SAUDAÇÕES E BOAS VINDAS

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO! PARA SEMPRE SEJA LOUVADO!

Caríssimos e amados irmãos e irmãs em Nosso Senhor Jesus Cristo! Sêde BEM-VINDOS!!! Através do CATECISMO, das HOMILIAS DOMINICAIS e dos SERMÕES, este blog, com a graça de Deus, tem por objetivo transmitir a DOUTRINA de Nosso Senhor Jesus Cristo. Só Ele tem palavras de vida eterna. Jesus, o Bom Pastor, veio para que Suas ovelhas tenham a vida, e com abundância. Ele é a LUZ: quem O segue não anda nas trevas.

Que Jesus Cristo seja realmente para todos vós: O CAMINHO, A VERDADE, A VIDA, A PAZ E A LUZ! Amém!

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

OBSESSÃO DIABÓLICA


Extrairei este artigo, em quase sua totalidade, do COMPÊNDIO DE TEOLOGIA ASCÉTICA E MÍSTICA escrito pelo célebre teólogo Padre Ad. Tanquerey.

Caríssimos, primeiramente é de grande utilidade trazer aqui a observação inicial do autor: "Sobre a ação do demônio, diz Tanquerey, há dois extremos que evitar: há quem lhe atribua todos os males que nos sucedem; é esquecer que existem em nós não só estados mórbidos que não supõem qualquer intervenção diabólica, mas também as tendências más que vêm da tríplice concupiscência, e que estas causas naturais bastam para explicar muitas tentações. Outros há, pelo contrário, que, esquecendo o que a S. Escritura e a Tradição nos dizem da ação do demônio, não querem admitir em caso algum a sua intervenção. Para nos conservarmos no justo meio, a regra que devemos seguir é não aceitar como fenômenos diabólicos senão aqueles que, ou pelo seu caráter extraordinário, ou por um complexo de circunstâncias denotem a ação do espírito maligno.

Como no artigo anterior já falei da possessão diabólica, aqui, inspirando-me no Teólogo Tanquerey, falarei da obsessão diabólica. O que é afinal? "A obsessão é em substância uma série de tentações mais violentas e duradouras que as tentações ordinárias [dessas falarei em outro artigo]. "É externa, quando atua sobre os sentidos externos, por meio de aparições; interna, quando provoca impressões íntimas. É raro que seja puramente externa, visto o demônio não atuar sobre os sentidos senão para perturbar mais facilmente a alma. Há, contudo, Santos que, com serem obsediados exteriormente por toda a qualidade de fantasmas, conservam na alma uma paz inalterável".

1º - "O demônio pode atuar sobre todos os sentidos externos: a) Sobre a vista, aparecendo umas vezes em formas repelentes, para aterrar as pessoas e afastá-las da prática das virtudes (...); outras, em formas sedutoras, para atrair ao mal, como sucedeu frequentes vezes a Santo Afonso Rodrigues. (Hoje podemos dar exemplos na vida do Padre Pio de Pietrelcina). b)  Sobre o ouvido, fazendo escutar palavras ou cantos blasfemos ou obscenos, como se lê na vida de Santa Margarida de Cortona; ou fazendo algazarra, para atemorizar, como sucedia ao Santo Cura d'Ars. c) Sobre o tato, de duas maneiras, infligindo golpes e feridas, como se lê nas bulas de canonização de Santa Catarina de Sena, de S. Francisco Xavier, e na vida de Santa Teresa (...).

Há casos, como nota o P. Schram, em que estas aparições são simples alucinações, produzidas por uma super-excitação nervosa; ainda mesmo nesse caso, são temerosas tentações.

2º - "O demônio atua também sobre os sentidos internos, a imaginação e a memória, e sobre as paixões, para as excitar. Como contra a própria vontade, é o homem invadido por imagens importunas, obsessoras, que persistem a despeito de enérgicos esforços; sente-se empolgado pela efervescência da cólera, pelas ânsias do desespero, por movimentos instintivos de antipatia, ou, ao contrário, por ternuras perigosas e que nada parece justificar. Não há dúvida que é por vezes dificultoso decidir se há obsessão verdadeira; mas, quando estas tentações são juntamente repentinas, violentas, persistentes e difíceis de explicar por uma causa natural,[sublinhado meu] pode-se ver nelas uma ação especial do demônio. Em caso de dúvida, é bom consultar um médico cristão, que possa examinar se estes fenômenos não serão devidos a um estado mórbido..."

Como deve proceder o Diretor Espiritual em relação às vítimas de obsessão diabólica? Diz Tanquerey: "Deve juntar a prudência criteriosa com a bondade mais paternal.

a) É claro que não há de crer, sem provas sérias, numa verdadeira obsessão. Haja, porém, ou não obsessão, deve o diretor ter compaixão dos penitentes assaltados de tentações violentas e persistentes, e sustentá-los com sábios conselhos (...). [O próximo artigo sobre as tentações poderá servir já de orientação espiritual].

b) Se, na violência da tentação, se produziram desordens sem consentimento algum da vontade, lembrar-lhes-á que não há pecado sem consentimento. Em caso de dúvida, julgará que não houve falta, ao menos grave, quando se trata de pessoa habitualmente bem disposta.
c) Tratando-se de pessoas fervorosas, perguntar-se-á a si mesmo o diretor se essas tentações persistentes não farão talvez parte das provações passivas... e neste caso, dará a essas pessoas os conselhos apropriados ao seu estado de alma.

d) Se a obsessão diabólica é moralmente certa ou muito provável, podem-se empregar, PRIVADAMENTE, os exorcismos prescritos pelo RITUAL ROMANO, ou fórmulas resumidas: neste caso, é bom não prevenir a pessoa que se vai exorcizá-la, havendo receio de que esta declaração lhe perturbe e exalte a imaginação; basta avisá-la de que se vai recitar sobre ela uma oração aprovada pela Igreja. Quanto aos exorcismos SOLENES, não é permitido empregá-los senão com licença do Ordinário, e com as precauções..." [já expostas quando falamos da possessão].


 Quero expor um exemplo que não é dado por Tanquerey mas é próprio meu, e dele fui testemunha: Faz já alguns anos quando fui transferido de uma paróquia para outra. E a primeira coisa que topei na nova paróquia foi um caso que me pareceu preternatural, ou seja, de uma ação do demônio. Um menino, aliás não inteiramente normal mentalmente, mas também não esquizofrênico, o fato é que este menino era molestado frequentemente. Suas roupas que estavam no varal dentro de casa e à noite,  eram jogadas pelo chão. Às vezes, o menino amanhecia vestido de mulher. Embora à noite ninguém visse e as portas e janelas fechadas, apareciam pedras e barros dentro da casa onde estava o menino. O pároco já havia feito exorcismos e levou até o Santíssimo para benzer a casa. Mas os fenômenos continuavam e por meses e meses. Bom! Primeiro pedi que vigiassem dia e noite o menino. Ficou constatado que não era ele que fazia tudo aquilo, mas o fato é que não viam ninguém fazendo.  Instruído já por um fato acontecido em outra paróquia, disse para seus pais de criação que procurassem averiguar bem se aquele menino era batizado. Todos achavam que sim, tanto que já tinha feito a primeira comunhão e se confessava e comungava regularmente. Mas fora constatado que não era batizado porque seus pais eram espíritas e o "batizaram" no Espiritismo. Foi logo preparado e foi batizado. E a partir do dia do batismo desapareceram todos aqueles fenômenos estranhos, e creio que até hoje, porque nunca mais tive notícia a respeito.  O feitiço virou contra o Feiticeiro!

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

SÃO CIPRIANO E SANTA JUSTINA


No dia 26 de setembro, a santa Igreja comemora S. Cipriano e Santa Justina, que foram martirizados no mesmo dia no ano de 304. Aqui falamos do Cipriano feiticeiro que se converteu. Nasceu em Antioquia na Fenícia. Seus pais eram pagãos e feiticeiros e em todos os segredos da superstição e feitiçarias  introduziram Cipriano. Entregou sua alma ao demônio e tornou-se muito rico e mestre em todas as artes diabólicas da feitiçaria. Obviamente, inimigo figadal da Religião Católica. Entregou-se a uma vida a mais depravada possível. Enforcava crianças inocentes e oferecia o seu sangue como holocausto ao demônio. Nas entranhas ainda palpitantes dos inocentes procurava conhecer os segredos do futuro. Com malefícios diabólicos conseguia seduzir as donzelas. Mas Cipriano, que cresceu achando que o demônio era o maior e invencível começou a perceber que deveria haver alguém mais poderoso porque nunca conseguira seduzir as jovens que praticavam o Catolicismo que ele odiava e vivia insultando. Todos os artifícios diabólicos malogravam diante das jovens cristãs.

Morava também em Antioquia uma jovem cristã muito fervorosa, embora seus pais fossem pagãos. Chamava-se Justina e era de uma beleza encantadora de corpo e muito mais de espírito. Com suas orações, penitências e bons exemplos convertera toda sua família. Daí o ódio maior do demônio contra ela. O demônio incutiu no coração de um jovem pagão chamado Agládio, uma paixão violenta por Justina. Não podendo, porém, cativar-lhe a afeição, inspirado certamente pelo Asmodeu, recorreu aos artifícios mágicos de Cipriano. Justina passou a sofrer terrivelmente os acessos diabólicos, mas, pela oração e pelo sinal da cruz, debelou a todos. Foi assaltada por tentações as mais horríveis contra a santa pureza. Mas, recorrendo sempre à Rainha das Virgens, saiu vitoriosa das insídias do inimigo.

