SAUDAÇÕES E BOAS VINDAS

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO! PARA SEMPRE SEJA LOUVADO!

Caríssimos e amados irmãos e irmãs em Nosso Senhor Jesus Cristo! Sêde BEM-VINDOS!!! Através do CATECISMO, das HOMILIAS DOMINICAIS e dos SERMÕES, este blog, com a graça de Deus, tem por objetivo transmitir a DOUTRINA de Nosso Senhor Jesus Cristo. Só Ele tem palavras de vida eterna. Jesus, o Bom Pastor, veio para que Suas ovelhas tenham a vida, e com abundância. Ele é a LUZ: quem O segue não anda nas trevas.

Que Jesus Cristo seja realmente para todos vós: O CAMINHO, A VERDADE, A VIDA, A PAZ E A LUZ! Amém!

sexta-feira, 31 de março de 2017

GLÓRIA E PODER DE SÃO JOSÉ


31 de março

PRÁTICAS DE DEVOÇÃO A SÃO JOSÉ




   PRÁTICA DA IMITAÇÃO: 

   A devoção a São José é de uma grande riqueza e variedade de formas.  É certo que esta devoção, tão bela, nunca deve estar separada em nós da verdadeira devoção a Jesus e Maria. Façamos, pois, com que a invocação do nome do Santo Esposo de Maria e a sua lembrança, cada dia, a cada hora, em todas as circunstâncias de nossa vida sempre nos acompanhem. O conselho de Santa Teres é de uma eficácia maravilhosa: Recorrei a São José! Confiai em São José! Nunca haveis de recorrer em vão a São José! Pois o meio de incentivar e sustentar em nossa alma a chama de uma devoção fervorosa, é a fidelidade a algumas práticas que a experiência de alguns séculos de tantas almas santas prova serem meios poderosos para se alcançar a proteção do maior dos santos. 

   Em primeiro lugar a IMITAÇÃO : pois a glória dos santos está na imitação de suas virtudes. O santos são heróis para serem imitados e não apenas admirados. É verdade que nossa fraqueza nem sempre permite chegar à quele heroísmo e aos prodígios de virtude, de penitência extraordinárias de alguns deles. São José, porém, é mestre de uma escola de santidade, bem acessível à nossa pobre alma. Ensina-nos que, para agradar e servir a Jesus, não é mister fazer prodígios. Basta ser puro e simples, cumprir fielmente o dever de cada dia, custe o que custar, aceitar pacientemente a vontade de Deus nos sofrimentos, obedecer em tudo a lei divina e ter a mais pura das intenções. São José foi pobre operário, esposo fidelíssimo, pai amoroso de Jesus. Viveu no silêncio e no trabalho. O santo do dever. Quem não o pode imitar? Se não merecemos a glória e os privilégios do grande Patriarca, podemos merecer a graça de imitá-lo. Os Santos Padres Leão XIII e Pio IX apresentam São José à cristandade como modelo a ser imitado. Modelo de pai, consolo para as mães atribuladas na luta pela educação dos filhos. E hodiernamente,talvez mais do que nunca, como fará bem a estas mães, uma grande devoção a São José!. O Santo Patriarca é modelo para a juventude pela pureza mais do que angélica com Deus o adornou. Modelo dos operários pela fidelidade e honestidade do trabalho santificado e nobilitado na oficina de Nazaré. Modelo para os sacerdotes, pois José participou da realeza do sacerdócio. Teve em suas mãos o Verbo Encarnado, como o sacerdote tem no altar o Verbo de Deus feito pão eucarístico. As almas consagradas a Deus no claustro e em todas as variadas atividades da vida religiosa. Que modelo de perfeição evangélica, de pobreza, obediência e castidade dos santos votos!

  Enfim, São José não pode ser melhor honrado, que imitado. 

   AS PRÁTICAS DE "DEVOÇÕES". 


 Pequenas e cotidianas: Uma oração, uma jaculatória a São José pela manhã e à noite, uma Ave Maria em sua honra, trazer consigo uma medalha e beijá-la às vezes, uma visita à imagem de São José, uma flor, um obséquio devoto - quem não pode tomar qualquer destes pequenos atos de devoção e ser fiel a eles?

   Nada ficará sem recompensa, e o mais poderoso dos santos e o mais terno dos pais jamais deixará de socorrer um dos seus devotos, seja o maior e o mais miserável dos pecadores. Vimo-lo em alguns exemplos apresentados durante este mês.

   Celebremos cada ano, com todo fervor, as duas festas litúrgicas do Santo Esposo de Maria: 19 de março e 1º de maio. Uma novena bem fervorosa e pelo menos uma santa comunhão e a assistência à Santa Missa. A Santa Igreja consagrou a São José, além de um mês - Março - consagrou-lhe também um dia na semana - a Quarta-feira -. Portanto, todas as quartas-feiras, se pudermos, recitemos as Sete dores e sete alegrias de São José.  Caríssimos, seja a quarta-feira o nosso dia de São José. Façamos, neste dia, alguma esmola, alguma boa obra em honra do grande santo. Por exemplo: adornemos a sua Imagem e de joelhos rezemos a Oração de São José pela Igreja, ou as suas Ladainhas. Os pais transmitam aos filhos a herança de uma fervorosa devoção a São José. 

   Usemos o Cordão bento de São José.

   Caríssimos, guardemos bem esta norma: Tudo a Jesus por Maria, tudo a Maria por José! Amém!
   Peçamos ao Esposo de Maria, esta transmite o pedido ao seu Filho Jesus e este nunca deixa de atender!!! Se a qualquer pecador Jesus disse: pedi e recebereis, será que Ele não vai atender ao seu Pai Adotivo e a sua amorosíssima Mãe, a Sempre Virgem Maria?! Caríssimos, talvez nos falte uma fé maior e mais viva. Peçamo-la a Jesus, Maria e José! O resto virá sempre por acréscimo! Amém!

   E não poderia terminar estas reflexões no decorrer do mês de março, sem lembrar mais uma vez que o Glorioso São José é o patrono dos agonizantes. Ele nos garante uma santa morte!!!


EXEMPLO

São José e os viajantes

   O piedoso fundador Padre Chevalier invocava a São José em todas as dificuldades e aflições, e nunca foi desiludido em sua grande confiança.

   Celebrava-se a festa do Patrocínio de São José e o santo homem viajava na Espanha, em trabalhos apostólicos. Dirigia-se para Madri atravessando a montanha perigosa de Mala Cabrera. Esta Montanha era famosa pelos enormes crimes de bandoleiros e salteadores que a infestavam. Era toda semeada de cruzes a indicar mortes, tragédias e assassinatos. No mais perigoso trecho - de um lado a montanha íngreme e de outro um abismo-, dois bandidos assaltaram o carro do Padre Chevalier. Um segura as rédeas do animal e o outro, de pé no rochedo, ameaça e exige dinheiro e malas. O bom padre estremece, mas não perde a confiança em São José. Recomenda-se fervorosamente ao Santo Protetor, abre a bolsa, tira duas moedas de prata e entrega-as ao bandido. Este sacode a cabeça, hesita, sorri, ordena ao outro que largue as rédeas dos animais, despedem-se e desaparecem ambos pela montanha. 

   O padre, salvo pela proteção de São José, narrava este prodígio, profundamente grato.

   Outro sacerdote, desde o dia de sua ordenação, consagrava-se a São José ao empreender qualquer viagem. Dizia, após longos anos de vida:

   - Nunca deixei de experimentar a doce proteção deste Santo Patrono, nos maiores perigos e nas situações mais angustiosas. Estive diante da morte iminente por duas vezes. Vi mortes ao meu lado e escapei ileso, graças a São José.

   Marinheiros contam, maravilhados, graças do céu nos perigos de viagens e nas tempestades, graças essas obtidas pela invocação de São José. 

quinta-feira, 30 de março de 2017

GLÓRIA E PODER DE SÃO JOSÉ


30 de março

JESUS, MARIA, JOSÉ

   Três nomes benditos! Nem a teologia, a ciência, a arte e a razão humana, bastam para explicar a excelência desta sociedade única na terra. Os três seres humanos (sendo Jesus também Deus) que, por seus dons naturais e sobrenaturais coroam e integram a criação e são o ideal da verdade e da virtude nos céus e na terra. São o céu na terra, o eterno no tempo, Deus no mundo. Jesus, Filho de Deus, Maria Mãe de Deus e São José, predestinado por Deus para ser o Pai Adotivo do Filho de Deus e, para proteger a Virgem Mãe de Deus, foi seu Esposo. Houve por ventura algo maior, mais sublime, mais excelso, mais divino sobre a face da terra? A Sagrada Família resume os pensamentos eternos de Deus; as maravilhas do seu poder, as efusões do seu amor. É o centro do plano divino e também o seu princípio e o seu termo.

   Jesus, Maria e José! São três corações inseparáveis; formam uma sociedade única e individual, uma família completa. Era uma família digníssima, uma família celestial na qual o chefe e pai de família era São José, mãe de família a Virgem e o filho Jesus Cristo. 

   O que Deus uniu não podemos separar. Não separemos, então, em nosso amor e devoção, Jesus, Maria e José. Vemos que o Espírito Santo nos Evangelhos em muitas passagens não separa estes nomes benditos.

   Jesus, Maria e José! Nomes de majestade e de glória! Felizes na vida e na morte, os que sempre os invocam!


