós. O Filho de Deus também se fez homem por amor de nós, e Jesus morreu na cruz para nos abrir o céu. A Igreja, a sua graça, os seus Sacramentos estão à nossa disposição para que possamos um dia ir gazar com Ele as delícias do céu. Jesus fez tudo isso para o nosso bem, porque Ele nos ama. Jesus ama muito as criancinhas."Deixai, dizia Jesus, vir a mim as criancinhas". Jesus as abençoava com todo amor.
   Se Deus nos ama tanto, devemos também amá-lo e amá-lo sobre todas as coisas. Por isso dizemos no ato de caridade: "Eu vos amo, meu Deus, de todo o meu coração, pois Vós sois infinitamente perfeito e me fizestes tantos benefícios".
   São João Batista Maria Vianney, quando via um passarinho cantando, dizia: "Ó feliz passarinho! Deus te criou para cantar e tu cantas. Ao passo que Deus fez o homem para amar a Deus e o homem não o ama!"
   3 - SERVIR: Devemos amar a Deus por ser Ele infinitamente bom e amável. Pois bem, nós mostramos a Deus o nosso amor pelas obras, isto é, observando os seus mandamentos e fugindo do pecado. Pois Jesus Cristo disse que só entrará no reino dos céus, quem fizer a vontade de seu Pai, Ora, a vontade de seu Pai é que observemos os seus mandamentos. O filho que ama o seu pai não desobedece, procura fazer tudo o que ele manda. Nunca faz alguma coisa que lhe desagrade.
   Jesus viveu com os homens na terra. E mandou às crianças que obedecessem a seus pais. Jesus mandou aos pais que educassem bem seus filhos. Quando a Igreja manda que vamos à missa, que não trabalhemos no domingo, é Jesus que manda. Jesus mandou a todos amarem a Deus sobre todas as coisas, não jurarem seu santo nome em vão e que cumpríssemos os  outros mandamentos.
   Por isso, devemos servir a Deus , fazendo todas as coisas que mandou, e desejar antes morrer que ofendê-lo, desobedecendo algum dos seus mandamentos.
   Deus é justo, isto é, Deus dá a cada um o que merece. Deus recompensa os bons e castiga os maus. Portanto, se aqui na terra nós procurarmos conhecê-lo, amá-lo e servi-lo Ele nos dará o céu, isto é, um lugar de felicidade eterna, onde veremos a Deus.
   Mas, por outro lado, castiga os maus, aqueles que aqui na terra não procuraram conhecê-lo, não o amaram e não o serviram. Deus dará aos maus o castigo eterno, que é o inferno.

EXEMPLO
   São Domingos Sávio, tinha sete anos quando fez a sua primeira comunhão. Entre os quatro propósitos que fez, um deles foi: "A morte mas não pecados."
  
   Conta-se que o rei Henrique VIII da Inglaterra renegou sua fé católica e fundou uma religião chamada Anglicanismo, que é um ramo do Protestantismo. O rei pretendia matar a todos que não queriam ser hereges. Mas o primeiro Ministro Tomás Morus não quis renegar a fé que herdara de seus pais. O rei o condenou a morte. O rei disse ainda a Tomás: "Aceita a minha religião e te darei dinheiro, honras, minha amizade". Mas ´Tomás Morus respondeu: "A salvação de minha alma vale mais que todo isso".
   O rei mostrou a Tomás sua mulher e seus filhos e lhe disse: "Olha estes infelizes. Que será deles depois da tua morte? Não amas tua mulher e teus filhos?" E Tomás respondeu: "Amo-os muito, mas , minha alma vale muito mais." Tomás tranquilo e com toda coragem subiu para o lugar onde o iam matar.


   

quarta-feira, 6 de abril de 2016

A IMACULADA CONCEIÇÃO - 14ª LIÇÃO



- TODOS NÓS CONTRAÍMOS O PECADO ORIGINAL?
- SIM , EXCETO MARIA SANTÍSSIMA, TODOS NÓS CONTRAÍMOS O PECADO ORIGINAL.

-POR QUE MARIA SANTÍSSIMA NUNCA TEVE PECADO ORIGINAL?
- PORQUE FOI ESCOLHIDA PARA SER MÃE DE DEUS.

- COMO CHAMAMOS NOSSA SENHORA PELO FATO DE ELA NUNCA TER TIDO PECADO ORIGINAL?
-IMACULADA CONCEIÇÃO.


   Da Sagrada Escritura aprendemos que Maria Santíssima esmagou a cabeça da serpente e é cheia de graça, bendita entre as mulheres e por isso compreendemos que Maria nunca teve o pecado original: Maria foi concebida sem pecado original.
   Nossa Senhora disse em Lourdes a Santa Bernadete que Ela era a "Imaculada Conceição", isto é, concebida sem pecado original.
   Os protestantes não querem crer na Imaculada Conceição de Nossa Senhora. É porque não compreendem a santidade de Jesus. Jesus é infinitamente santo, isto é, Jesus tem um imenso ódio ao pecado. O Filho de Deus não podia permitir que sua Mãe fosse manchada de pecado, nem do pecado original. O Filho de Deus quis que Sua Mãe fosse cheia de graça desde o primeiro momento da sua vida. Maria Santíssima, desde o primeiro momento da sua conceição, teve a graça santificante, isto é, conservou-se limpa do pecado original. Este grande privilégio, recebeu-o Maria pelos méritos de Jesus Cristo, que, depois, com Sua morte na cruz, pagou a dívida do pecado original.
   Suponhamos um homem pobre que esteja preso por não poder pagar suas dívidas. Nunca poderá pagar. Mas felizmente se apresenta um homem muito rico e diz: "Eu me constituo fiador: pagarei depois a dívida inteira". Então soltam o homem mesmo antes que pague a dívida. Assim Jesus pagou a dívida por Maria Santíssima. Maria havia de herdar a dívida de Adão, pois era filha de Adão como nós. Mas o Filho de Deus sabia que Maria mais tarde seria sua Mãe. Por isso o Filho de Deus declarou: "Eu pagarei depois a dívida inteira. Não quero que ela tenha, nem um só momento, a dívida de Adão, o pecado original. Assim Maria ficou livre da dívida antes que Jesus pagasse. Por isso dizemos: "Maria foi preservada da mancha do pecado original, pelos méritos previstos de Jesus Cristo".
   Os protestantes dizem que querem a Jesus. Mas querem a Jesus, sem honrar sua Mãe. Não creem que Maria tenha sido concebida sem pecado original. A Sagrada Escritura chama-a "cheia de graça". Mas os protestantes riscam estas palavras de suas bíblias: não querem chamar Maria "cheia de graça". Não respeitam as imagens de Nossa Senhora, nem rezam a Ave Maria. Os protestantes querem Jesus sem Maria. Mas Jesus não quer os protestantes. Jesus é bom filho. A ofensa contra Maria cai também sobre Jesus.
   Não queremos em nossas casas bíblias protestantes; pois nestas bíblias protestantes se riscam as palavras do anjo, que chama a Virgem Maria "cheia de graça". Estas bíblias não são mais a Sagrada Escritura. Nunca devemos ir a conferências protestantes.; pois não nos pode falar bem de Deus quem não respeita a santa Mãe de Deus.
   Maria concede favores a quem tem devoção a sua Imaculada Conceição.
   É tão fácil dizer muitas vezes e pensar: "Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a Vós". É a jaculatória que nós cantamos em francês aqui na paróquia: "O Marie conçue sans péché, priez pour nous qui avons recours a vous."