Nisso, o feiticeiro Cipriano começou a duvidar do poder dos demônios. Justina rezava pela sua conversão. Cipriano tomou a resolução de se livrar do demônio e tomar conhecimento da origem de toda aquela fortaleza de Justina. O demônio evidentemente não queria perder sua presa, instrumento utilíssimo para perder almas que ele odeia, porque remidas com o sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo. Que fez o espírito das trevas? Incutiu em Cipriano uma tristeza profunda para levá-lo ao desespero e ao suicídio, pretendendo tirar-lhe o tempo de chegar ao conhecimento de Nosso Senhor Jesus Cristo. Mas, Deus, Pai todo-poderoso e infinitamente bondoso, enviou a Cipriano um sacerdote chamado Eusébio. As orações, conselhos e as palavras de conforto deste santo homem fizeram com que Cipriano não desfalecesse no meio do caminho. O Padre Eusébio entrou um dia na igreja conduzindo pela mão a Cipriano. Grande foi a surpresa dos fiéis quando viram o grande e terrível feiticeiro entrar na igreja acompanhado do sacerdote. Nem o bispo queria acreditar na sinceridade desta conversão. Cipriano, porém, na presença de todo povo, queimou todos os livros cabalísticos e de magia negra. Fez mais, distribui a sua grande fortuna entre os pobres. Então, depois de devidamente instruído, e tendo abjurado a feitiçaria foi batizado. Junto com ele foi batizado também Agládio.

Justina, vendo as maravilhas da divina graça, cortou a sua linda cabeleira e pelo voto de virgindade perpétua dedicou-se ao serviço de Deus. Justina sempre rezava para que Cipriano perseverasse. Realmente a conversão de Cipriano foi sincera e constante. Reparou seu terrível passado com muita penitência e praticou as mais belas virtudes. Assim foi ordenado sacerdote e depois sagrado Bispo.

Mas veio a perseguição de Diocleciano. Cipriano e Justina foram acusados de praticar o Cristianismo. Cipriano sofreu atrozmente. Também Justina foi cruelmente flagelada. E ambos finalmente condenados à decapitação. Há em Roma uma igreja dedicada a estes dois santos mártires e lá estiveram por algum tempo os seus restos mortais, mas que hoje se encontram na igreja de São João de Latrão em Roma.

Caríssimos, acabamos de ver um exemplo do poder da graça de Deus. Na verdade, na expressão de Santo Agostinho, o demônio é um cão amarrado que só morde em quem chega perto dele.

Infelizmente, hoje há inúmeras almas entregues ao demônio. Ele as domina. Há 41 anos, quando neo-sacerdote ainda, quis conversar comigo em particular um homem verdadeiramente estranho. Disse-me ele: Desde criança que sigo o Espiritismo, e agora, se eu quiser conseguir o máximo, terei que entregar minha alma ao demônio. Que você acha? Dei-lhe muitos bons conselhos. Saiu da igreja e nunca mais vi. Mais recentemente, conversei com uma moça que dizia estar se convertendo de um a seita satânica. Só Deus sabe! Fiz-lhe muitas perguntas. Entre outras coisas ela me disse que seduziu algumas pessoas para às práticas diabólicas, entre elas, a de matar crianças inocentes e oferecer seu sangue ao demônio. Fiquei achando estar diante do próprio demônio, tal a frieza com que contava estas coisas. E pior: falou que sentia certa saudade daquelas cerimônias diabólicas. Perguntei como era possível os satanistas cometerem tamanhos crimes e não serem presos. Ela disse que o demônio ocultava tudo. Esta moça é do Mato Grosso e também nunca mais a vi, nem quero, a menos que já se tenha convertido verdadeiramente.


Caríssimos leitores, precisamos, como Santa Justina, rezar muito, fazer penitência, dar o bom exemplo, ter uma devoção verdadeira e terna a Nossa Senhora, a São Miguel Arcanjo e ao nosso Anjo da Guarda. Amém!

O PECADO - I - 34ª LIÇÃO



Na parte superior da estampa, vemos representada
a alma no estado de graça; na parte inferior, a alma
no pecado mortal.

 TODOS AQUELES QUE FORAM BATIZADOS VÃO PARA O CÉU?
- NÃO. AQUELES QUE COMETERAM PECADO MORTAL DEPOIS DO BATISMO E MORRERAM COM O PECADO, NÃO VÃO PARA O CÉU. VÃO PARA O INFERNO.

   Jesus nos ensinou, numa parábola, que, para entrar no céu, é preciso ter o vestido de festa, isto é, a graça santificante. Quem não tem este vestido nupcial será lançado numa cadeia escura, onde haverá choro e ranger de dentes. Esta cadeia é o inferno.
   Jesus contou assim: Um rei celebrou as bodas de seu filho, isto é, uma festa de casamento. O rei convidou muitas pessoas, mas elas não quiseram vir. Então o rei convidou os pobres que mendigavam pelas ruas, e a sala do banquete ficou cheia. Depois o rei entrou para cumprimentar os que estavam à mesa e encontrou um homem sem o vestido de festa. Este homem também tinha ganho uma roupa nova, mas a tinha vendido ou perdido por sua culpa. O rei lhe disse: "Amigo, como vieste aqui sem o vestido nupcial?" O homem não soube responder. E o rei disse aos seus criados: "Amarrai-lhe os pés e as mãos e lançai-o às trevas exteriores: aí haverá choro e ranger de dentes".
   O rei é Deus. Deus convidou primeiro os judeus, povo escolhido, para as bodas de seu Filho, isto é, para sua santa Igreja Católica, e por meio da santa Igreja Católica para a felicidade do céu.
   Mas os judeus não quiseram entrar na Igreja Católica. Então Deus convidou os mendigos das ruas, isto é, convidou os pagãos, que entraram na Igreja Católica pelo Batismo, e todos ganharam o vestido de bodas, a graça santificante.
   Mas a graça santificante perde-se pelo pecado mortal, O homem sem vestido de bodas representa aqueles que perderam a graça santificante pelo pecado mortal.
   Deus olha para os convidados, a ver se todos têm a graça santificante. Quem não tem a graça santificante é condenado às trevas exteriores, onde haverá choro e ranger de dentes. Assim Jesus fala sempre do inferno.
  Aquele que na hora da morte se acha em pecado mortal e morre assim, lança-se no inferno. Ali haverá choro e ranger de dentes. O pecado mortal merece um castigo eterno. Quem comete um pecado mortal já está condenado ao inferno. Mas Deus é misericordioso, isto é, Deus gosta de perdoar o pecador contrito. Mas Deus perdoa só até à hora da morte. Depois da morte não há mais perdão para o pecado mortal.
   É uma grande tolice viver no pecado mortal, por exemplo, num pecado desonesto, ou não ir à confissão e comunhão uma vez por ano, ou viver em outro pecado mortal. Pois estas coisas dão um prazer ou um cômodo muito pequeno, e muitas vezes só aparente, e levam a um castigo eterno.
   Devemos ter compaixão daqueles que não se importam com a religião, que não querem confessar-se, não vão à missa ou zombam daqueles que vão à igreja. Devemos pedir a Deus que lhes dê a graça do arrependimento e da conversão. Pois, se morrerem assim, serão condenados ao inferno.
   Quando o demônio nos tenta ao pecado mortal, convém que nos lembremos do inferno. Muitos guardam a inocência porque se lembram do inferno. A Bíblia diz que quem medita na morte, no juízo, no céu e no inferno nunca tem coragem de pecar.
   Nosso Senhor diz: "De que serve ao homem ganhar o mundo inteiro, se vier a perder sua alma?"
  
EXEMPLO
   Vamos ouvir o próprio Jesus: "Havia um homem rico, que se vestia de púrpura e de linho fino, e todos os dias se banqueteava esplendidamente. Havia também um mendigo, chamado Lázaro, o qual, coberto de chagas, estava deitado à sua porta, desejando saciar-se com as migalhas que caíam da mesa do rico; porém até os cães vinham lamber-lhe as chagas.
   Sucedeu morrer o mendigo, que foi levado pelos anjos ao seio de Abraão. Morreu também o rico e foi sepultado. E, quando estava nos tormentos do inferno, levantando os olhos, viu ao longe Abraão, e Lázaro junto dele. Gritando, disse: Pai Abraão, compadece-te de mim e manda Lázaro que molhe em água a ponta do seu dedo, para refrescar a minha língua, pois sou atormentado nesta chama. Abraão disse-lhe: Filho, lembra-te que recebeste os bens em tua vida, (e só quis gazar a vida e não praticou a caridade) e Lázaro, ao contrário, recebeu males; por isso ele é agora consolado e tu és atormentado".
Ó meu Jesus, livrai-me do fogo do inferno, levai as almas todas para o céu, protegei principalmente as que mais precisarem. 

domingo, 25 de setembro de 2016

O "HOMEM VELHO" e o "HOMEM NOVO"



"Homem velho" e "homem novo" são expressões empregadas por São Paulo na Epístola aos Efésios. No capítulo IV, 17-19 o Apóstolo mostra os sinais inconfundíveis do "homem velho": "Isto, pois, digo e vos rogo no Senhor: que não andeis mais como os pagãos que andam na vaidade dos seus pensamentos, os quais têm o entendimento obscurecido, (e estão)afastados da vida de Deus pela ignorância que há neles, por causa da cegueira do seu coração, os quais, desesperados se entregaram à dissolução, à prática de toda a impureza, à avareza". Aí, caríssimos, está retratado o "homem velho". O Apóstolo dos Gentios exorta os fiéis convertidos a se afastarem da vida pecaminosa que antes levavam. Cada uma destas expressões sintetiza muita coisa! "Viver como pagãos" significa guiar-se por uma consciência falsa e enganadora que, pervertendo até o senso moral e religioso, não permite ao homem distinguir entre o bem e o mal, entre o falsos deuses e o verdadeiro Deus. Daí o crime é legalizado, as paixões são alforriadas de todas as leis, o vício é exaltado, até o pecado chega a ser louvado. E não menor é o descalabro religioso: onde todos os falsos deuses são reconhecidos, não há lugar  para o Deus único e verdadeiro. A causa de todas as maldades dos pagãos é justamente a rejeição do verdadeiro Deus. Através das criaturas deveriam chegar ao Criador; e, no entanto, adoram as criaturas. Tudo é deus, menos o verdadeiro Deus. E assim, surdos à voz da graça que os chamava à conversão, preferiram o erro à verdade. Alheios a todas as esperanças da eternidade, atiraram-se a toda sorte de imoralidade, chafurdando no lodo da desonestidade e, pela avareza, deleitaram-se nos efêmeros bens deste mundo. Este é o "HOMEM VELHO".