EXEMPLO

São José protege a infância

   Em 1631 abriu-se uma vasta cratera no Vesúvio, formando uma onda enorme de fogo e de cinzas. Como um rio que transborda, a lava abrasadora cobre as aldeias e, sobremaneira, o lugar chamado "Torre del Greco". Neste vilarejo residia uma piedosa mulher chamada Camila. Distinguia-se pela devoção a São José. Morava com ela uma criança de cinco anos, seu sobrinho, chamado José.  Para fugir à onda de fogo, tomou nos braços o pequenino e se pôs a correr desesperada. Entretanto, chega um instante em que se vê na iminência de perecer. De um lado, um rochedo enorme, e do outro, o mar. Ou se atirava na água e morreria afogada, ou seria consumida pela onda de fogo que se aproximava rapidamente. Lembrou-se, nesta hora aflita, do seu grande protetor e não perdeu a confiança:

   - Meu São José, brada ela, não me importa a vida! Salvai, porém, esta criança, que traz vosso nome. 

   E, sem mais esperar, deixa a criancinha sobre uma rocha e se atira para o lado do mar. Por felicidade caiu numa praia estreita, aonde uma camada de areia branca a protegeu. Apesar da altura em que se precipitou, não se feriu. Estava salva! E a criancinha? Foi então que, no auge da dor, gritava: 

   - Pobre criança! Devorada pelas lavas!...

   Chorava ainda quando ouviu chamá-la. Era a voz do pequenino José, são e salvo, alegre, a pular na areia. 

   - Meu filho! Meu filho! brada Camila, apertando contra o peito a criança. Como escapou do fogo e da morte?

   - São José me salvou. Aquele São José a quem rezamos todos os dias. Apareceu-me, tomou-me pela mão e aqui cheguei 

   O fogo havia passado pelo rochedo. Era impossível a criança ter se salvado sem um milagre. Camila mais de uma vez aí mesmo se prostrou com o pequenino para agradecerem, comovidos, a incomparável graça alcançada por São José. 

quarta-feira, 29 de março de 2017

GLÓRIA E PODER DE SÃO JOSÉ


29 de março

O CORDÃO DE SÃO JOSÉ

   ORIGEM: Foi no século XVII, em Anvers, Bélgica, no convento das Agostinhas.

   Ia já para três anos que Soror Isabel Sillevorts via-se atacada do mal-da-pedra (cálculo renal). Dores lancinantes, espasmódicas! Os recursos da medicina, últimos e mais enérgicos, baldados!.

   Animada pela mais firme confiança no Patrocínio de São José, Soror Isabel, havendo obtido do sacerdote que lhe benzesse um cordão, cinge-o em homenagem ao grande Patriarca, abandona os recursos da terapêutica e começa com todo o fervor uma novena de súplicas ao Esposo puríssimo da Virgem Mãe de Deus, certa de que seria por ele ouvida e curada. 

   Dias depois, a 10 de junho de 1649, quando, por entre os estertores de agudíssimo sofrimento, a pobre fazia ao santo a mais ardente súplica, eis que de repente se vê livre de um cálculo de desproporcionadas dimensões e completamente curada.

   Grande e rápida foi a repercussão do milagre, que muito serviu para consolidar nos habitantes de Anvers a devoção a São José, então já bastante espalhada.

   Mais tarde, a 3 de janeiro do ano seguinte, lavrou-se disso uma ata autenticada pelas assinaturas da Madre Priora do Convento, Soror Maria Martens, de Soror Catarina Martens, a enfermeira da Comunidade, e da própria agraciada, Soror Isabel da Sillevorts.

   Em 1842, por ocasião dos piedosos exercícios do mês de São José, foi esse fato publicado na igreja de São Nicolau, na cidade de Verona (Itália), e muitas pessoas enfermas, cingindo-se então com o cordão bento, experimentaram o valioso auxílio do Santo Patriarca.

   Daí se foi estendendo o uso do cordão de São José; e, hoje, não só é procurado para alívio de enfermidades corporais como também, e com igual sucesso, em os perigos da alma.

   Salienta-se, sobremodo, o benefício do cordão de São José como uma arma contra o demônio da impureza.

   A Santa Sé autorizou a devoção do cordão de São José. Permitiu a fundação de Confrarias e Arquiconfrarias do Cordão de São José, elevando uma delas à categoria de Primária. 

   Em setembro de 1859, dando provimento a uma petição do bispo de Verona, a Sagrada Congregação dos Ritos aprovou a fórmula da Bênção do Cordão de São José. Esta bênção acha-se no Ritual da Santa Igreja, constando-se de cinco orações belíssimas. onde se pede especialmente a virtude da castidade e pureza de alma e corpo. 

   O Cordão de São José deve ser feito de linho, ou algodão bem alvejado. A pureza e alvura desses materiais nos hão de indicar a candura e virginal pureza de São José, castíssimo Esposo da Virgem Mãe de Deus, Maria Santíssima. 

   Numa extremidade leva sete nós, que representam as sete dores e as sete alegrias do glorioso Patriarca. 

   Por fim, deve ser bento, com bênção própria como está no Ritual. Assim devidamente bento, deve ser usado, é obvio, com fé e devoção para se implorar um constante Patrocínio de São José, especialmente na guarda e defesa da sublime virtude da castidade (como solteiro, casado ou consagrado). Se o trará constantemente cingido. Dou o conselho de usá-lo também como uma pequena penitência em honra de São José. 


EXEMPLO

A caneta de São José

   As Irmãs de Caridade de uma Congregação fundada pela Venerável Madre Seton estabeleceram, sob a direção de uma santa religiosa, Madre Maria Irene, uma casa em Nova York, destinada a receber e amparar crianças abandonadas. 

   O edifício é hoje dos maiores e ocupa um quarteirão todo entre a Lexington Avenue e a Terceira Avenida. Ali são amparados centenas de pobrezinhos. E, no entanto, esta obra grandiosa começou humilde e pobre. Em breve, Irmã Irene resolveu levantar o grandioso edifício. Confiou a obra a São José e esta chegou a ser uma realidade. Porém, como sustentar tantos pobres orfãozinhos? Havia enormes dívidas da construção. Os pedidos de proteção a crianças abandonadas chegavam todos os dias. Confiadas em São José, iam recebendo órfãos. Lembraram-se as Irmãs de pedir ao governo do Estado de Nova York uma subvenção anual e uma verba extraordinária de auxílio. Escreveram de Albay, sede da Assembleia Legislativa do Estado, que o pedido não passaria na Assembleia, porque não eram poucos os deputados protestantes, e estes se opunham ferrenhamente ao projeto. A situação era grave. Não era possível contar com os votos da maioria. O Partido protestante se opunha tenazmente e outros homens da Assembleia não olhavam a causa com bons olhos, já por espírito maçônico e liberal, já por grandes preconceitos contra a educação católica. Não se podia esperar que o Bill fosse aprovado. Nestas circunstâncias Madre Maria Irene, devotíssima de São José, alma simples e confiante, foi ao salão principal onde se venerava uma linda imagem do santo em tamanho natural e lhe disse, com doce ingenuidade: Meu querido São José, o projeto há de passar na Assembleia! Vós não haveis de desiludir minha confiança em vossa proteção. Vede os pobres órfãos da vossa casa e tantos outros que preciso amparar! Não é possível, meu São José, seja eu desamparada! Como hei de dar comida e roupa a tanta gente? Valei-me, meu São José! O Bill há de ser aprovado!

   E, ingenuamente, coloca na mão da imagem uma caneta com a pena molhada em tinta.

   - Aqui ficará nas vossas mãos, meu São José, esta caneta, até que o projeto seja assinado. 

   Toda gente que passava pelo vestíbulo sorria, ao ver São José de caneta entre os dedos.

   Durante um mês, seguramente, a imagem trazia a caneta, com admiração geral.

   Numa tarde, as religiosas em recreio, num pátio junto ao vestíbulo, ouviram o barulho da caneta que tombou no soalho. Madre Irene foi buscá-la e disse, radiante:

   - São José nos ouviu! Fomos atendidas. Tenho plena confiança!

   De fato. Uma hora depois, chegava à portaria um telegrama de Albany: "O Bill foi assinado".

   Aprovado!  
   
   Correram, todas as religiosas e crianças, para diante de São José e, ali prostradas, agradeceram comovidas a graça. 


   

terça-feira, 28 de março de 2017

A IGREJA E O MUNDO ( I )


"Não ameis o mundo nem as coisas do mundo" (1 João, II, 15).


Escrevi este artigo quando ainda seminarista, ou mais precisamente, há 45 anos atrás. Mostrei-o à S. Ex.cia Rev.ma D. Antônio de Castro Mayer, de santa memória, que, então,  bondosamente o leu e deu a sua aprovação.

 Hoje, vemos como os modernistas, mais do que nunca, dominando na Igreja, fazem uma mistura das coisas sagradas com as mundanas, como foi o fato sacrílego acontecido no carnaval deste ano em São Paulo, quando o Cardeal Odilo Pedro Scherer permitiu que o bloco carnavalesco União de Vila Maria, sob pretexto de homenagear os 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida, misturasse samba com cânticos religiosos, e colocasse a imagem de Nossa Senhora Aparecida, inclusive com o manto e coroa bentos por um padre do Santuário de Aparecida, colocasse, digo, num ambiente o mais mundano e pecaminoso possível, que é o carnaval, máxime o do Brasil. Assim sendo, achei por bem publicar este artigo. Oxalá as almas possam ver onde está a verdadeira doutrina de Nosso Senhor, e, outrossim, vejam como os modernistas são realmente os maiores inimigos da Igreja.