Mas antes de passar a explicar o lado antagônico a este, ou seja, o "HOMEM NOVO", quero responder a uma possível objeção: Jesus já veio ao mundo, não estamos mais no tempo do Paganismo. Devemos responder e com grande tristeza que o paganismo antigo revive hoje no materialismo dos nossos dias, e com a agravante justamente de termos diante dos olhos pelos Santos Evangelhos, pela pregação dos Apóstolos e da Tradição bimilenar, o protótipo de toda virtude, o 'HOMEM NOVO" por antonomásia, que é Nosso Senhor Jesus Cristo. Daí o pecado dos pagãos modernos é maior. Mais urgentes outrossim, são as exortações do Apóstolo. Quem não vê que às leis da moral evangélica os homens tentam substituir as leis arbitrárias de uma moral independente e situacionista; e as consciências, afastando-se do caminho reto, perderam a verdadeira noção do justo e do injusto, do licito e do ilícito. O Cristianismo Autêntico foi relegado entre as velharias, a Igreja de Sempre desprezada e até perseguida, odiada em suas leis e no seu dogma. A adoração de Deus sucedeu a adoração do homem. "Não podemos fechar os olhos, - dizia Pio XII, no Natal de 1941, -"ante a triste visão da descristianização progressiva individual e social... Uma anemia religiosa feriu muitos povos... e produziu nas almas tal vácuo que nenhum simulacro de religião nem mitologia nacional ou internacional podia enchê-lo. Com palavras e com fatos e com providências governativas, que outra coisa se tem sabido fazer, há decênios, senão arrancar dos corações dos homens, desde a puerícia até a velhice, a fé em Deus Criador e Pai de todos, Remunerador do bem e Vingador do mal, desnaturando a educação e a instrução, combatendo e oprimindo com a difusão da palavra e da imprensa, com o abuso da ciência e do poder,  a religião e a Igreja de Cristo? (...) "Precipitado o espírito no abismo moral, por se ter afastado de Deus e da prática cristã, que restava, senão que os pensamentos, os propósitos, os cuidados, a estima das coisas, a ação e o trabalho dos homens se voltassem e olhassem só para o mundo material?".  E podemos fechar os olhos hoje e dizer que tudo vai muito bem?! Daremos severas contas a Deus se o fizermos, e não estivermos dispostos a lutar contra esta descristianização hodierna quase total.


Que é o "HOMEM NOVO"? São Paulo resume toda a magnificência do "homem novo" nesta profundíssima expressão "foi criado, segundo Deus, na justiça e na santidade da verdade". "Façamos o homem à nossa imagem e semelhança" diz Deus ao criar o homem. "Eleva-te minha alma - diz Bossuet - acima dos céus e dos espíritos celestiais. Nestas palavras o teu Deus vem ensinar-te que, dando-te a vida não olhou para outro modelo que não a si mesmo. Não quer Ele assemelhar-te nem aos céus, nem aos astros, nem ao sol, nem mesmo aos anjos, ou arcanjos ou, ainda, aos próprios Serafins. "Façamos - Ele diz - o homem à nossa imagem" e para melhor clareza acrescenta: "à nossa semelhança" a fim de que nesta perfeita criatura apareçam, tanto quanto for possível à sua condição, os nossos mesmos traços"... (Elevações). Por isso o "homem novo" tem anseios divinos. Não lhe bastam os conhecimentos humanos; eleva-se qual águia ao conhecimento do seu Criador. O "homem novo" não fica satisfeito com a felicidade temporária. Volta-se para a eternidade e aspira a própria felicidade de Deus. A vida do "homem novo" é Jesus. Ele é o bom odor de Jesus Cristo. Se, de um lado, vimos toda a ignomínia do "homem velho", vimos, por outro,  toda dignidade do "homem novo". Amém!

sábado, 24 de setembro de 2016

"MORAL NOVA" OU "MORAL DE SITUAÇÃO"


   "O sinal distintivo desta moral está precisamente em não se basear nas leis morais universais, como por exemplo os Dez Mandamentos, mas nas condições ou circunstâncias reais e concretas, em que se deve agir, e segundo as quais a consciência individual tem de julgar e escolher. Este estado de coisas é único e vale uma vez só para qualquer ação humana. É por isso que a decisão da consciência, afirmam os defensores desta ética, não pode ser comandada pelas ideias, princípios e leis universais.

   A fé cristã fundamenta as suas exigências morais no conhecimento de verdades essenciais e consequentes relações. Assim fala São Paulo na Epístola ao Romanos (I, 19-21) da religião em geral, que seja cristã, quer anterior ao cristianismo [no A.Testamento]: pela criação, diz o Apóstolo, o homem descobre e encontra de algum modo o Criador, o seu poder eterno e a sua divindade, e com tanta evidência que se considera e sente obrigado a reconhecer Deus e a prestar-Lhe culto, de sorte que descurá-lo ou pervertê-lo pela idolatria é sempre falta grave para toda gente.

   Não afirma o mesmo a ética de que falamos. Não nega pura e simplesmente os conceitos e princípios morais gerais (embora se aproxime muito por vezes de semelhante negação), mas desloca-os do centro para as extremidades da periferia. Pode acontecer que a decisão da consciência lhes corresponda em muitas ocasiões. Mas não são, por assim dizer, uma série de premissas, das quais a consciência tira as conclusões lógicas para cada caso particular, o caso "duma vez".Não. No centro encontra-se o bem, que importa fazer ou guardar, no seu valor real e individual; por exemplo, no domínio da fé, a nossa relação pessoal com Deus. Se a consciência seriamente formada decidir que o abandono da fé católica e a adesão a outro credo conduz mais a Deus, este passo encontrar-se-á "justificado", apesar de ser tido geralmente como "deserção" da fé. Ou então, no domínio da moralidade, quanto ao dom corporal e espiritual de si mesmo, entre jovens. Aqui a consciência seriamente formada resolveria que, em virtude da sincera inclinação mútua, eram convenientes as intimidades físicas e sensuais, muito embora estas manifestações sejam permitidas apenas entre esposos.  -  A consciência atualmente reta decidiria assim, porque da hierarquia dos valores infere o princípio de superioridade dos valores pessoais, que podem utilizar os bens inferiores do corpo e dos sentidos, ou pô-los de parte, conforme sugerir cada situação. -  Precisamente segundo este princípio, pretendeu-se com insistência, em matéria de direitos conjugais, que era mister, em caso de conflito, deixar à consciência séria e reta dos esposos, conforme as exigências das situações concretas, a faculdade de impossibilitar diretamente a realização dos valores biológicos, em proveito dos valores pessoais.

   Por mais contrários que pareçam à primeira vista aos preceitos divinos, os juízos de consciência desta natureza valeriam, entretanto, diante de Deus, porque, diz-se, a consciência seriamente formada avança o "preceito" e a "lei" em presença do próprio Deus.

   Tal decisão é, pois, "ativa" e "produtiva", não "passiva" e "receptiva" da resolução de lei, gravada por Deus no coração de cada homem, e menos ainda do Decálogo, escrito nas tábuas da lei, pelo dedo do Senhor que concedeu à autoridade humana o encargo de o promulgar e defender' (Excertos da Alocução de Pio XII à FEDERAÇÃO MUNDIAL DAS JUVENTUDES FEMININAS CATÓLICAS sobre a "Moral Nova"). 

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

NOVENA EM HONRA DE SÃO MIGUEL E DOS NOVE COROS DOS ANJOS


(Extraída do "MANUAL DAS MISSÕES"  editado em Milão, Itália, em 1909 com aprovação do Card. Merry del Val).

Ó glorioso Príncipe S. Miguel, eu vos venero, e ao coro dos Serafins, supremos amantes de Deus; e vos peço me vistais com a duplicada vestidura do amor de Deus e do próximo, para que assim me assemelhe àquele Senhor, que em tudo quis para mim ser Mestre da caridade mais incendida.
Um Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória ao Pai.

Ó glorioso Príncipe S. Miguel, eu vos venero, e ao coro dos Querubins, claríssimos lumes do Empíreo; e vos peço me instruais na ciência do temor santo, para que atine com o caminho da verdadeira e eterna luz.
Um P. N., A. M. e G. P.

Ó glorioso Príncipe S. Miguel, eu vos venero, e ao belíssimo e Celestial Coro dos Tronos, firmíssimos assentos de Deus; e vos peço me ensineis a humilhar-me, para que na hora de minha morte possa ser exaltado, para louvar ao Senhor em vossa companhia eternamente.
Um P. N., A. M. e G. P.

Ó glorioso Príncipe S. Miguel, eu vos venero, e ao Coro altíssimo das Dominações, que dominam as coisas, que lhes são confiadas com admirável ordem; e vos peço me alcanceis graça, para que refreie a minha carne, e reprima os meus afetos, que tanto me precipitam nos abismos da culpa.
Um P. N., A. M. e G. P.

Ó glorioso Príncipe S. Miguel, eu vos venero e ao Coro felicíssimo das Potestades, terrores formidáveis do inferno; e vos peço assistais ao meu lado, para que com vosso auxílio consiga sempre vitória dos infernais tiranos, meus inimigos crudelíssimos.
Um P. N., A. M. e G. P.

Ó glorioso Príncipe S. Miguel, eu vos venero e ao Coro santo das Virtudes, operadores de maravilhas, e prodígios; e vos peço deis saúde perfeita às minhas enfermidades, visão à  minha cegueira, e remédio a todas as misérias de minha alma.
Um P. N., A. M. e G. P.

O glorioso Príncipe S. Miguel, eu vos venero, e ao altíssimo Coro dos Principados, que presidem aos Espíritos inferiores; e vos peço me alcanceis uma sujeição perfeitíssima, com a qual sem repugnância, nem murmuração obedeça a todos os meus superiores.
Um P. N., A. M. e G. P.

Ó glorioso Príncipe S. Miguel, eu vos venero e ao nobilíssimo Coro dos Arcanjos, Embaixadores dos grandes mistérios do Altíssimo; eu vos peço ilustreis minha alma, para que entenda os Mistérios Divinos, movendo-me o coração a obrar o bem e fugir do mal.
Um P. N., A. M. e G. P.

Ó glorioso Príncipe S. Miguel, eu vos venero e ao felicíssimo Coro dos Santo Anjos, Ministros muito fiéis do Altíssimo, e vos peço me inspireis tudo aquilo que me for conveniente, para viver bem em todo o tempo até ao último suspiro de minha vida.
Um P. N., A. M. e G. P.

HINO A S. MIGUEL [Traduzindo do Latim para o Português].
Ó luz do Pai em que vivem                                                                    
 Os corações penitentes,
 Entre os anjos te louvamos
Desses lábios teus pendentes.

Em torno de ti militam
Principados aos milhares;
O teu estandarte arvora
Miguel dos mais singulares.

Este foi, que da serpente
Atroz cabeça esmagou,
E coros soberbos rebeldes
Aos infernos arrojou.

Pelejemos com o dragão
A par do excelso guerreiro,
Para que nossas frontes coroe
De glória o manso Cordeiro.

A ti, Pai e Filho amado,
A ti, Paráclito Santo,
Seja sempre, qual tem sido,
Glória eterna, eterno canto. Amém.

ANTÍFONA: Príncipe gloriosíssimo, S. Miguel Arcanjo, lembrai-vos de nós, neste e em todos os lugares; sempre rogai por nós ao Filho de Deus.
V. Na presença dos anjos entoarei, ó meu Deus, os vossos louvores.
R. Adorar-vos-ei no vosso santo templo, e confessarei a glória do vosso nome.

OREMOS
Ó Deus, que em admirável ordem determinais os ministérios dos anjos e dos homens; por vossa clemência concedei que aqueles que vos servem e assistem no Céu sejam os que na terra defendam nossa vida. Por nosso Senhor Jesus Cristo. Amém!

N.B. : Acrescentei esta oração composta pelo Papa Leão XIII:

Grande defensor do povo cristão, São Miguel Arcanjo, para cumprirdes dignamente a missão que vos foi confiada de defender a Igreja, extingui as heresias, exterminai os cismas e confundi a incredulidade. Multiplicai vossas vitórias sobre os monstros infernais que querem destruir nossa fé. Que a Igreja de Jesus Cristo acolha novos fiéis e agregue em seu regaço reinos inteiros, afim de que Ela possa povoar o Céu de almas eleitas, para a maior glória do divino Redentor, a Quem vós mesmo deveis vossos triunfos, vossos méritos e vossa eterna felicidade. Amém.

Obs. : Os fiéis devem rezar todos os dias a oração tradicional de São Miguel Arcanjo, ou seja, aquela que o Papa Leão XIII ordenou que se rezasse após a Santa Missa. 

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

O CRUCIFIXO

Esta invocação  é do pregador sacro,  D. Duarte Leopoldo e Silva, que fora Arcebispo de São Paulo.

    "Resta-nos, porém, a sua imagem veneranda e venerável. Resta-nos o crucifixo - dádiva preciosa do seu amor, já agora para sempre fixado no vértice das igrejas ou na sala nobre das famílias que não se pejam das suas ignomínias. Resta-nos o crucifixo pompeado, glorificado, no cimo dos tabernáculos, ou banhado de lágrimas ardentes na penumbra de um confessionário. Resta-nos o crucifixo à cabeceira do enfermo que sofre porque não vive, ou no cinto da religiosa que sofre porque não morre. Resta-nos o crucifixo nas mãos do missionário, rasgando-lhe caminho para a pátria celestial, e no peito do soldado, guiando-o intimorato para os triunfos da pátria desafrontada de estranhos atrevimentos. 
   Na grande avançada para o céu, sem ele, sem o sinal da cruz, não sabe a Igreja dar um passo, iniciar uma única cerimônia, esboçar uma bênção sequer. 
  Ó meu crucifixo! Pobre e humilde, banhado das minhas lágrimas na amorável penumbra de uma cela, como brilhas tu, iluminando-nos a vida e a morte, o sofrimento e o prazer, a terra e o céu, o tempo e a eternidade!
  Catecismo de ignorantes, Suma Teológica para sábios, tu és luminoso, todo invadido da presença de Deus. Tua voz me instrui com o calor de uma chama e com a doçura de uma unção - repreende e consola, fortalece e santifica. Melhor que os livros santos, tu me dizes a que extremos inatingíveis levaste o teu amor por mim, por mim pessoalmente, como se eu só - e mais ninguém - fora o objeto do teu amor - amor imolado, amor sacrificado, amor crucificado. 
   Levei-te aos lábios, cheguei-te ao coração. E ouvi, uma por uma, impressas em tuas chagas, todas as palavras dos livros sagrados. E cada palavra que te caiu dos lábios me foi direta ao coração como um dardo de fogo, desse fogo do Espírito Santo que, desde o meu batismo, permanece latente em minha alma pecadora. E eu disse: também eu te amo, também eu quero amar-te de todas as minhas forças. Tu me ensinas como e até quando ser-me-á  preciso amar o meu próximo. "Amai-vos uns aos outros como eu vos amei" - me dizes tu. Mandamento difícil e humilhante. Se se tratasse de fazer bem aos que fizeram bem - fácil e deleitoso me seria o cumprir a tua vontade, pois ela encontraria eco dentro em meu próprio coração. Mas, tu queres que eu perdoe aos que me fizeram mal, não somente que lhes perdoe, mas que os ame ainda como tu mesmo nos amaste. E eu vi as tuas chagas, contemplei-te as mãos e os pés traspassados de duros cravos, a cabeça coroada de espinhos, os braços abertos em atitude de perdão. E eu disse e repito, inteiramente rendido aos argumentos do teu amor: sim, ó meu Jesus, perdoo-lhes por amor de ti, perdoo-lhes porque mais gravemente tenho te ofendido que eles a mim.
   Tu me dizes ainda que o amor de Deus e do próximo nos faz viver, e que o amor de nós mesmos nos faz morrer. Ó meu Jesus, faze que eu te ame bastante, e que não me ame tanto! Ensina-me a dominar as rebeldias da minha natureza, a crucificar as minhas paixões por amor de Jesus crucificado. Ensina-me a prática da humildade, da vigilância e da oração, para que em ti e por ti, me fortaleça no obediência à tua santa lei.
   Como és belo e consolador, ó meu crucifixo! Se me mostrasses tão-somente a grandeza dos meus pecados, eu seria esmagado ao peso da minha dor; mas tu me abres o céu como prêmio e recompensa da paixão de Jesus. Agora que te conheço e te amo - já não temo os castigos da tua justiça, mas os castigos do teu amor, e porque os temo e porque te quero, deixa que me banhe no sangue do teu coração. Mas eis que o dia já declina sempre mais, lentamente... lentamente... As sombras da montanha obscurecem-me o caminho e já não vejo para onde me conduzem os passos incertos e vacilantes. É a tarde, é a noite, é a velhice, é a morte que se aproxima. Ah! eu tenho medo! Mas fica comigo, o meu amado crucifixo! Companheiro inseparável de todos os dias, faze-me companhia até o termo da longa e perigosa caminhada. Tu me falarás de Deus, tu me falarás da vida que se finda e da eternidade que se avizinha. Tu me falarás  dos meus pecados e da misericórdia de Jesus.
   Cansados, já os meus olhos te não podem fitar; enregelados, na agonia derradeira, já os meus braços não conseguem chegar-te à altura dos meus lábios. Mas os meus dedos crispados pela morte te sentem ainda e o meu coração, se não a boca, pode ao menos balbuciar: Meu Jesus, meu Redentor, eu te amo, eu creio em ti. Nas tuas mãos entrego o meu coração, a minha alma, a minha vida a minha eternidade. In manus tuas, Domine, commendo spiritum meum". 
   
   

FESTA DA EXALTAÇÃO DA SANTA CRUZ

   De grande veneração goza a Cruz que serviu de altar no grande sacrifício que Jesus Cristo ofereceu no monte Calvário ao Pai Celestial. Daí a Santa Liturgia chama-a Santa Cruz ou Santo Lenho. E celebra-a em duas datas: no dia 03 de maio é a Festa da Invenção (=encontro da Santa Cruz); e no dia 14 de setembro, celebra-se a Festa da Exaltação da Santa Cruz. 

   Eis um resumo histórico: Era o ano de 610. Era rei da Pérsia o bárbaro Chosroes II. Fizera guerra contra o império oriental romano. Heráclio, então governador da África, fez proposta de paz a Chosroes. Este não aceitou, e, orgulhosamente disse: "Os Romanos não terão paz, enquanto não adorarem o sol, em vez de um homem crucificado". Heráclio, no entanto, colocando toda confiança em Deus, em 622 marchou contra a Pérsia. Saiu vitorioso.  Chosroes foi morto pelo próprio filho, Este celebrou a paz com o rei Heráclio. E uma da primeiras condições desta paz foi a restituição do Santo Lenho, que anteriormente havia sido roubado e levado para a Pérsia. 

   Uma vez livre do jugo dos Persas, Heráclio resolveu a solene transladação do Santo Lenho para Jerusalém. Na primavera do ano de 629, com grande comitiva, foi a Cidade Santa, levando consigo a preciosa relíquia. Foi uma grandíssima festa! Em procissão soleníssima foi levada a Santa Cruz, para ser depositada na Igreja do Santo Sepulcro, no monte Calvário. O Imperador tinha reservado para si a honra de a carregar. Chegado que foi à porta da cidade que conduz ao Gólgota, como retido por forças invisíveis, Heráclio não pôde dar mais um passo adiante. O Patriarca Zacarias, que presidia à Procissão, como por inspiração divina, disse ao Imperador "Senhor! Lembrai-vos de que Jesus Cristo era pobre, quando vós andais vestido de púrpura; Jesus Cristo levava uma coroa de espinhos, quando na vossa cabeça vejo brilhar uma coroa preciosíssima; Jesus Cristo andava descalço, quando vós usais calçado finíssimo". Heráclio, com humildade aceitou o aviso do patriarca. Tirou a coroa, trocou o manto imperial  por uma túnica pobre, substituiu o rico calçado por sandálias e, tomando novamente o Santo Lenho, sem dificuldade o levou até a última estação. Lá chegado, todo o povo se acercou da grande relíquia, venerando-a com muita fé. Muitos doentes recuperaram a saúde. O dia 14 de setembro de 629 foi de triunfo e da mais santa alegria. 