Feita que foi esta introdução, vamos iniciar as nossas reflexões sobre este texto das Sagradas Escrituras, acima enunciado.

Demos, em primeiro lugar, a noção correta de MUNDO, sentido este expresso no texto em apreço e nos muitos outros que aqui citaremos.

Tomamos aqui o termo MUNDO  não enquanto significa as obras da criação ou o conjunto das pessoas que vivem na terra (bons e maus), mas enquanto significa o complexo daqueles que são escravos da tríplice concupiscência e cujas máximas são contrárias às de Jesus Cristo. Mundo neste último sentido é explicado pelo Apóstolo São João na sua Primeira Epístola: "Não ameis o mundo nem as coisas do mundo. Se alguém ama o mundo não há nele o amor do Pai, porque tudo o que há no mundo é concupiscência da carne, concupiscência dos olhos e soberba da vida, e isto não vem do Pai, mas do mundo. Ora o mundo passa, e a sua concupiscência com ele, mas o que faz a vontade de Deus permanece eternamente" (1 João, II, 15-17).  

Baseados sempre nas Sagradas Escrituras e na Tradição, vamos explicar esta definição do mundo dada por S. João Evangelista.

1. CONCUPISCÊNCIA DA CARNE: Sobre ela eis o que diz São Paulo: Caminhemos como de dia, honestamente; não caindo em glutonarias e na embriaguez, não em desonestidades e dissoluções; não em contendas e emulações, mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e não vos ocupeis da carne em suas concupiscências" (Rom. XIII, 13 e 14). "Caminhemos como de dia, honestamente". As obras dos filhos das trevas são feitas comumente à noite. São todas as desonestidades provenientes da concupiscência da carne. É o amor desordenado dos prazeres dos sentidos. Em primeiro lugar o amor sensual ou luxúria, espalhado por todo o corpo: ver, ouvir, falar, fazer tudo aquilo que acende e alimenta as chamas do amor impuro. Também os excessos no comer e beber e a moleza da vida.

Em outras passagens, o Apóstolo mostra como devem agir os "filhos da luz": Aqueles que são de Jesus Cristo, crucificaram sua carne com seus vícios e concupiscências" (Gálatas, V, 24). Caríssimos, vede que S. Paulo não diz: "crucificaram seus vícios e concupiscências", mas "sua carne com seus vícios e concupiscências". O bom médico vai à raiz do mal. A carne, depois do pecado original, é a raiz dos males.

Ouçamos ainda S. Pedro, o primeiro Papa: "O Senhor sabe livrar os justos da tentação e reservar os maus para o dia do juízo a fim de serem atormentados, principalmente aqueles que vão atrás da carne na imunda concupiscência" (1 Pedro, II, 9 e 10).

2. CONCUPISCÊNCIA DOS OLHOS: Compreende duas coisas: a) a curiosidade doentia ou seja o desejo imoderado de ver, ouvir e conhecer o que se passa no mundo, alimentando e excitando assim a sensualidade. Neste sentido eis o que diz o Espírito Santo nas Sagradas Escrituras: "Ooliba [figura da corrupção de Jerusalém] foi aumentando sempre a fornicação porque tendo visto alguns homens pintados na parede, umas imagens dos caldeus delineadas com cores... pela concupiscência dos seus olhos concebeu por eles uma paixão louca"  (Ezequiel, XXIII, 14 e 16). "Os olhos não se fartam de ver..." (Eclesiastes I, 8). "Eu(Jesus), porém, digo-vos que todo o que olhar para uma mulher, cobiçando-a já cometeu adultério com ela no seu coração" ( S. Mateus V, 28). 

Como a concupiscência vem do mundo, este promove tudo aquilo que provoca e fomenta a concupiscência dos olhos, e através desta, a concupiscência da carne, como por exemplo: revistas pornográficas, filmes, novelas e espetáculos imorais, bailes, imodéstia no vestir, sobretudo em certos ambientes como praias, piscinas, e festas mundanas, sobressaindo entre elas o Carnaval (máxime aqui no Brasil), namoros indecentes mesmo em público, (assim eu escrevia há 45 anos, e hoje? nem preciso dizer o que são!). Entra ainda o papel da televisão, do cinema, da maioria dos jornais e hoje máxime da Internet usada para o mal, como veículos de propagação destas imoralidades.
b) A concupiscência dos olhos pode ser interpretada também como o amor desordenado do dinheiro, ou avareza. Com efeito, o dinheiro, ou apegando o homem a terra e afastando seu pensamento de Deus ou provocando o luxo e o comodismo, oferece maior facilidade para tudo aquilo que fomenta a concupiscência dos olhos e promove a concupiscência da carne. Aliás é por aí que o demônio começa como ensina S. Paulo: "Os que querem enriquecer caem na tentação e no laço do demônio e em muitos desejos inúteis e perniciosos que submergem os homens na morte e na perdição. Com efeito a raiz de todos os males é o amor do dinheiro" (1 Timóteo, VI, 9 e 10). Jesus disse: "Não procureis (com cuidados excessivos) o que haveis de comer e beber e não andeis com espírito preocupado. Porque são os homens do mundo que buscam todas estas coisas" (S. Lucas, XII, 29). E explicando a parábola do semeador diz ainda: "A semente que caiu entre espinhos, representa aqueles que ouviram a palavra, porém, vão e ficam sufocados pelos cuidados do mundo, pelas riquezas e prazeres desta vida e não dão fruto" (S. Lucas, VIII, 14).

Eis como a Sagrada Escritura fala da concupiscência dos olhos tomada no sentido de AVAREZA: "O olho do avaro não se sacia com uma porção injusta; não se fartará, enquanto não tiver consumido e secado a sua vida. O olho mau tende para o mal, e não se saciará de pão, mas estará faminto e melancólico à mesa" (Eclesiástico, XIV, 9 e 10).

3. A SOBERBA DA VIDA: É o orgulho. É primeiramente a vaidade mais vulgar que gosta da ostentação e do luxo. O dinheiro ajuda a soberba. Esquecido de Deus e entregue a si mesmo, o homem considera-se o seu próprio deus. Daí vêm: avareza, espírito de independência, egoísmo, vã complacência, vanglória, jactância, ostentação, hipocrisia etc.. O homem orgulhoso confia em si mesmo; por isso se expõe aos perigos, aos ambientes mundanos, não aceita uma norma de vida, um moral fora e acima dele. Ele mesmo é o árbitro de suas ações, ele é que determina a sua moral, o seu modo de agir. Em uma palavra: ele faz a sua religião. Compreende-se assim facilmente com o orgulhoso, que, na verdade, é rejeitado por Deus, tem o caminho aberto para toda concupiscência, entregando-se aos pecados e baixezas da carne, o que aliás constitui um castigo de seu próprio orgulho.

Vejamos apenas alguns textos da Sagrada Escritura sobre a soberba da vida: "Mas vós, pelo contrário, elevai-vos na vossa soberba" (S. Tiago, IV, 16). "O princípio da soberba do homem é afastar-se de Deus" (Eclesiástico, X, 14). "Não há coisa mais detestável do que o avarento. Por que se ensoberbece a terra e a cinza? "Tua arrogância enganou-te, assim como a soberba do teu coração" (Jeremias, CLIX, 16).

O mundo, que tem como príncipe o demônio (Cf. S. João, XII,31; XIV, 30; XVI, 11).  ) e por estandarte a tríplice concupiscência, como age? Caríssimos, depois da queda original a natureza humana é inclinada para a concupiscência que atrai e alicia, e esta é alimentada pelo mundo que por sua vez é governado pelo demônio. Estes são os três inimigos das nossas almas: o mundo, a carne, e o demônio. Eis a explicação dada pelo próprio Espírito Santo através de S. Tiago: " Cada um é tentado pela sua própria concupiscência que atrai e alicia. Depois a concupiscência quando concebeu dá à luz o pecado" (S. Tiago, I, 14). S. João diz por sua vez: "Aquele que comete o pecado é filho do demônio, porque o demônio peca desde o princípio" (1 S. João, III, 8). E no capítulo V, 19 diz: "Sabemos que somos de Deus, mas o mundo está sob o maligno". Nosso Senhor Jesus Cristo na parábola do joio explicou que é o demônio o homem inimigo que suscita os maus sobre a terra (Cf. S. Mateus, XIII, 39).

O mundo então através da tríplice concupiscência e excitado pelo demônio persegue os bons de duas maneiras:

 1 - Seduzindo-os através de suas vaidades e prazeres; promove, como vimos acima, tudo aquilo que favorece os olhares lascivos e enlaces sensuais, mas apresenta tudo isso como coisas necessárias para fomentar o amor; como úteis para a saúde, recreações, higiene, etc.. E assim, procura enganar as consciências. Depois o mundo elogia os que sabem gozar a vida. Prega o amor desordenado do prazer: "Coroemo-nos de rosas antes que elas murchem" (Sab. II, 8). É um dever sagrado, dizem os mundanos, aproveitar a mocidade, gozar a vida. O mundo seduz ainda pelos seus maus exemplos. Com mostra a trilhar o caminho largo, apresenta como argumento supremo a maioria. Todos os mandamentos se resumem neste: todo mundo faz assim; é a moda, etc..