São Paulo dizia: "Prego a Cristo Crucificado,  que é escândalo para os judeus e loucura para os pagãos"  (1Cor. I, 23). Nada mais salutar para a alma do que a meditação da Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus. Três coisas, no entanto, nos impedem de compreender esta verdade: o orgulho, a distração, a imortificação. O orgulho porque obscurece a fé: não queremos que Deus tenha mais bondade do que podemos compreender. a distração: porque nos impede aprofundar coisa alguma; a imortificação: porque admite-se dificilmente o que é incompatível com uma vida tíbia e sensual que não se quer deixar. 

   Senhor! Vós dignai-Vos inspirar-me a resolução de meditar muitas vezes a vossa Paixão e Morte, e eu tomo-a, com a Vossa graça. Na meditação da Vossa Cruz, ó Divino Salvador, poderei santificar a minha vida e acharei ali o motivo e modelo de todas as virtudes; acharei ali as mais sólidas consolações, e amando-Vos. acharei a incomparável alegria de Vos ganhar almas. Amém!

   

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

O SANTO NOME DE MARIA

   "Ninguém pode proferir devotamente o nome de Maria, sem dele tirar algum fruto".
                                         São Boaventura.

   "Pronunciar com afeto o nome de Maria ou é sinal de vida, ou de a ter brevemente".
                                          São Gemano 

   "Vosso nome, ó Maria, é um  bálsamo oloroso a exalar o perfume da divina graça".
                                          Santo Ambrósio

   "Os homens são atirados ao chão se ao lado deles cai algum raio. Assim também são abatidos os demônios logo que ouvem o nome de Maria".
                                                                                        Tomás de Kempis

 "No mundo não há inimigo que tanto tema um grande exército, como temem o nome e o patrocínio de Maria as potestades infernais"
Conrado de Saxônia

   Donna, se' tanto grande e tanto vali,
   che qual vuol grazia ed a te non ricorre,
   sua disïanza vuol volar senz'ali.
   La tua benignità non pur socorre
   a chi domanda, ma molte fiate
   liberamente al domandar precorre.
   In te misericordia, in te pietate,
   in te magnificenza, in te s'aduna
   quantunque in creatura è di bontate.
           Dante, Paraíso, Canto XXXIII.

   "Sois, Senhora, tão augusta e excelsa, que quem
    deseja alguma graça e a vós não recorre, quer em
   seu anelo voar sem asas.
   Tal é vossa bondade, que não somente socorreis
   a quem pede favores, mas com freqüência acudis
   antecipando a todo pedido.
   É grande vossa misericórdia, grande vossa piedade e magnificência,
   e brilham em vós as virtudes todas". 

  

A AVE-MARIA - 1ª parte - 25ª LIÇÃO

N.B.: Para aumentar os quadros catequéticos é só clicar em cima. A Ave-Maria neste quadro está escrita em francês, porque estes quadros catequéticos foram feitos na Suíça: Ed. Les Amis de Saint François de Sales - 1950.

Qual é a oração que mais convém rezar a Nossa Senhora? Há muitas boas orações para rezar a Maria Santíssima. E santa Joana de França pediu a Maria que lhe revelasse qual destas orações lhe era mais agradável. Maria revelou àquela santa que gostava mais da Ave-Maria.
 A oração que costumamos rezar mais a Nossa Senhora é a Ave-Maria. A primeira parte da Ave-Maria foi feita pelo Arcanjo São Gabriel; a segunda parte por Santa Isabel, prima de Nossa Senhora, e a Igreja acrescentou a terceira parte. Convém saber a Ave-Maria de cor. Todos queremos saber a Ave-Maria e também compreendê-la. Por isso vou explicar as palavras da Ave-Maria.
Com a palavra "AVE" antigamente a gente se cumprimentava, como nós hoje dizemos "Bom dia" ou "Boa tarde". "AVE MARIA" quer dizer: "Eu vos saúdo, Maria".Começamos a nossa oração assim; pois na Ave-Maria vamos falar com Maria e cumprimentamo-la primeiro.
   Chamamos a Maria: "CHEIA DE GRAÇA". Um copo está cheio, quando nada mais cabe. Maria está cheia de graça porque tem todas as graças, que em sua alma podem caber. Nossa senhora recebeu mais graças do que todos os outros santos, pois Deus dá mais graças conforme a dignidade da pessoa. A maior dignidade é a de Maria, porque é Mãe de Deus; por isso recebeu mais graças do que todos os outros. Deus também dá mais graças a quem melhor se esforçar por ser melhor, por ser santo. Maria trabalhou muito com a graça de Deus para ser cada vez mais santa. Por isso Deus lhe deu sempre mais graças.
   Dizemos: "O SENHOR É CONVOSCO". O "SENHOR" é Deus. Deus mora em nosso coração pela graça. Quanto mais esforços fazemos para sermos bons, para não pecar, tanto mais cresce em nós a graça. Maria nunca pecou. Maria todos os dias fazia progresso na virtude. Maria nunca foi ruim. Por isso, em Maria, a graça era maior do que nos outros santos. Pela graça o Espírito santo habita em nosso coração. Por isso o Espírito Santo estava com Maria de maneira muito mais perfeita do que com todos os santos. Por isso dizemos: "O SENHOR É CONVOSCO".
   Dizemos: "BENDITA SOIS VÓS ENTRE AS MULHERES". Com estas palavras queremos dizer que Nossa Senhora merece os nossos louvores mais do que todas as outras mulheres. Maria é a mais privilegiada, a mais favorecida por Deus, a mais abençoada que todas as mulheres. Por que? Porque só ela foi concebida sem pecado original, e porque ela é a Mãe de Deus. Por isso é bendita entre todas.
   Dizemos: "BENDITO É O FRUTO DO VOSSO VENTRE, JESUS". Conhece-se a árvore pelo fruto. Assim Maria é louvada por seu fruto, isto é, por seu filho, Jesus.

EXEMPLO
   São Bernardo, grande devoto de Nossa Senhora, sempre que passava  junto de uma imagem de Maria Santíssima, descobria-se e dizia com toda devoção: Ave, Maria! Saudação tão filial não podia deixar de agradar ao coração maternal da Mãe de Deus. Algum tempo depois, passando novamente Bernardo e repetindo a sua costumada saudação, a Imagem, inclinando graciosamente a cabeça, responde: Ave, Bernardo!

sábado, 10 de setembro de 2016

O SACRAMENTO DA ORDEM PELA EXPLICAÇÃO DO QUADRO CATEQUÉTICO

Quadro catequético representando
o Sacramento da Ordem
   No centro  está o objetivo deste quadro que é de representar São Pedro conferindo o sacramento da Ordem aos sete primeiros diáconos. 

   No alto à esquerda, vemos representadas duas ordens menores: Ostiário e Leitor. Vemos representado, em primeiro lugar a Ordem de Ostiário. O Bispo faz o candidato tocar as mãos nas chaves da igreja. No momento o Bispo pronuncia as palavras que conferem a guarda das chaves. 
   Ainda no alto à esquerda bem perto, vemos representada a Ordem menor de Leitor, cuja função é de ler na igreja, em voz alta, o Antigo e o Novo Testamento. Por isso, o Bispo faz o candidato tocar o Missal pronunciando as palavras que lhe conferem o poder de ler a palavra de Deus.

   No alto à direita, vemos representado o Bispo conferindo a Ordem menor de Acólito, cuja função é servir os ministros sagrados no altar. Por isso, o Bispo faz o candidato tocar um castiçal com a vela, depois as galhetas vazias. O Bispo dá-lhe o poder de acender as velas da igreja e de apresentar ao celebrante o vinho e a água durante a Missa. 
   O quadro não representa a Ordem menor de Exorcista. Como ele recebe o poder de expulsar o demônio do corpo dos possessos, o Bispo faz o candidato tocar o livro dos Exorcismos, dando-lhe o poder de impor as mãos sobre os possessos do demônio.

   Em baixo à esquerda, vemos representada a Ordem maior do Subdiaconato, cuja função é de servir ao diácono no altar e de cantar a Epístola. Para tanto, o Bispo faz aquele que deve receber o subdiaconato tocar o cálice, a patena e o livro das Epístolas, dando-lhe, assim, o poder de ler na Igreja. Ele coloca água no vinho destinado ao Sacrifício. Compromete-se a guardar a castidade e a rezar o Breviário. 

   Em baixo à direita, vemos representada a Ordem maior do Diaconato, cuja função é de assistir ao Padre no altar, cantar o Evangelho nas Missas Solenes, distribuir a comunhão, em caso de necessidade, pregar, com autorização do Bispo, administrar o Batismo solene, com licença do Bispo ou do Pároco.Pode também fazer encomendação. Vemos no quadro o Bispo impondo-lhe as mãos para lhe conferir estes poderes. No momento, o Bispo diz: "Recebe o Espírito Santo, para teres a força de resistir ao demônio e às suas tentações". 

Detalhe do quadro representando o Sacerdócio ou
Plesbiterato
   Em baixo no meio do quadro, vemos representado o Bispo conferindo o Sacerdócio, cujos poderes são: celebrar a Santa Missa, pregar e administrar os sacramentos, menos o da Crisma e o da Ordem. O sacerdote também administra a Crisma em caso de morte quando na hora não há bispo. Vemos representado no quadro o Bispo impondo as mãos sobre a cabeça dos diáconos ( e com ele todos padres presentes). O Bispo faz uma unção com óleo santo sobre as mãos, e faz tocar o cálice com vinho, e a patena com uma hóstia. No momento o Bispo diz: "Recebei o poder de oferecer a Deus o sacrifício e de celebrar a Missa pelos vivos e defuntos". Observamos que o Bispo e todos os padres presentes, depois de imporem as mãos sobre a cabeça do(s) candidato(s), permanecem com as mãos estendidas sobre ele(s). 

   

  

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

O MINISTRO DO SANTO SACRIFÍCIO DA MISSA

   Em todas as Missas JESUS CRISTO, Vítima e Sacerdote, Se oferece pessoalmente a DEUS na Consagração, renovando os sentimentos de obediência de que estava possuído no Calvário. Na Consagração, o ministro humano apenas "empresta a Cristo a sua língua e lhe cede as suas mãos". Vê-se, com bastante clareza, que JESUS CRISTO intervém atualmente para Se imolar de modo incruento, oferecendo ao eterno Pai o Sacrifício, através de seus sacerdotes.

Consideremos o MINISTRO DA MISSA, de que Nosso Senhor se serve como instrumento.
   A) MINISTRO.
   Só os sacerdotes são ministros do Sacrifício da Missa. Nosso Senhor dirigia-se aos Apóstolos, e sucessores deles no Sacerdócio quando disse, após a instituição da Eucaristia: "FAZEI ISTO EM MEMÓRIA DE MIM". (Luc. XXII, 19). A prática da Igreja, aliás, nenhuma dúvida deixa no assunto. Desde os tempos mais antigos, são os Bispos e os Padres que CELEBRAM o Santo Sacrifício da Missa.
   Quando dizemos que a Missa é o Sacrifício de toda a Igreja, afirmamos que todos os fiéis nela devem tomar parte; não queremos, contudo, significar que o Sacrifício da Missa seja obra de todos os membros da Igreja.
   Na sociedade sobrenatural, criada por Jesus Cristo, somente os Sacerdotes são os SACRIFICADORES, somente eles podem realizar o Sacrifício da Missa.
   "Só aos Apóstolos, diz Pio XII, e aos que deles e dos seus sucessores receberam a imposição das mãos, é conferido o PODER SACERDOTAL, por cuja virtude, assim como representam, perante o povo que lhes é confiado, a pessoa de Jesus Cristo, assim também, representam esse mesmo povo perante Deus". (Mediator Dei). 
   Contudo, também no ato sublime e singular da oblação sacrifical, o povo tem sua participação, com seu voto, com sua aprovação. Eis o que diz Inocêncio III: "O que em particular se cumpre pelo ministério dos sacerdotes, universalmente é cumprido pelo voto dos fiéis". Mas o fato de participarem no Sacrifício eucarístico NÃO CONFERE aos fiéis NENHUM PODER SACERDOTAL.
   "A imolação incruenta, por meio da qual, depois de pronunciadas as palavras da Consagração, Jesus Cristo torna-se presente sobre o altar no estado de vítima, é levada a cabo somente pelo SACERDOTE, ENQUANTO REPRESENTANTE DA PESSOA DE CRISTO,  e não enquanto representante da pessoa dos fiéis." (Pio XII - Mediator Dei).

   B) CONDIÇÕES REQUERIDAS:
   1º) para que o Sacrifício seja VÁLIDO: a) o poder da ORDEM;
                                                                b) intenção de fazer o que faz a Santa Igreja.

   2º) para que o Sacrifício seja LÍCITO:  O ministro deve:
                                               a)  possuir o estado de graça;
                                               b) estar em jejum;
                                               c) observar as cerimônias prescritas.

  
   Os padres ao celebrar, devem trazer as disposições mais santas, subindo o Altar com os sentimentos da maior pureza e caridade, piedade viva e profunda, como o exige função tão sublime.

   "Oh! quão grande e venerável é o ministério dos sacerdotes, aos quais é dado consagrar com palavras santas o SENHOR de majestade, bendizê-Lo com os lábios, tocá-Lo com as mãos, recebê-Lo em sua boca, distribuí-Lo aos outros!" (Imitação de Cristo).

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

SERMÃO: NOSSA SENHORA, CONSOLADORA DOS AFLITOS

Consolatrix aflictorum! Ora pro nobis!
Consoladora dos aflitos! Rogai por nós!

   Consoladora dos aflitos! A quem não arrebata este título que soa tão bem e sempre soará aos ouvidos humanos! Porque na verdade, caríssimos e amados irmãos em Nosso Senhor Jesus Cristo, quem há que não precise de consolação ou que presuma que não há de vir a precisar dela um dia? A aflição, a dor, o sofrimento apresentam-se-nos a todas as horas e debaixo de mil formas e é este o apanágio mais seguro e certo da humanidade. Desde que pelo pecado original se converteu em vale de lágrimas para o homem a terra que devia começar a ser o seu paraíso de flores, os espinhos são a primeira coisa que o infeliz colhe durante sua breve passagem por ela. Calca -os picantes e dolorosos, o potentado como o mendigo, o sábio como o rude, sem que nesse ponto haja condição de pessoas que possam considerar-se privilegiadas.
   Quem não buscar na Religião a sua única consolação e alívio, em vão os procurará noutra parte. Vejamos, então, segundo o ensinamento das Sagradas Escrituras a origem e a razão de ser do sofrimento. Desde o momento em que da fronte do primeiro homem rolou o diadema da justiça original com o primeiro pecado, entrou o sofrimento no mundo. A grande sentença da justiça eterna de Deus retumbou pelos horizontes do Éden: "De ora em diante, disse Deus a Adão, comerás com o suor de teu rosto o pão de cada dia. A dor misturar-se-á com todos os dias da tua existência. Tu és pó, e em pó tu hás de tornar".
   A dor! Eis a estranha palavra que de agora em diante ressoará na vida de todos os homens. Eis a origem universal da dor - o pecado. O homem que recebeu de Deus a liberdade para ser mais feliz merecendo para o céu, abusou desta liberdade e tornou-se infeliz pelo pecado. Mas Deus, como Pai amoroso que se inclina sobre seus filhos para derramar-lhes bálsamo nos corações dilacerados, ofereceu logo remédio para a dor, não eliminando-a da face da terra, mas transformando-a em meio de purificação e consecução da felicidade eterna. Logo depois da culpa de nossos primeiros pais, prometera um Salvador, que veio ao mundo não para eliminar a dor, mas Ele mesmo sofreu e morreu antes de entrar na Glória e assim nos deu a possibilidade, de sofrendo juntamente com Ele, podermos entrar também no céu.
   Caríssimos e amados irmãos, a dor tem, portanto, a sua razão de ser: É meio de purificação, é meio de conversão, é meio de aperfeiçoamento pela semelhança que nos dá com Jesus Cristo, e outrossim, é graça de predileção. Consideremos estes vários pontos.
   Primeiramente, o sofrimento, as doenças, as aflições, podem ser um castigo de pecados pessoais, e um meio de purificação e conversão. Eis um fato evangélico: o paralítico da piscina Probática. Subiu Jesus a Jerusalém. E lá ao lado do Templo havia uma piscina probática, chamada Betsaida, que quer dizer "das ovelhas", porque era aí que se lavavam as ovelhas e demais vítimas destinadas ao sacrifício. Era cercada de cinco pórticos e sob estes pórticos jazia uma grande multidão de enfermos, cegos, coxos e paralíticos que esperavam o movimento das águas, porque um anjo do Senhor descia a esta piscina em certos tempos e a água se agitava. Aquele que nela entrasse primeiro, depois do movimento da água, ficava curado de qualquer enfermidade que padecesse. Ali se achava um homem que estava enfermo havia 38 anos. Jesus vendo-o disse-lhe: "Queres ficar são?" "Senhor, respondeu-Lhe o enfermo, não tenho ninguém que me lance na piscina quando a água se agita, e enquanto eu vou indo, desce outro antes de mim". Disse-lhe Jesus: "Levanta-te, toma o teu leito e anda". E este homem ficou curado no mesmo instante. O paralítico vai depois ao templo dar graças a Deus por ter sido curado e recebido o perdão de seus pecados. Jesus o encontrou lá no templo e disse-lhe: "Eis que estás curado, mas não tornes a pecar, para que te não suceda alguma coisa pior". Estas palavras de Jesus provam que a longa enfermidade daquele homem era um castigo de seus pecados precedentes. Aliás, a Sagrada Escritura no livro do Eclesiástico capítulo XXXVIII, 15 diz:"Aquele que peca na presença de quem o criou,  virá a cair nas mãos do médico".
   Todavia, nem sempre se pode dizer que a doença é um castigo, mas é uma provação, uma ocasião para Deus Nosso Senhor mostrar o seu poder, sua bondade e por conseguinte sua Glória como aconteceu a Jó, Tobias e ao cego de nascimento. Sobre este último, lemos no Evangelho de São João IX, 1 e seguintes: Passando Jesus, viu um homem cego de nascimento. Perguntaram os discípulos: "Mestre quem pecou? Este homem ou os seu pais, para nascer cego?" Uma pergunta meio sem pé e sem cabeça. Mas Jesus bondosamente como sempre, respondeu: "Não nasceu cego porque ele ou seus pais tivessem pecado, mas para que se manifestassem nele as obras de Deus".
   Na verdade, para todos os homens, o sofrimento não deixa de ser uma graça de purificação. Quem pode gabar-se de ser inocente? Todos nós deveríamos dizer com Santo Agostinho: "Aqui, Semhor, na terra, queimai, cortai, mas poupai-me na eternidade".
   Nas provações devemos ver não a mão dos homens que nos afligem mas a mão de Deus que se serve deles para nos afligir. Vede Jó, a perda dos bens, a morte dos filhos, a doença, foram a consequência da malícia do demônio. No entanto, Jó não diz: o demônio me tirou tudo, mas Deus me despojou de tudo. Lemos na Bíblia que um servo do Rei Davi, chamado Semei, atirou-lhe pedras e o insultou. Abissai outro servo de Davi, indignado disse: "Eu irei e matarei este cão morto, qu insulta o meu rei. Davi respondeu: "Deixai-o maldizer conforme a permissão do Senhor, talvez o Senhor olhe para minha aflição e me dê bens pelas maldições que sofri neste dia".
   Deus, caríssimos irmãos, condena a malícia da má obra, mas reverte o efeito desta malícia em benefício de seus escolhidos.
   O sofrimento é também muitas vezes uma graça de conversão. Há realmente muitos que se convertem na doença. Para muitos pecadores, é o último recurso da misericórdia divina para dobrá-los.
   O sofrimento é também uma graça de aperfeiçoamento. "A tribulação, diz São Paulo, produz a paciência, a paciência produz a constância, e a constância produza a  fé e a caridade". (Rom. V, 3).
   Para ser justo e por ser justo Deus manda sofrimento. É o que Deus declara ao santo homem Tobias através do anjo São Rafael: " Porque eras agradável a aceito do Senhor, foi preciso seres provado pela aflição."
   Donde o sofrimento é uma graça de predileção. Que herança Deus preparou neste mundo a seu amantíssimo Filho? A pobreza, a humilhação, a morte mais cruel. Que herança Nosso Senhor deixou aos Apóstolos? "Sereis perseguidos e chorareis. Felizes sereis quando vos perseguirem, vos caluniarem. Alegrai-vos porque será grande a vossa recompensa no céu". Por uma curta e passageira tribulação um peso imenso de glória e felicidade por toda a eternidade.
   Que herança deixa Jesus à Sua Mãe Santíssima? Ele deixou os momentos tristes do Calvário. Reserva para ela esta hora de supremas amarguras. Ah! compreendemos: É porque Ele desejava dar muito maior glória à sua Mãe no seio da eternidade!.
  