2 - Quando não pode seduzir os bons, o mundo trata de os aterrar movendo-lhes perseguições: Assim, desviam-se da prática da religião os tímidos, metendo a riso os devotos, os que fazem penitência, os "ingênuos" que acreditam em dogmas imutáveis, motejam das mães que têm muitos filhos, e que vestem modestamente suas filhas, zombam daqueles que fogem dos ambientes perigosos: como bailes, praias, piscinas, carnaval, etc..

Já disse a Sagrada Escritura: "Aqueles que querem viver piedosamente sofrerão perseguição" (2 Timóteo, III, 11).

Diante da opressão que o mundo lhes faz, consolem-se com o diz a Sagrada Escritura: Em realidade se Deus não perdoou ao mundo antigo; mas somente salvou com outros sete a Noé, pregador da justiça, quando fez vir o dilúvio sobre o mundo dos ímpios, e se condenou a uma total ruína as cidades de Sodoma e Gomorra, reduzindo-as as cinzas para servir de exemplo aqueles que venham a viver impiamente, se, enfim, livrou o justo Lot oprimido pelas injúrias e pelo viver luxurioso destes infames (esse justo que habitava entre eles sentia diariamente a sua alma atormentada, vendo e ouvindo as suas obras iníquas), é porque o Senhor sabe livrar os justos da tentação e reservar os maus para o dia do juízo, a fim de serem atormentados, principalmente aqueles que vão atrás da carne na imunda concupiscência e desprezam a soberania (de Cristo)" (2 S. Pedro, II, 4-10).


Caríssimos, desculpem-me por eu ter me estendido demais. Mas, na verdade, o artigo ainda continua. No próximo sábado, se Deus quiser, continuarei tratando da mesma matéria: Veremos, se Deus quiser, o modo de agir dos modernistas e o da Tradição em relação ao mundo. Faremos um terceiro artigo sobre A MODÉSTIA NO VESTIR. Sempre me baseando nas Sagradas Escrituras. 

GLÓRIA E PODER DE SÃO JOSÉ


28 de março

A GLÓRIA DE SÃO JOSÉ NO CÉU

   É impossível à língua humana traduzir a grandeza e a glória de São José. É o cúmulo e o ápice de todos os triunfos da criatura, depois de Maria. 

   O termo da predestinação é a vida eterna, que consiste nesta visão de Deus que costumamos chamar a Glória. Ora, a glória que é dada a algum santo no céu, corresponde ao seu grau de predestinação. São José foi predestinado numa ordem e num grau muito superiores a todos os justos do Antigo Testamento e aos santos do Novo Testamento, sem excluir São João Batista e os Apóstolos. Só a Virgem Santíssima teve maior glória. E como a missão de São José, depois de Maria, foi a mais sublime em relação ao Verbo Encarnado, pode se concluir com segurança, no verdadeiro sentido da doutrina da Igreja católica, que o Santo Patriarca está colocado na glória celeste em primeiro lugar depois da Mãe de Deus. 

   Basta estarmos lembrados dos serviços prestados por São José ao próprio Deus na terra. Governou a Sagrada Família; foi o guarda de quem guarda todos os seres criados; o Anjo do Conselho; o redentor do Redentor dos homens, na apresentação do Templo; o salvador do Salvador do mundo, salvando-O de mil perigos; o senhor do Rei e da Rainha do céu. Os santos serviram a Jesus no pobre, na Eucaristia, no sacerdócio, na Igreja. José esteve ao serviço da própria Pessoa adorável de Jesus Cristo, servindo diretamente a Humanidade Santíssima do Redentor como nenhuma criatura depois de Maria.

   No céu tudo é perfeito e belo. Na terra, unidos viveram Jesus, Maria e José. Aqui, o Filho de Deus,  a Mãe de Deus obedeceram a José, o honraram como chefe da Sagrada Família. O amor de Jesus ao seu Pai Adotivo será menor no céu do que o foi na terra? Maria será menos dedicada ao seu Esposo Santíssimo.? Na perfeição do céu, mais perfeito, mais sublime há de ser o amor de São José, a sua glória, e mais eficaz a sua proteção. 


EXEMPLO

Pio IX, devoto de São José

   O grande Pontífice da Imaculada Conceição foi também o Papa de São José. Era comovedora a sua devoção filial ao Santo Patriarca. Pelo Decreto Apostólico de 10 de setembro de 1847, estendeu a toda a Igreja o festa do Patrocínio de São José, que se celebrava até então em poucas igrejas por indulto especial. Em 8 de dezembro de 1870 declarou solenemente a São José Patrono da Igreja Universal e ordenou que a festa de 19 de março fosse elevada ao rito duplo de primeira classe.

   É conhecido o episódio do célebre quadro da Imaculada Conceição. Um pintor francês veio lhe mostrar o esboço da obra. Era uma representação da glória da Imaculada no céu. 

   - Onde está São José? Não o vejo aqui, no quadro...

   - Santidade, responde o pintor, eu vou colocá-lo lá no alto, entre os santos.

   - Não, não! diz Pio IX. E pondo os dedos sobre a imagem de Jesus Cristo, disse: "Quero São José aqui, bem ao lado de Jesus Cristo, ao lado de Maria. Assim estão eles no céu. Não os separemos!

   Poucos dias antes de sua morte, o Santo Pontífice recebera em audiência íntima, em seu leito de sofrimento, a um religioso amigo. Este notou na fisionomia do Papa alegria e confiança e um doce otimismo no modo de falar.

   - Por que Vossa Santidade me parece hoje tão alegre?

   - É que hoje estive meditando, responde Pio IX, e encheu-me de consolação o pensamento de que São José agora é mais conhecido, mais amado e invocado em todo o mundo. Daí a minha confiança e a minha alegria, padre. Eu não verei mais, porém meus sucessores hão de ver o triunfo da Igreja, esta Igreja da qual eu constitui São José o Patrono. 

   O grande Papa nunca deixou de invocar, até a morte, a doce proteção de São José. Incentivou em toda a Igreja esta devoção. Nas horas tormentosas do seu difícil pontificado, confiou a sorte da Igreja a Maria Imaculada e a São José. Foi, realmente o Papa da Imaculada e de São José.  


segunda-feira, 27 de março de 2017

GLÓRIA E PODER DE SÃO JOSÉ


27 de março

A DEVOÇÃO DE SÃO JOSÉ NA IGREJA

   Nos primeiros séculos, o estudo da tradição, dos hagiógrafos e até mesmo a Arqueologia, e sobretudo os Comentários do Evangelho daqueles tempos, tudo isso nos vem demonstrar quanto era conhecido, louvado, admirado e invocado, nos dias primeiros da nossa fé, o Pai Adotivo de Jesus e casto Esposo de Maria.

   A Liturgia, na verdade, não lhe prestava um culto especial, porque a Igreja, naqueles dias de perseguição e de martírio, só se preocupava com as glórias e os cultos dos mártires. E esta é a razão porque São José não consta no Cânon da Missa. 

   Todavia não podemos afirmar ter sido São José completamente desconhecido e e esquecido. Um arqueólogo, Perret, encontrou nas catacumbas três documentos referentes a São José. O primeiro é uma pintura nas Catacumbas de Santa Priscila, representando Jesus, Maria e José; o segundo, um medalhão, do primeiro século provavelmente, no qual figuram Maria com o Menino Jesus nos braços e São José a contemplá-Lo extático. Uma terceira pintura da cena do encontro de Jesus no Templo, e claramente ali se vê o Santo Patriarca ao lado de Maria. 

   No IV e V séculos, em mosaicos, em sarcófagos, em pinturas e relevos, se encontram não poucas cenas do Evangelho com a figura de São José bem destacada. 

   E os escritores sagrados? 
   São Justino, no século II, defende a virgindade de Maria e a de São José. Orígenes e Santo Atanásio fazem o mesmo. São João Crisóstomo em suas homilias canta as virtudes de São José, chamando-o "o varão perfeito, humilíssimo santo, fidelíssimo e adornado de toda santidade". Santo Ambrósio São Jerônimo, Santo Agostinho celebram com eloquência a pureza de São José. São João Damasceno, São Máximo de Turim  e outros até São Bernardo, tecem panegíricos admiráveis de São José.

   A tradição nos diz que no século II os gregos tributavam culto a São José.

   No século IV a imperatriz Santa Helena, mãe de Constantino, mandou construir uma capela a São José, no lugar do Santo Presépio de Belém. Foi o primeiro templo a São José.

   O século V guarda uma grande veneração pelas tradições dos lugares sagrados no Egito, onde consta ter estado Jesus com Maria e José, na fuga da perseguição de Herodes.

   O nome de São José entrou no Martirológio Romano no século VIII.

   No século XV, algumas almas privilegiadas recebem de Deus a missão especial de propagar e tronar conhecido e amado o Santo Patriarca. Tais são: Santa Margarida de Cortona, Santa Brígida e Santa Gertrudes.

   No século XV surge o grande apóstolo que dá início à época áurea do culto de São José: Gerson, o célebre chanceler da Universidade de Paris.

   São Vicente Ferrer, Dominicano, morto em 1419, e sobremaneira os dois filhos de São Francisco, São Bernardino de Sena e São Bernardino de Bustis.