   Deus como Pai cheio de misericórdia e bondade que é, mesmo permitindo os sofrimentos para nosso bem, não deixa de nos prodigalizar um consolo para nossas aflições. Como um pai que se sente forçado a castigar o filho para o seu bem, mas depois, sente pena e procura, de alguma maneira, suavizar o castigo, recorrendo ao carinho da mãe, assim, comparando dentro das devidas proporções, Deus age para conosco. E como está tão alto, infinitamente acima de nós, seu coração misericordioso dá-nos a Virgem Mãe, para consolação de nossas almas. E o provamos pelas Sagradas Escrituras e a experiência no-lo confirma.
   Abramos as primeiras páginas da Bíblia: Sobre aquele quadro fatídico e tenebroso em que Deus castigou nossos primeiros pais e amaldiçoou a serpente infernal, causadora do pecado, Deus lançou um raio de luz e de esperança. "Porei inimizades, disse Deus à serpente, entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a descendência dela. E ela te esmagará a cabeça". (Gen. III, 15). E quem poderá ser esta mulher privilegiada, vencedora eterna da serpente e do pecado, senão Aquela que trouxe à terra o Cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo!
    Consideremos outra passagem da Sagrada Escritura (Is. VII, 1 e seg.): Quando Acaz, rei de Jerusalém, e todo o seu povo ficou com o coração agitado como se agitam as árvores das selvas com o ímpeto do vento por causa da ameaça de  guerra dos reis de Israel aliados com o rei da Síria, Deus, através do profeta Isaias, mandou dizer a Acaz que ele com o seu povo não se afligisse porque os inimigos seriam vencidos. E Deus mandou Acaz pedir um sinal como prova desta vitória e da paz. Algo extraordinário que lhe garantisse a tranquilidade. Por causa de sua incredulidade Acaz não quis pedir. Então, Deus mesmo lhe deu o grande sinal, algo extraordinário: "Eis que uma Virgem conceberá e dará a luz um filho e o seu nome será Emanuel". Quem é esta Virgem que deu a luz ao Príncipe da paz, senão a Sempre Virgem Maria Santíssima como atesta o próprio Evangelista São Mateus, I, 22. É a consoladora dos aflitos.
    Há outra passagem da Sagrada Escritura muito conhecida dos todos os carmelitas: 1 Reis, XVIII, 41 e segs. Houve em Israel uma terrível seca de três anos e meio e a consequente fome. O profeta Elias sobe o monte Carmelo e lobriga ao longe uma nuvenzinha, nuvem esta que vai crescendo e logo se desfaz em copiosa chuva. De quem esta nuvem é figura? Senão de Maria Santíssima, pois que os santos patriarcas da Antiga Lei, na aflição em que viviam entre o paganismo pediam ansiosamente a Deus, que as nuvens chovessem o justo, o Salvador: "Rorate coeli desuper, et nubes pluant justum". ( Isaias, XLV, 8): "Derramai, ó céus, lá dessas alturas o vosso orvalho, e as nuvens façam chover o Justo". Qual é esta benéfica nuvem que nos trouxe o Salvador: Maria Santíssima. Nossa Senhora do Monte Carmelo! Consoladora dos aflitos! Rogai por nós!
   Mas esta mística nuvem se desfez em uma chuva de lágrimas no alto de um outro monte: no Monte Calvário. Foi ali que Maria mereceu em toda plenitude o título de consoladora das nossas dores. Ninguém poderá consolar realmente aos que sofrem se não houver provado o cálice das amarguras humanas. Não houve decepção humana, não houve angústia humana, não houve ingratidão humana, não houve incompreensão humana, não houve sofrimento que a Virgem não provasse desde Belém até o alto do Calvário. As coroas todas que cingiram a sua fronte augusta a colocaram imensamente acima de nós, mas a coroa de espinhos que o Calvário lhe teceu a aproximou imensamente de nós. Fez com que ela fosse nossa Mãe pelo dom do sofrimento. Vendo extinguir-se a Vida que ela gerou sem dor, deu-nos a vida, gerando-nos na dor.
   Ah! caríssimos e amados irmãos, como é real o papel de Nossa Senhora na missão augusta de lenir os sofrimentos e consolar as aflições. Todos nós que sofremos, podemos abrir o coração como um livro de testemunhos e ler o depoimento de nossa alma escrito com a tinta das próprias lágrimas. Ter Nossa   querida Mãezinha do Céu no fundo do coração é rasgar o manto tenebroso do próprio infortúnio para que o seu olhar materno derrame bálsamo nas feridas mais ocultas e pungentes das nossas almas.
   Há quase 63 anos uma senhora   muito devota da Virgem Mãe de Deus teve o seu segundo filhinho quando o primogênito ainda não tinha  completado 11 meses. Sentiu grande aflição em ver a criança tão pequena e fraquinha. E mais aflição ainda ao ver que suas orelhinhas eram sem nenhuma consistência e portanto caídas. Fez de uma meia uma toquinha bem apertada. Mas qual não era sua angústia em ver que, ao tirar a toquinha, as orelhinhas do filho caím novamente. Foi aos médicos. Hoje não teriam dificuldade nenhuma; mas há  60 anos atrás a medicina neste ponto não tinha muito recurso. Disseram, para grande tristeza daquela angutiada mãe, que não havia jeito. Confiando em Nossa Senhora, Consoladora dos aflitos, fez uma novena a Nossa Senhora das Graças. No último dia da novena o menino estava curado, com as orelhinhas normais. Este menino, 26 anos depois, foi ordenado padre. E não teria podido sê-lo se Nossa Senhora não o tivesse curado. Hoje, pela graça de Deus este padre é usuário de dois blogs onde procura fazer o maior bem possível às almas. E este padre, é  o  mesmo que vos escreve. Ó minha Mãe do Céu, puxai minhas orelhas por eu não corresponder devidamente a tantos benefícios, ajudai-me e protegei-me!
   Caríssimos e amados irmãos em Nosso Senhor Jesus Cristo! Navegamos num grande e tenebroso mar, que é o mundo, à procura do novo mundo que é o céu, a pátria do repouso eterno. Mas não esqueçamos nunca que Maria Santíssima é a ponte mística por Deus mesmo estendida entre o paraíso que perdemos e o Paraíso que esperamos. Na verdade a viagem é longa e penosa. Quantas tempestades, quantos naufrágios. Caríssimos fiéis, no meio dos perigos, das angústias, consoante o conselho de São Bernardo, recorramos sempre à Maria.
   Se as tempestades das tentações se levantarem, se os escolhos das tribulações vos ameaçarem, erguei os olhos para a Estrela do Mar.
   Se as vagas da soberba, da cólera, da inveja vos sacudirem, se os prazeres da carne agitarem o barco de vossa alma, se a enormidade de vossos pecados vos perturbar, pensai em Maria, ou antes, lançai-vos em seus braços. Levados e protegidos por Ela, triunfareis de todos os perigos, vencereis todos os obstáculos, saireis incólumes de todas as tentações, e chegareis seguramente às praias de Eterna Bem-aventurança. Assim seja!
  
  
  
  

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Sacrifícios

   OS SACRIFÍCIOS DA LEI MOSAICA.
   Após a saída do Egito, Deus intervém diretamente, ditando a MOISÉS o ritual do culto. No Sinai, logo após a promulgação do decálogo, manda que se erga um altar de pedras não lavradas, para os sacrifícios. Sobre esse altar selou-se a ALIANÇA entre Deus e o povo escolhido. (Ex. 24, 2-8).
   Nos dez primeiros capítulos do LEVÍTICO, encontramos o ritual do culto da Antiga Lei. Os judeus praticavam 4 espécies de sacrifícios:
   A) O HOLOCAUSTO. Era o sacrifício por excelência, perfeito porque completo. Nele, a vítima era integralmente consumida pelo fogo, e não repartida, após a imolação. A finalidade deste sacrifício era o reconhecimento do domínio absoluto de Deus sobre as suas criaturas e expressava também o dom total que Lhe fazia o ofertante. Devia ser realizado todos os dias. Constava de quatro partes principais:
   a) a imposição das mãos do ofertante sobre a vítima para se identificar a ela;
   b) o derramamento de sangue, princípio de vida, como símbolo do sacrifício da vida do ofertante;
   c) a combustão da vítima, simbolizando o nada da criatura diante do Criador;
   d) a oblação: para testemunhar reverência, temor, arrependimento, desejo de purificação, súplica, amor...

   B) OS SACRIFÍCIOS EXPIATÓRIOS.

O bode expiatório
   Os sacrifícios expiatórios, também chamados "sacrifícios pelos pecados" e "pelo delito". Por eles os Israelitas pretendiam expiar seus erros, desagravar a Deus e reconciliar-se com Ele. O rito consistia na apresentação da vítima, imposição das mãos do transgressor sobre a cabeça da vítima, como para transferir-lhe o pecado, substitui-la ao pecador. Seguia-se a imolação da vítima, com numerosas libações de sangue - significando a vida que se dava para expiar. Enfim, a destruição parcial pelas chamas. As vítimas eram parcialmente queimadas, parcialmente comidas pelos sacerdotes.
   Todos os anos, os judeus celebravam a grande festa da Expiação. Nessa cerimônia, o sumo Sacerdote imolava um touro e um carneiro. Depois carregava um bode com todos os pecados do povo e expulsava-o para o deserto. Era o "bode expiatório".