   O século XVI foi o triunfo e esplendor do culto do grande santo, Esposo de Nossa Senhora e Pai Adotivo de Jesus. A figura excelsa e única de Santa Teresa d'Ávila, só ela concorreu mais para a glorificação de São José que muitos outros santos e teólogos. Não se pode falar da história do culto de São José sem destacar, de modo singular, a Grande Reformadora do Carmelo. São José deve, de certo modo, a Santa Teresa a glória que hoje tem no mundo" Podemos dizer isto sem medo de exagero. Pois, o próprio Papa sábio Bento XIV afirma o mesmo.

   Desde a sua entrada no Convento d'Ávila, Santa Teresa leva consigo a imagem de São José e quer que todos o honrem. Escreve e propaga com ardor o culto de São José. "Nunca recorri a São José, diz ela, que não fosse atendida"; Deu o nome de São José ao primeiro convento da Reforma Carmelitana. Queria o nome de São José em todos os mosteiros fundados por ela. "É maravilhoso, escreve ela, é extraordinário o que acontece comigo: todas as graças de que Deus me cumula tanto para a alma como para o corpo, os perigos de que me tem livrado, tudo devo ao ter invocado a proteção de São José, aos méritos do meu amado Patrono."

   Treze fundações tiveram o nome de São José. E após a morte da santa, por ocasião da sua beatificação, em 1614, mudaram o nome de São José pelo de Santa Teresa, em todos os mosteiros, em homenagem à nova Beata. A santa apareceu à Venerável Madre Isabel de São Domingos e lhe disse com tristeza: "Diga ao Padre Provincial que tire meu nome dos mosteiros e lhes restitua o nome de São José, que possuíam antes".

   Não há duvida, o exemplo, os escritos e o zelo de Santa Teresa marcaram uma nova era, um novo período na propagação e esplendor do culto de São José. É bem verdade o que diz o esplendor atual do seu culto à grande Santa Teresa.

   Agora o culto do Santo Patriarca vai de triunfo em triunfo. Vou apenas citar alguns santos e Papas:São Vicente de Paulo e São Francisco de Sales, Santo Afonso de Ligório.  Pio VII proclamou o Patrocínio de São José sobre a Igreja e Pio IX proclama São José Patrono de toda a Igreja. No século passado: São Pio X, Bento XV, Pio XI e Pio XII. João XXIII introduziu São José no Cânon da Missa.



EXEMPLO

São José e a protestante

   Uma senhora protestante tinha um filho convertido à Igreja Católica e que em vão procurava convencer a mãe a que abraçasse a verdadeira fé.

   - Meu filho, dizia ela, eu permiti que abraçasses a religião católica e dei liberdade a todos em minha casa, em matéria religiosa. Não discutamos. É inútil querer me afastar do protestantismo. 

   O pobre moço, profundamente magoado, calou-se. Que fazer? Recorreu a São José! Desde que se converteu, o Santo Patriarca era objeto de sua devoção mais terna. Tinha confiança em São José. No aniversário natalício da mãe, quis lhe oferecer um presente.

   Procurou uma linda e artística imagem de São José. 

   - Mamãe, quero lhe oferecer o meu mais rico presente: esta imagem de São José. Aceite-a como prova de meu amor filial. Basta que me dê a alegria de aceitá-la e guardá-la. 

   Ao pronunciar estas palavras, a voz do moço tinha a expressão de uma grande ternura.

   - Meu filho querido, sim, eu guardarei carinhosamente o teu presente de hoje. Esta bela estátua não sairá mais do meu quarto. 

   Foi um raio de esperança na alma do pobre moço; Beijou a mãe estremecida e se retirou comovido, para ocultar as lágrimas.

   A imagem de São José causava uma impressão misteriosa na protestante. Era levada a invocar São José. Parecia-lhe já bem racional o culto dos santos. Poucos meses depois, caiu enferma e o seu estado se agravou. Mandou chamar o filho ausente. Ao avistá-lo, exclamou:

   - Meu filho querido, quero te dar uma boa notícia, que há de alegrar muito a tua alma: estou resolvida a abraçar a religião católica! Devo esta graça a São José. Esta imagem me converteu. Sinto, percebo claramente que estou no erro. Quero morrer na verdadeira religião.

   O filho emudeceu, comovido, e não pôde conter as lágrimas. Caiu de joelhos diante de São José:

   - Ó meu São José, eu vos agradeço! Que feliz inspiração a de oferecer a vossa imagem à minha mãe! Grande santo, eu vos agradeço mil e mil vezes!

   A doente pouco depois abjurava o protestantismo e recebia os sacramentos, com admiráveis disposições de fé e edificante piedade.

   Morreu como uma predestinada, a olhar e beijar a imagem do seu querido protetor São José.

domingo, 26 de março de 2017

HOMILIA DOMINICAL - 4º DOMINGO DA QUARESMA

Leituras: Epístola de São Paulo Apóstolo aos Gálatas 4, 22-31.
                Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João 6, 1-15: 

 
 "Naquele tempo, passou Jesus à outra margem do mar da Galileia, que é o de Tiberíades, seguindo-O grande multidão, porque via as maravilhas que ele fazia aos que estavam enfermos. Subiu, então, Jesus ao lado de seus discípulos. Ora, estava próxima a Páscoa, a festa dos judeus. Erguendo Jesus os olhos e vendo que uma grande multidão vinha a Ele, disse a Felipe: Onde compraremos pães para dar de comer a toda essa gente? Dizia isso, porém, para o experimentar, porque Ele bem sabia o que havia de fazer. Respondeu-Lhe Felipe: Duzentos dinheiros de pão não bastariam para que cada um deles recebesse uma pequena porção. Disse a Jesus um de seus discípulos, André, irmão de Simão Pedro: está aqui um moço que tem cinco pães e dois peixes, mas que é isto para tanta gente? Disse-lhe Jesus: fazei assentar os homens. Havia no lugar muita relva. Assentaram-se, pois, os homens, em número de quase cinco mil. Tomou, então, Jesus os pães, e havendo dado graças, distribuiu-os aos que estavam sentados; e igualmente distribuiu os peixes, quanto eles quiseram. Quando já estavam fartos, disse Ele a seus discípulos: Recolhei os pedaços que sobraram, para que se não percam. Recolheram-nos, pois, e encheram doze cestos de pedaços dos cinco pães de cevada, que sobraram aos que comeram. Vendo, então, aqueles homens o milagre que Jesus fizera, diziam: Este é verdadeiramente o Profeta que deve vir ao mundo. Mas Jesus sabendo que o viriam buscar à força, para O fazerem rei, fugiu de novo sozinho para um monte".

   Caríssimos e amados irmãos em Nosso Senhor Jesus Cristo!

   O quarto domingo da Quaresma é chamado o domingo "Laetare", porque a Santa Missa de hoje inicia-se com esta palavra que significa "Alegra-te". A Santa Igreja, como o faz no Advento (3º domingo), interrompe também na Quaresma a sua penitência. Demonstra alegria, pelo toque do órgão, pelo enfeite dos altares e pelo róseo dos paramentos. (Este róseo é para indicar que este domingo é chamado também "dia das rosas"; nele os cristãos se presenteavam mutuamente com rosas). Aliás, toda a Missa de hoje respira alegria e júbilo. E por que assim? Porque antigamente faziam os catecúmenos, neste dia, um juramento solene e eram recebidos no seio da Igreja, representada pela igreja da "Santa Cruz de Jerusalém" em Roma, onde o Papa celebrava a Missa. 
   Mãe dedicada e amorosa, alegra-se a Santa Igreja, ao receber os que serão lavados nas águas batismais (Introito, Epístola). E não menos se alegram os próprios catecúmenos (Gradual, Ofertório e Communio). A maravilhosa multiplicação dos pães, que se repete na santa Missa, nos garante a todos nós, a glória futura. Louvemos e agradecemos a bondade de Deus (Ofertório). 
   Este o significado da Liturgia deste 4º Domingo da Quaresma. Vejamos, agora, brevemente, a explicação do Santo Evangelho de hoje:

Mosaico (sec. V) que se encontra na igreja da Multiplicação
dos Pães e dos Peixes em Tabgha, lugar tradicional
do milagre. 
   Este milagre é a figura do milagre eucarístico. São João observa que "Estava próxima a Páscoa". Assim, em sua ternura maternal, a Santa Igreja oferece hoje este Evangelho à nossa meditação, para nos preparar para a comunhão pascal. Convinha pôr diante dos olhos dos discípulos uma imagem da Páscoa cristã, em que o Cordeiro de Deus imolado seria comido sob a figura do pão. Com efeito, dentro de pouco tempo a Igreja será espalhada por toda a terra, dividida em diversos grupos, cada um debaixo da direção de seu Pastor, de quem receberá o pão celestial; e este alimento vivo e vivificante nunca se acabará.
 As circunstâncias que antecedem, acompanham e seguem o milagre da multiplicação dos pães, significam as disposições que devemos ter antes, durante e depois da Santa Comunhão: 
          A - Circunstâncias que precedem o milagre:
  1. Este povo testemunha a sua fé seguindo a Jesus, vindo procurá-Lo de tão longe e com tantas fatigas. - Devemos também testemunhar a Jesus esta boa vontade, esta fé, este amor.
  2. O povo encontra Jesus no deserto e aí recebe os benefícios de Jesus. -  Igualmente, para merecer participar do banquete da Eucaristia, é mister dar à nossa alma um pouco de retiro, afastar por um tempo toda preocupação temporal, todo divertimento e distrações humanas. "Deus não está na agitação". 
  3. Jesus prepara as multidões para o milagre, instruindo-as e falando-lhes sobre o reino dos céus. - O mesmo faz a Santa Igreja. Durante a Quaresma há mais pregações e ela convida seus filhos a assistirem mais assiduamente à palavra de Deus.
  4. Jesus cura aqueles que têm alguma doença e os cura antes de lhes dar de comer. -  É a figura do Sacramento da Penitência, que deve ordinariamente, preceder à santa comunhão. 
  5. Vemos a obediência e a confiança absoluta deste povo: sob a ordem de Jesus todos se assentam sobre a relva, por grupos, e aguardam sua vez.... -  Aqui há um duplo ensinamento: - a) Se assentar sobre as relvas, segundo os Santos Padres, significa que é preciso calcar aos pés todas as concupiscências da carne, renunciar aos seus maus hábitos... - b) Depois, cada um deve se aproximar da mesa da comunhão segundo a ordem estabelecida, com decoro e modéstia, deve se ajoelhar, colocar as mãos postas e receber na boca a Santa Hóstia.
    B - As circunstâncias do milagre e o milagre mesmo:
  1. Vemos a bondade e atenção do coração misericordioso de Jesus. Tem compaixão das multidões, que são como ovelhas sem pastor, e que vieram de longe para procurá-Lo e escutá-Lo. -  Tendo amado os seus que estavam no deserto deste mundo, amou-os até ao fim, até ao extremo. Diz o Salmo 110: "O Senhor instituiu um memorial de suas maravilhas, Ele que é misericordioso e compassivo, deu alimento aos que o temem". 
  2. Jesus faz trazer os pães, toma-os em suas benditas mãos, eleva os olhos aos Céus, dá graças a seu Pai, depois benze estes pães e os distribui ao povo... e à medida que são distribuídos eles se multiplicam de uma maneira maravilhosa. - Caríssimos, tudo isto figura o que vai se passar depois no Cenáculo, quando, na última Ceia, Jesus vai instituir a Eucaristia. E o mesmo acontece cada dia no mundo todo, sobre os altares, onde Nosso Senhor renova esta maravilha inefável, mudando o pão em seu Corpo e o fazendo distribuir, pelas mãos de seus sacerdotes. 
  3. Todos comeram e se saciaram e ficaram fortificados. - Felizes os cristãos que têm fome da graça, do Corpo sagrado do Salvador!... Aqueles que se aproximam da mesa sagrada com humildade, fé e amor, serão também saciados, fortalecidos e repletos de consolações celestes. Não temos nós enfermidades e fraquezas no deserto desta vida? E não é o pão celestial que recebemos, incomparavelmente superior àquele que fartou o povo judeu? Quantos milagres não encerra? quantos mistérios não resume? De quantas graças não é a fonte? - Todos foram fartos, e fortificados. Eis o efeito do pão eucarístico, quando se come com boa disposição, farta; não se buscam os prazeres da terra, quando já se gozou dos do Céu; conforta, e é neste sentido que se chama o pão dos fortes. 

    B - Circunstâncias que se seguem ao milagre:
  1. Em seguida Jesus disse aos seus discípulos: "Recolhei os pedaços que sobraram". - Isto indica que é aos Apóstolos e aos sacerdotes que Jesus incumbiu esta missão de conservar como o maior tesouro sobre a terra, a divina Eucaristia, e de levá-la aos doentes. E, quanto aos fiéis, devem conservar religiosamente os frutos e as graças da comunhão, tendo todo o cuidado para não os perder. 
  2. Este povo demonstra sua gratidão, exalta a Jesus e reconhece-O como o Messias. - Isto faz a gente pensar como devem ser nossas ações de graças depois da santa Comunhão. 
  3. O povo quer proclamar Jesus Rei. - Depois da Comunhão, lancemo-nos aos pés de Jesus, dando-nos a Ele inteiramente, reconhecendo-O por nosso Mestre e o Rei dos nossos corações!
   

    Caríssimos e amados irmãos! Meditai todos estes pensamentos; examinai-vos sobre vossas comunhões... e prometei a Jesus fazer doravante, todos os esforços para O receber mais frequentemente, e sobretudo com mais devoção e fruto, afim de não viver senão para Ele, aguardando a felicidade de possuí-Lo eternamente na Jerusalém Celeste! Amém!

GLÓRIA E PODER DE SÃO JOSÉ


26 de março

SÃO JOSÉ E A VIDA INTERIOR

   São José é mestre da vida interior. Mas que é vida interior? A vida interior é esta doce intimidade com Jesus Cristo, o recolhimento de espírito, a vigilância contínua sobre si mesmo, esta vida divina em que a alma procura fugir do pecado e das agitações loucas do mundo para se ocupar das coisas eternas, pensar nas verdades de fé, caminhar nas vias da perfeição, e esta consiste em sua essência no amor de Deus e do próximo. Ora, não foram estas as disposições habituais da alma de São José? Quem conhece melhor e mais profundamente o Coração de Jesus? Diz São Bernardino de Sena: "São José teve, no mais alto grau o dom da contemplação". O Santo Patriarca recebeu mais do que todos os santos (excetuando-se Maria Santíssima) graças inefáveis do céu e as riquezas ocultas do adorável Mistério da Encarnação. Sua vida se passou em contínua oração, na intimidade de Jesus, no serviço de Jesus e por Jesus. Houve, por ventura, depois de Maria, maior intimidade de uma criatura com seu Criador? A fé viva e ardente que o levava a contemplar, na forma humana, a segundo Pessoa de Trindade Santíssima. Crer que ali estava sob seu governo em Nazaré, durante longos anos, o próprio Deus! Quantas luzes do céu não teve José da contemplação deste mistério! Depois de Maria Santíssima, nunca podemos imaginar um santo que tenha recebido maior privilégio de Deus e tenha possuído melhor a Jesus.
 Santa Teresa, a grande Mestra da oração e da vida contemplativa, cuja doutrina hoje ainda leva tantas almas às alturas da mais íntima união com Deus, a grande Matriarca disse ter aprendido os segredos da sua viada interior na devoção a São José. Apenas uma pequena citação de suas obras: "De todas as almas que se dirigem sempre a São José, eu não conheço uma só que não tenha feito rápidos progressos na perfeição".
 Daí, grandes santos aprenderam na escola de Nazaré a ciência do amor de Jesus e os segredos da vida interior.



EXEMPLO

Na escola de São José

   O piedoso e douto Padre Surin, mestre admirável de espiritualidade, conta o seguinte fato que se deu com ele: "Partia eu de Rouen, escreve, e no mesmo carro ia comigo um moço de cerca de dezoito anos mais ou menos, e sem nenhuma instrução. Era um empregado doméstico há muitos anos e nem sequer sabia ler e escrever. Qual não foi a minha admiração ao conversar com ele e perceber como entendia maravilhosamente das coisas espirituais! Falava da vida interior, da união com Deus, com muita clareza e bom senso, com segurança doutrinária; dizia coisas tão belas, que me enchiam o coração de fervor, e nunca ouvi alguém falar assim. Percebi que ele vivia numa oração contínua. Interroguei-o sob vários assuntos da vida espiritual, e me respondia tão bem, com singeleza e piedade. Não podia compreender onde havia aprendido tanta coisa sem um livro, sem um diretor espiritual

   "Ó meu bom padre, diz o moço, há mais de seis anos me coloquei sob a especial proteção de São José por inspiração de Nosso Senhor. São José é meu pai e meu mestre. Penso sempre nele e a ele me recomendo. Minha ciência vem do Pai Adotivo de Jesus Cristo!"

   O Padre Surin foi um dos apóstolos do culto de São José e dizia que a ciência de Santa Teresa nos domínios da espiritualidade foi haurida nesta fonte de vida interior que é a devoção a São José, na qual tanto se distinguia a Matriarca do Carmelo. 


sábado, 25 de março de 2017

GLÓRIA E PODER DE SÃO JOSÉ


25 de março

AS LADAINHAS DE SÃO JOSÉ

   São Francisco de Sales escrevera para Santa Joana de Chantal uma piedosa ladainha ao Santo Patriarca e recomendava, com instância, esta forma de invocações ao grande santo das mais agradáveis e tocantes. 

   E, na verdade, como incentiva a nossa devoção repetir os belos títulos de glória e os privilégios do Santo Esposo de Maria. Procuremos recitá-las sempre com fervor. Ajudam tanto a crescer em nossa alma a devoção a São José! A Santa Igreja a colocou entre as principais ladainhas. 

   É um meio poderoso para aumentar nossa devoção ao Santo Patriarca, recitar todos os dias, sendo possível (pelo menos todas as quartas-feiras), a fórmula tão bela dos seus louvores. Nas aflições, nos perigos, nas horas em que tivermos necessidade de uma proteção especial de São José, recitemos com pausa e reflexão as suas ladainhas. Elas inspiram tanta confiança!


EXEMPLO

São José e a confiança dos pobres

   São José é bom ecônomo. Toda instituição ou obra, entregue ao chefe e provedor da Sagrada Família, jamais perece. Poderá sofrer dificuldades, mas a confiança no querido patrono a salva de todo perigo.

   Uma Congregação religiosa , as Pequenas Irmãzinhas dos Pobres nomeou São José seu provedor de todas as casas.