   C) OS SACRIFÍCIOS PACÍFICOS.
   Eram oferecidos para render graças a Deus ou obter benefícios. Queimados o sangue e as gorduras, em honra de Deus, o resto era comido pelos doadores num banquete ritual, à mesa do Senhor.

   D) A OBRAÇÃO.
    Era a oferta de produtos agrícolas.

   Contudo, com o correr dos séculos  o culto vai se tornando apenas formalismo vão. Desaparece a adoração, a penitência, o amor. Ora, não basta fazer um sacrifício externamente; é preciso que ele corresponda aos sentimentos internos da alma e Deus o tenha por bom, perdoando o pecado e reconciliando consigo o pecador. Já dissera a Escritura que Deus não aceitou as oblações de Caim. Também não agradaram a Deus os sacrifícios do povo de Israel. Pela boca dos profetas, Deus fez ouvir as mais solenes censuras. Porém Malaquias, o último dos profetas, veio projetar um raio de esperança. Anteviu o advento de um novo Sacrifício, agradável ao Senhor, oferecido em todo lugar: "Desde o nascer do sol até o poente, será grande entre as nações o meu nome; e em todo o lugar se oferecerá ao meu nome incenso e uma OBLAÇÃO PURA; porque o meu nome é grande entre as nações, diz o Senhor dos exércitos". (Malaquias, 1, 10-11).

sábado, 3 de setembro de 2016

O SACERDÓCIO COMUM DOS FIÉIS

   Expliquemos, de acordo com a Tradição, a expressão de São Pedro na 1ª Epístola, II, 9 que chama o povo cristão de "sacerdócio régio". O próprio Apóstolo mostra que se trata do sacerdócio que implica, por parte dos fiéis, o dever de apresentar vítimas espirituais , e em primeiro lugar a si mesmos transformados em vítima pela imitação de Jesus Cristo, renúncia do amor próprio, mortificação, prática da virtude, etc. (cf. 1 Ped. II, 5).
   Santo Tomás de Aquino declara que o CARÁTER BATISMAL confere ao que se batiza uma assimilação ao sacerdócio de Jesus Cristo. Este sacerdócio comum a todos os membros da Igreja, dá-lhes a capacidade de se beneficiarem das graças com que Jesus enriqueceu a sua Igreja, especialmente os sacramentos, que os não batizados não podem receber. Neste sentido, podem eles se beneficiar dos frutos do Sacrifício Eucarístico, que é o Sacrifício da Igreja. Além disso, em virtude do caráter batismal que se lhes imprime na alma, são deputados para o culto divino: têm, por isso, a possibilidade de participar ativamente nesse mesmo sacrifício, enquanto são membros da Igreja, e portanto fazem parte do Corpo Místico de Cristo, em cujo nome Jesus oferece sua oblação sacrifical na Santa Missa. Tomam assim parte no Sacrifício do Altar, o que é proibido aos que se acham fora da sociedade eclesiástica. Mas tomam parte do modo conveniente ao seu estado de leigos.
   
SACERDÓCIO HIERÁRQUICO (dos padres) e SACERDÓCIO COMUM (dos fiéis)

   Há uma diferença essencial entre o Sacerdócio hierárquico, o sacerdócio daquele que foi ungido com o Sacramento da Ordem, e o sacerdócio comum dos fiéis, que é participação muito limitada no sacerdócio de Jesus Cristo, efeito do sacramento do Batismo. O padre, pela Ordem, é: MINISTRO  de Jesus Cristo; os fiéis, pelo BATISMO, são membros de Cristo.
   Na Missa, Jesus é a um tempo Sacerdote e Vítima; ou, mais explicitamente: é um Sacerdote que se oferece a si mesmo como Vítima. De ambas as funções de Cristo, o padre e o leigo participam, mas DIVERSAMENTE, cada qual segundo a sua condição.

   1º) O padre imola e oferece a Vítima; o fiel não imola, só pode unir-se ao sacerdote e a Jesus Cristo no oferecimento. Com efeito, a Missa consiste essencialmente na consagração transubstanciadora do pão e do vinho. Ora, só o padre, que recebeu a unção sagrada no Sacramento da Ordem, faz do pão e do vinho o Corpo e o Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo. Só ele, marcado pelo caráter sacramental da Ordem, representa a pessoa de Jesus Cristo, mediador entre Deus e os homens. Por isso, só ele pode repetir o rito da Última Ceia. O povo, ao contrário, não representa de modo algum o Redentor, logo não é mediador entre si e Deus, não pode consagrar os elementos eucarísticos.
   Os fiéis não podem equiparar-se aos sacerdotes, que na Igreja lhes são superiores e, como tais, se aproximam do altar, inferiores a Cristo e superiores ao povo.
   Na consagração, o sacerdote imola a Vítima divina e oferece-A ao Pai Celeste. Transubstancia como INSTRUMENTO EXCLUSIVO de Cristo, mas oferece em nome do Corpo Místico, todo inteiro, Cabeça e membros. Nessa oblação participam os fiéis, mas não na atividade transubstanciadora.

   2º) "Para que a oblação com que, neste Sacrifício, os fiéis oferecem ao Pai a celeste Vítima tenha o seu pleno efeito, outra coisa se requer ainda: é necessário que eles se imolem a si mesmos como vítimas".
   O elemento essencial da participação do fiel consiste em unir os próprios sentimentos de adoração, ação de graças, expiação e impetração aos que teve Jesus Cristo ao morrer por nós, e que devem animar o sacerdote que oferece o Sacrifício da Missa. 

O SACRAMENTO DA ORDEM

   I - DEFINIÇÃO: Ordem é um sacramento que dá o poder de desempenhar as funções eclesiásticas e a graça de o fazer santamente.
   A Ordem é um sacramento que confere: a) o PODER de desempenhar as funções eclesiásticas, isto é, celebrar o Santo Sacrifício da Missa, administrar os Sacramentos e pregar a Palavra de Deus. O fim da Ordem não é como o dos outros Sacramentos. Os cinco primeiros têm por fim a santificação individual. A Ordem é para benefício espiritual da comunidade. Por meio deste Sacramento, o Padre torna-se medianeiro entre Deus e os homens. Cabe-lhe duplo encargo: de um lado, em nome da sociedade que representa, tem de prestar a Deus o devido culto; de outro lado, é obrigado a comunicar aos homens  - por meio dos sacramentos - as graças que Deus lhes destina, e a ensinar a doutrina cristã, o que é preciso crer e praticar. 
                                                                  b) Este Sacramento confere também a graça de desempenhar santamente as funções eclesiásticas. São tão sublimes as funções do padre, e muito particularmente a de consagrar e oferecer o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo, são funções tão santas que exigem socorro especial. 

   II - HIERARQUIA DE ORDEM E HIERARQUIA DE JURISDIÇÃO.
   (hierarquia quer dizer: ordem e subordinação dos poderes eclesiásticos).
   A) HIERARQUIA DE ORDEM:
   O sacerdócio é um verdadeiro sacramento que se apresenta de forma especial. Consta de vários graus que têm o mesmo nome: ORDENS, e se encaminham todos para a dignidade suprema do sacerdócio. Estes graus ou ordens são sete, agrupados em duas classes: ordens menores e ordens maiores. 
   TONSURA: Não é ordem especial. É uma cerimônia eclesiástica preparatória para as ordens. O tonsurado passa a ser CLÉRIGO (que vem de clero: partilha ou quinhão): ele toma a Deus por dote e herança. Renuncia ao mundo e entrega-se ao serviço de Deus. Usa os trajes eclesiásticos, indicando sua separação do mundo. Nas cerimônias da Igreja usa sobrepeliz , símbolo da pureza.
   ORDENS MENORES: São quatro: OSTIÁRIO, toma conta das chaves e da porta do templo; LEITOR, lê a Sagrada Escritura na Igreja e ensina a doutrina; EXORCISTA: recebe a faculdade de expulsar os demônios; ACÓLITO: levar as velas acesas na Missa e preparar o pão e o vinho para o Santo Sacrifício.
   ORDENS MAIORES ou SACRAS: denominam-se maiores, por causa da sua importância; sacras, porque consagram de modo definitivo aos serviço de Deus a pessoa que as recebe. São três: O SUBDIACONATO: o subdiácono ajuda o diácono no altar. Prepara o cálice e a patena. Coloca água no vinho destinado ao Sacrifício. Lê a Epístola. Lava os panos consagrados. Compromete-se a rezar o breviário e a guardar sempre a castidade.
   O DIACONATO: esta ordem confere o poder de assistir ao padre no altar, cantar o Evangelho nas Misas Solenes, distribuir a comunhão, em caso de necessidade. Fazer encomendação; administrar o batismo solene, com licença do Bispo ou do Pároco. Pregar, com autorização do Bispo.
   O SACERDÓCIO ou PRESBITERATO: confere o poder de oferecer o Sacrifício da Missa e de administrar todos os sacramentos, menos os da Crisma e da Ordem.
   O EPISCOPADO: é o grau mais elevado da hierarquia de ordem. O bispo recebe a plenitude do sacerdócio; tem poder de administrar todos os sacramentos e de reger a porção da Igreja confiada à sua jurisdição.

   B) HIERARQUIA DE JURISDIÇÃO: 
   É independente da hierarquia de ordem. Esta é sempre comunicada pela ordenação, aquela provém da vontade do superior. A jurisdição resulta da Missão que Jesus Cristo confiou aos Apóstolos e a seus sucessores, de governar a Igreja. Em primeiro lugar, nesta hierarquia, está o PAPA: tem jurisdição sobre todos os fiéis e todos os pastores; a seguir os BISPOS: têm poder de governar suas respectivas dioceses, sob a autoridade do Papa.
   Para administração válida dos sacramentos, basta o poder de Ordem, menos para o sacramento da Confissão. Quanto à liceidade da administração, a jurisdição é sempre requerida.