   Estabeleceram um Asilo de mendigos e velhos. Um dia, a Irmã da despensa notou que a manteiga já não existia mais nos potes.  E lá prefeririam passar sem pão que sem manteiga. Os velhinhos ficaram desolados. Haviam pedido tanto a São José que nada lhe deixasse faltar no Asilo, principalmente a manteiga. A boa Madre Superiora, alma simples e caridosa, não perdeu a confiança. Ao ver que nem o dinheiro nem a manteiga apareciam, imaginou um expediente devoto, para tocar o coração de São José. Mandou que alguns velhos trouxessem da capela a imagem de São José e a transportassem em procissão, entre velas acesas, até à despensa. Lá, colocam a imagem entre os potes de manteiga vazios e acendem duas velas. "Pois, diziam eles, São José não volta para a capela enquanto não nos socorrer!" E puseram-se a rezar, em turmas sucessivas, ante aquele altar improvisado e original. Chega a noite e... os potes vazios! Alguns velhos, de vez em quando, olhavam curiosos para dentro dos potes e sacudiam a cabeça, desolados: "Nada! Nada! São José não mandou até agora a manteiga!" Julgavam que, por milagre, os potes se haviam de encher sozinhos. À noite, foram se deitar sem manteiga. No dia seguinte, logo pela madrugada, acendem de novo as velas e recomeçam as orações e a guarda de São José, entre os potes vazios. Mal se abriram, de manhã, as portas do Asilo e um capitalista da cidade se apresenta à Madre Superiora, dizendo:

   - Madre, aqui venho pela primeira vez. Não conheço o Asilo e sou obrigado hoje a visitá-lo.

   - Obrigado?! pergunta a religiosa algo surpreendida.

   - Sim. Durante esta noite toda sonhei com esta casa, com os velhos, e alguém me repetia: "É preciso visitar o Asilo! Depressa, visita o Asilo!" E nisto passei toda a noite em sonhos que me importunaram. Levantei-me e aqui estou. Permita-me um visita ao estabelecimento.

   A Superiora leva-o à capela, aos salões, dormitórios e demais dependências. Chegam à despensa. Lá estavam os velhos, em oração, diante de São José e dos potes vazios.

   - Que é isto, Madre Superiora?

   - Os velhinhos imploram a São José um pouco de manteiga para os potes vazios. Desde ontem rezam sempre.

   O capitalista riu-se e depois exclamou, algo impressionado:

   - Agora compreendo por que sonhei tanto esta noite e por que me diziam: "É preciso visitar o Asilo!" São José me trouxe aqui. Pois mandem encher os potes de boa manteiga e pagarei as despesas. Não deixem faltar manteiga para os velhos.

   Os velhinhos, felizes, e as boas irmãs, de joelhos, agradeceram o favor a São José.

   - Agora você pode voltar para a capela! Muito agradecido, meu São José! murmurou um dos velhos, ingenuamente. 

sexta-feira, 24 de março de 2017

GLÓRIA E PODER DE SÃO JOSÉ


24 de março

O SANTO NOME DE SÃO JOSÉ

   Na Sagrada Escritura os nomes têm um sentido profundo e belo: traduzem a missão de quem o possui, Por exemplo: Abraão, Jacó, Pedro etc.

   O nome traduz uma missão, não é imposto arbitrariamente. Assim o filho de Jacó fora chamado José. José, diz a Escritura, filho que cresce, filho que cresce e de formoso aspecto.

   José, diz São Jerônimo, quer dizer acréscimo, aumento. Ora, a significação deste nome, comenta Santo Alberto Magno, convém àquele que pelas relações com Deus foi elevado acima de todos e pela união com Maria, Mãe de Deus, e pela paternidade adotiva de Jesus, cresceu, elevou-se mais que todos os mortais. O nome de José vem repetido muitas vezes no Evangelho. E tal repetição, observa ainda o Santo Doutor, indica um desígnio particular da Divina Providência. Deus quer esclarecer e evidenciar a justiça santíssima de São José, escrevendo seu nome muitas vezes no Evangelho, o Livro da Vida. Quer provar que aquele homem, escolhido para Esposo de Maria, não era desconhecido, e quer eternizar a memória do que foi considerado Pai do próprio Deus.

   São José, nome glorificado pelo Espírito Santo. Nome que veio do céu, nome bendito e inseparável dos santíssimos nomes de Jesus e Maria. O nome bendito de José, mil vezes pronunciado por Jesus e Maria na intimidade de trinta anos na casa de Nazaré; nome santificado nos lábios do próprio Deus e da Mãe de Deus; nome querido e cheio de bênçãos - não há de ser poderoso e cheio de eficácia, invocado em nossas necessidades e misérias da vida terrena? Depois do nome santíssimo de Jesus e do nome bendito  de Maria, nenhum nome é mais poderoso no céu e na terra.

   Santa Teresa d'Ávila afirmava: Nunca invoquei o nome de São José e deixei de ser atendida. É um nome poderoso para afastar as tentações, inspirar bons pensamentos, salvar-nos nos perigos e ajudar-nos na luta contra o pecado. Nunca o separemos dos nomes de Jesus e Maria.

EXEMPLO

Salva do perigo e convertida por São José

   A menina Allen, filha de um general americano, Ethan Allen, na idade de doze anos passeava tranquila às margens de um belo rio, quando vê, apavorada, um monstro a se levantar em meio das águas agitadas e avançar em direção a ela. O medo a reteve, pálida, sem poder fugir. Assim ficou, à espera da morte, quando um homem de alguma idade, com um manto grande, a tomou nos braços, carregou-a até a estrada e ali deixou-a, dizendo: "Foge, minha filha, depressa!"

   A menina volta a si, refaz-se do susto e corre a toda pressa. Volta-se de vez em quando, olha para trás, quer ver o desconhecido que a salvou e não mais o encontra. Em casa, diz à mãe o que se passou. Os criados foram à procura do benfeitor e ninguém pode informar o paradeiro do homem misterioso.

   Passaram-se treze anos. A menina Allen é moça, rica, prendada, e, nascida na heresia protestante, veio depois a cair na incredulidade. Lia obras perniciosas e imoralíssimas. Tornou-se livre-pensadora. Gabava-se de espírito forte. Todavia, o misterioso monstro e o mais ainda misterioso homem que a salvou nunca lhe saíam da lembrança. Os pais a matricularam numa escola de Irmãs, em Villemarie, a fim de aprender a língua francesa. Certo dia, uma das religiosas lhe pede um obséquio e era o de levar um vaso de flores à capela e deixá-lo sobre o altar do Santíssimo. Pediu-lhe que ao entrar no templo se ajoelhasse com todo respeito. A moça riu-se e tomou das mãos da Irmã o vaso, prometendo cumprir todas as recomendações. quando se aproxima da capela mor, onde se achava o altar com o Sacrário, sente que uma força misteriosa a obriga a cair de joelhos, e não pode mais dar um passo adiante. Era inútil todo esforço. Caiu de joelhos, sentiu lágrimas quentes a lhe correrem pelas faces. Um desejo de abandonar o pecado, voltar-se para Deus, mudar de vida. Não podia compreender tão súbita transformação de alma. 

   Levantou-se disposta a procurar um sacerdote e tornar-se cristã fervorosa.

   A assim o fez. Preparou-se para a abjuração do protestantismo e entregou-se ao serviço de Deus. Fez mais ainda: resolveu fazer-se religiosa para servir a Deus o resto da vida. Antes de entrar para o noviciado, foi visitar a capela do hospital na mesma cidade onde outrora o homem misterioso a salvou do monstro à beira do rio.

   Apenas entrou no pequenino templo, deu com um lindo quadro de São José. Não se conteve. Gritou alto: É ele! Ele, sim, é ele mesmo!

   Os que a acompanhavam não compreendiam. 
   - Sim, é o homem que me salvou do monstro! Compreendo agora tudo. O monstro era imagem da heresia da qual fui livre. Os braços de São José que me acolheram e me salvaram, a Congregação das Irmãs de São José que me vai receber!

   Em 1808 a piedosa jovem fez a profissão e como religiosa santa e zelosa concorreu para a conversão de inúmeros protestantes. 

   

quinta-feira, 23 de março de 2017

GLÓRIA E PODER DE SÃO JOSÉ


23 de março

SÃO JOSÉ E OS SANTOS

   A devoção a São José é uma escola de vida interior e de santidade. Não é José a criatura que mais aproveitou a vida de intimidade com Jesus e Maria, vida que é o encanto de todas as almas interiores? A sua devoção afervora, leva à Maria e ao Coração de Jesus.

   O maior dos santos é, pois, o mais querido e venerado dos próprios santos. Os santos Doutores celebram com panegíricos e comentários admiráveis as glórias de São José. Santo Agostinho mostrou a beleza e a excelência da união de José e Maria. São João Crisóstomo exalta os méritos daquele que mereceu se escolhido entre todos os homens para ser o Pai adotivo do Filho Unigênito de Deus. São Jerônimo defendeu com ardor, contra os hereges a perpétua virgindade de São José. São Bernardo fala com tanta ternura de São José como falou de Maria Santíssima. São Bernardino de Sena, que apóstolo e cantor magnífico das glórias e privilégios de São José! Santo Tomás de Aquino, defende muitos privilégios e glórias de São José. Que dizer de São Francisco de Sales, Santo Afonso, Santo Inácio de Loiola, etc.. 

   São José é verdadeiramente o santo da devoção dos santos. Por exemplo:

   Santa Madalena de Pazzi viu no céu a glória de São José e nunca deixou de o invocar, porque sabia quanto poder tem Ele junto de Deus. 
   Santo Inácio de Loiola, o fundador da Companhia de Jesus, bem revela, nos seus admiráveis Exercícios Espirituais, como era devoto de São José. É sob a inspiração de São José que se tornou tão hábil na arte divina de dirigir as almas.
   Santa Margarida de Cortona, desde a conversão, cada dia se recomendava ao Santo Pai adotivo de Jesus. Um dia lhe aparece Nosso Senhor dizendo: Margarida, quero que saibas, a tua devoção a José, meu Pai adotivo, muito me é agradável. Eis porque desejo que cada dia prestes algum tributo de louvor em honra dele. José me é muito caro e amado de meu coração. 

   São Luis de Gonzaga, o angélico moço, desde pequeno se consagrou a imitar a pureza de São José. Tinha para com ele uma devoção toda filial. O lírio de São José tocou aquela alma e a encheu de suave perfume da virtude dos anjos. 
  
   Sano Afonso Maria de Ligório nunca separou em suas orações os nomes santíssimos de Jesus, Maria e José. Escreveu páginas tocantes sobre as grandezas e o poder de São José.

   O Santo Cura d'Ars  se fez um perfeito imitador de São José, trabalhando em silêncio sob os olhares de Jesus e Maria. Imitou e pregou a devoção a São José. 

   Afinal, não haverá um só predestinado, um herói da santidade que não tenha invocado e procurado imitar a São José no amor e dedicação no serviço de Jesus e Maria. 


EXEMPLO

São José e os estudantes

   Num seminário da França um clérigo dotado de ótimas qualidades, piedoso e aplicado aos estudos, sentia dificuldades no estudo do latim. Estava para ser dispensado pelos superiores, que, verdadeiramente tristes, viam a impossibilidade do pobre moço em dar conta dos estudos eclesiásticos. 

   O piedoso clérigo não desanimava. Uma grande confiança na proteção de São José o levou a se prostrar, banhado em lágrimas, ante o altar do santo. Não podia se conformar com ver todo o seu sublime ideal desfeito.

   - Ó meu São José, valei-me! Se chegar ao sacerdócio, serei apóstolo do vosso culto.

   A prece foi ouvida. No dia seguinte tudo se esclarece. Percebe as lições com clareza e segue as aulas com proveito. Os mestres e colegas se admiram de tão súbita mudança. O clérigo, de último, vem a ser dos primeiros nas classes. Ordenou-se sacerdote, foi mais tarde professor de Teologia no seminário, Vigário Geral da Diocese e cumpriu generosamente a promessa: foi um grande apóstolo do culto de São José. 

   São João Berchmans também foi um dos mais perfeitos modelos de devoção a São José. quando estudava filosofia, ao chegar ao exame dizia: "O patrono deste exame será meu São José. Se for feliz, hei de rezar três terços em sua honra". "Percorrerei meus cadernos e, se puder percorrer todos e gravá-los bem na memória, farei uma devoção especial a São José". E todo exame colocado sob a proteção do Santo Esposo de Maria era brilhante e feliz. São João Berchmans teve a honra de defender em público, com nota de distinção com louvor, uma série de teses filosóficas. 

   O angélico moço da Companhia de Jesus se santificou na escola da humildade e pureza de São José.

   São José é tão simples e humilde que ninguém tem receio de se aproximar dele e fazê-mo-lo sempre com toda confiança por estar ele tão unido a Jesus e a Maria! Aí conseguimos tudo, tudo mesmo!!!

   

quarta-feira, 22 de março de 2017

GLÓRIA E PODER DE SÃO JOSÉ


22 março

SÃO JOSÉ, REFÚGIO DOS PECADORES

   Santa Teresa d'Ávila escreve que Deus fez São José o plenipotenciário, o tesoureiro geral para aliviar e socorrer as almas em todas as suas necessidades. E quem é mais necessitado e miserável que o pecador? Aos pecadores, sim, haveríamos de recomendar: Ide a São José! Nunca vos desespereis da salvação de vossa pobre alma, porque jamais se devia dizer que quem confia em São José fosse desamparado. Ele nos alcançará de Deus o perdão e a misericórdia. Como no Egito, na época de José, filho de Jacó, também os pecadores, nesta hora de fome e de miséria espiritual que vivemos, têm um refugio e um recurso: Ir a José, recorrer a São José. E por José irão à Maria, e por Maria a Jesus. 

   Portanto, recomendemos a devoção a São José aos pobres pecadores. Têm-se visto tantas maravilhosas conversões de pecadores mais endurecidos, só porque às vezes conservaram alguma pequena prática de devoção ao Santo Patriarca. 


EXEMPLO

Boa inspiração

   Uma mulher piedosa tinha uma filha que em nada edificava as irmãs. Leviana e cheia de mundanismos perigosos, ia a jovem pelo mau caminho. A mãe aflita, cada vez que se lhe apresentava a oportunidade ia a uma igreja ao altar de São José e, entre lágrimas, suplicava a conversão da filha. Um dia teve a inspiração: "E se eu desse àquela doidivana uma pequenina imagem de São José? Talvez ela não aceite. Pode rasgá-la. Em todo caso, experimento."

   Levanta-se cheia de confiança. Na primeira livraria ou bazar escolhe uma bela estampa do Santo Patriarca. No quarto da filha, ausente, coloca a estampazinha entre os livros de estudos da moça. Esta, ao voltar, pergunta curiosa: "É interessante... achei entre os meus livros uma bela estampa de São José... Não sei o que fazer... Donde veio?

   Ninguém lhe responde. Calou-se, voltou para a mesa e pôs-se a contemplar a pequenina imagem. Achou-a tão bonita! E uma impressão qualquer passou-lhe pela alma. Sentia dentro de si algo de estranho. Contemplava sem cessar a imagenzinha de São José. Depois, lê no verso uma oração impressa. Lê e reza, também. Há quanto tempo não rezava! Depois... foi uma torrente de lágrimas de dor e arrependimento de tantos pecados e leviandades. A mãe a foi encontrar assim, transformada miraculosamente em um instante. Após a conversão, tornou-se um modelo de piedade e modéstia, e a edificação de todos. 
   Uma bela conversão devida a São José. 


terça-feira, 21 de março de 2017

GLÓRIA E PODER DE SÃO JOSÉ


21 de março

SÃO JOSÉ, PATRONO E MODELO DAS ALMAS CONSAGRADAS A DEUS


   O Santo Patriarca é apresentado como belo modelo para as almas sacerdotais, o protetor, o ideal de quem serve a Jesus no santuário. Não teve o admirável santo a honra do sacerdócio concedida aos apóstolos. A sua missão era outra. Não havia de pregar o nome de Jesus, mas guardar o Tesouro Divino de Belém aos últimos dias de Nazaré. 

   Como o sacerdote, José depois de Maria foi a criatura mais íntima de Jesus e quem tocou, sustentou com o suor de seu rosto, protegeu, defendeu com sacrifícios e duras provações e humilhações o Corpo de Jesus Cristo, nosso Redentor!

   Uma das belas orações da preparação para a Missa assim nos fala com eloquência de São José e do sacerdote: "Ó Deus, que nos destes a realeza do sacerdócio, concedei-nos, vo-lo suplicamos, que assim como o Bem-aventurado José mereceu trazer e tratar reverentemente em suas mãos o vosso Unigênito Filho, nascido de Maria Virgem, assim fazei com que, em pureza de coração e inocência de vida, mereçamos servir em vossos santos altares, e assim tomemos hoje dignamente o sacrossanto corpo e sangue de vosso Filho, e mereçamos o prêmio eterno no século futuro por Cristo Nosso Senhor!

   São José também sempre foi invocado com todo fervor de uma sincera devoção, na vida Religiosa. Com Maria e o Deus Menino em Nazaré não viveu como verdadeiro religioso, no sentido mais perfeito da palavra? Pobreza, castidade e obediência, eis os votos da Religião. Quem mais pobre, mais puro, mais obediente que São José, depois de Maria? 

   Desde Santa Teresa d'Ávila, grandes fundadores de Institutos religiosos suscitam uma grande devoção ao Santo Patriarca e o apresentam como modelo e protetor de suas obras.


EXEMPLO

Três diamantes

   Contam os "Anais Dominicanos" que a Beata Margarida, da Ordem de São Domingos, tinha sempre nos lábios em todas as circunstâncias e em contínua prece, os nomes benditos de Jesus, Maria e José. Vivia em colóquios com o Divino Redentor, Maria Santíssima e o grande São José. Muitas vezes em êxtases de que era favorecida ouviram-na exclamar: Que tesouro! que grande tesouro eu trago no coração!

   Depois da morte encontraram no coração da bem-aventurada três diamantes preciosos e neles brilhavam as imagens da Jesus, Maria e José. O prodígio despertou a atenção de inúmeras pessoas. 

   É mister que durante toda nossa vida invoquemos, cheios de fervor, os três nomes de vida e de salvação: Jesus! Maria! José! Felizes seremos se os tivermos sempre gravados em nossos corações. São os diamantes espirituais, mais preciosos que todas as raras joias da terra e podemos, sem o prodígio de Santa Margarida, Dominicana, trazê-las sempre conosco no peito por uma devoção ardente à Sagrada Família.